Você está aqui
Home > HIV/AIDS > Profilaxia Pré-exposição ao HIV

Profilaxia Pré-exposição ao HIV

Compartilhe
  • 13
    Shares

Profilaxia Pré-exposição ao HIV – PrEP

É uma estratégia de prevenção contra o vírus HIV para pessoas não infectadas e que possuem um risco maior de contrair o vírus.

Existem duas formas de administração. Comprimido ou gel. Os estudos têm comprovado maior eficácia do uso de comprimido.

O medicamento se chama Truvada®.

Ele pode ser usado para tratamento do HIV se somado a outros medicamentos, mas para a PrEP ele é usado sozinho.

Trata-se de 1 único comprimido composto por 2 substancias: Tenofovir – TDF (300 mg) e a Emtricitabina-FTC (200 mg)

 

Qual a eficácia do uso da PrEP?

A eficácia deste método foi testada amplamente em vários estudos clínicos e de sub populações específicas.

Ela varia de acordo ao grupo estudo, mas principalmente de acordo à adesão ao esquema.

Em quem toma a medicação como indicado, há redução em 95% da transmissão sexual e 70% da transmissão em usuários de drogas injetáveis.

Estudos sobre a PrEP (Profilaxia pré exposição ao HIV)

Como o PrEP funciona

A Presença do remédio no sangue na concentração indicada (tomando 1 cp ao dia), combate o vírus na hora em que ele entra, impedindo que se espalhe pelo corpo.

O que fazer antes de iniciar a PrEP:

  • Descartar gravidez
  • Descartar infecção pelo vírus HIV
  • Testar e Tratar de Infecções de Transmissão Sexual
  • Testar para Hepatites Virais
  • Vacinar contra a hepatite B nos casos cabíveis
  • Avaliar  função renal e hepática
  • Avaliar histórico de fraturas patológicas
  • Avaliar patologias pregressas
  • Identificar presença de medicações de uso continuo que podem interagir com o Truvada
  • Avaliar prevenção combinada (como o uso de preservativos)

 Cada ponto visto na indicação deve ser revisado a cada 3 meses

Como é o esquema de profilaxia

Deve ser tomada 1 comprimido por via oral todos os dias.

O PrEP não tem efeito imediato

  • Para relações anais, o PrEP deve ser iniciado 7  dias antes da exposição
  • Para relações vaginais, deve ser iniciado aproximadamente 20 dias antes da exposição
  • A proteção no sangue começa 20 dias inicio do uso

Como deve ser o acompanhamento durante o uso:

Deve ser realizado consulta médica com o Infectologista a cada 3 meses.

O que deve ser avaliado nas consultas do paciente em uso de PrEP:

  • Procura por sintomas de infecção aguda pelo HIV
  • Testagem sorológica do HIV
  • Testagem sorológica de outras ISTs (como Sífilis, Clamídia, Gonococo, Hepatite B e C)
  • Peso do paciente
  • Avaliação presença de reações adversas secundarias ao uso da PrEP
  • Avaliação de exposição ao risco ( a PrEP ainda está indicada para esta pessoa?)
  • Monitorar toxicidade ao rim e fígado
  • Teste de gravidez
  • Orientar ao paciente sobre sintomas e sinais da infecção aguda do HIV
  • Orientar ao paciente sobre outras práticas de profilaxia contra o HIV e outras ISTs
  • Monitorar a saúde dos ossos

O que fazer em caso de esquecimento da dose

Tomar mais que 1 comprimido por dia não aumenta a proteção, nem compensa a falha, caso a pessoa se esqueça de tomar a dose anterior.

No caso de esquecimento de uma dose, o indicado é tomar na hora em que se lembrou e seguir as demais tomadas na hora habitual.

Efeitos colaterais:

Os efeitos colaterais mais frequentes são:

  • Flatulência (aumento de gazes)
  • Fezes amolecidas
  • Náuseas
  • Cefaleia (dor de cabeça)
  • Edemas (Inchaços no corpo)

Para diminuir essas reações, pode-se evitar tomá-lo com o estômago vazio e procurar tomá-lo a noite, antes de dormir.

Quando interromper a PrEP ?

  • Diagnóstico de infecção pelo HIV
  • Desejo da pessoa de não mais utilizar a medicação
  •  Mudança no estilo de vida, com importante diminuição do risco
  • Persistência ou a ocorrência de eventos adversos relevantes
  • Baixa adesão à PrEP, mesmo após abordagem individualizada de adesão.

Em caso de exposição, deve-se esperar pelo menos 30 dias antes da suspensão da PrEP.

O uso da camisinha

É muito importante ter consciência de que a PrEP protege apenas contra o vírus HIV sensível aos componentes do Truvada®.

Ele não tem efeito sobre outras ISTs como a:

Além disso, ela não protege contra o vírus HIV resistente aos remédios de sua formulação (cerca de 1% dos vírus transmitidos).

A PrEP não substitui o uso do preservativo.

Quem pode usar a PrEP

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a PrEP pode ser priorizada para populações de maior risco como:

  • Homens que fazem sexo com homens (HSH),
  • Usuários de drogas injetáveis
  • Profissionais do sexo,
  • Àqueles em risco de transmissão sexual em áreas com transmissão endêmica ou hiperendêmica do HIV.

Em dezembro de 2011, a empresa biofarmacêutica norte-americana Gilead Sciences apresentou ao Food and Drugs Administration (FDA, EUA) o pedido de registro do Truvada® uma vez ao dia para a profilaxia pré-exposição ao HIV em adultos não infectados. Em julho de 2012 essa agência regulatória concedeu a aprovação.

Os Centros de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos publicou em 14 de maio de 2014 as Diretrizes Clínicas para o uso de PrEP .

Em relação à transmissão sexual, o Guia do CDC recomenda a PrEP para pessoas que não possuem o HIV com alto risco de contrair o vírus, como por exemplo:

  • Casais sorodiscordantes ( um tem o vírus HIV e o outro não) Homossexuais ou heterossexuais com relacionamento estável;
  • Homens que fazem sexo com homens (HSH) ou bissexuais que tiveram pelo menos uma relação anal sem preservativo ou foram diagnosticados com uma doença sexualmente transmissível nos últimos 6 meses;
  • Homens ou mulheres heterossexuais que não usam preservativos regularmente nas relações sexuais com parceiros que desconhecem se têm HIV e estão em alto risco de contrair HIV, como por exemplo, parceiros usuário de drogas injetáveis, parceiros bissexuais do sexo masculino ou profissionais do sexo.
  • Usuários de drogas injetáveis

O uso da PrEP no Brasil

Profilaxia Pré-exposição ao HIV

No dia 29 de maio de 2017, a ANVISA publicou no diário oficial da União a ampliação do uso do Truvada para a Profilaxia Pré-exposição ao HIV-1.

O Truvada não será vendido em farmácias. Ele será oferecido pelo SUS para as pessoas com critérios de risco e apenas com prescrição médica:

Saiba mais sobre esta novidade aqui.

Quem será contemplado pela PrEP no Brasil

Situações indicação de PrEP

Qualquer pessoa nas situações abaixo:

  • Repetição de práticas sexuais anais e/ou vaginais com penetração sem o uso de preservativo
  • Frequência das relações sexuais com parceiros eventuais
  • Quantidade e diversidade de parceiros sexuais
  • Histórico de episódios de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)
  • Busca repetida por Profilaxia Pós-Exposição (PEP)
  • Contextos de troca de sexo por dinheiro, objetos de valor, drogas, moradia, etc

Gays e Homens que fazem sexo com Homens – HSH

Quem são: Homens que se relacionam sexualmente e/ou afetivamente com outros homens:

Em que situação:

  • Relação sexual anal (receptiva ou insertiva)  sem uso de preservativo nos últimos seis meses
  • Episódios recorrentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)
  • Uso repetido de Profilaxia Pós-Exposição (PEP)

Pessoas Trans

Quem são: Pessoas que expressam um gênero diferente do sexo definido ao nascimento (homens e mulheres transexuais, transgêneros, travestis e outras pessoas com gêneros não binários)

Em que situação:

  • Relação sexual anal (receptiva ou insertiva)  sem uso de preservativo nos últimos seis meses
  • Episódios recorrentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)
  • Uso repetido de Profilaxia Pós-Exposição (PEP)

Profissionais do Sexo

Quem são: Homens, mulheres e pessoas trans que recebem dinheiro ou benefícios em troca de serviços sexuais, regular ou ocasionalmente (Ex: drogas, comida, moradia, segurança, favores, etc)

Em que situação:

  • Relação sexual anal (receptiva ou insertiva)  sem uso de preservativo nos últimos seis meses
  • Episódios recorrentes de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)
  • Uso repetido de Profilaxia Pós-Exposição (PEP)

Casal sorodiferente para o HIV

Quem são: Casais heterossexuais ou homossexuais nos quais uma das pessoas é infectada pelo HIV e a outra não (independente da Carga viral da pessoa soropositiva).

Em que situação:

  • Relação sexual sem preservativos
  • Pessoa portadora do vírus HIV com Carga Viral ainda não suprimida ou suprimida há menos de 6 meses.

Casais sorodiscordantes nos quais a pessoa HIV soropositiva possui carga viral indetectável há mais de 6 meses, não possuem indicação de PrEP para a pessoa soronegativa.

 Veja os locais onde se pode conseguir PrEP: aqui

Quem já fez uso da PEP poderá fazer usar a PrEP

Indivíduos com indicação momentânea de PEP podem ser futuros candidatos à PrEP.

A transição para PrEP pode ser feita após os 28 dias de uso de PEP e exclusão de infecção por HIV.

Prevenção combinada

A PrEP é uma das estratégias para prevenção combinada do HIV.

Veja outras formas de prevenção do HIV:

Importância da prevenção do HIV no Brasil

  • Prevalência do HIV  no Brasil varia de acordo com cada grupo:
  • Mulheres profissionais de sexo: 4,9%
  • Pessoas que usam drogas em geral (exceto álcool e maconha):  5,9%
  • Mulheres usuárias de Crack e similares: 8%
  • Homens usuários de Crack e similares: 4%
  • Gays e HSH: 10,5%
  • Pessoas trans: 31,2%

Uso de PrEP por livre demanda

Para saber mais sobre este esquema de uso, não indicado pelo Ministério da Saúde atualmente, acesse aqui:

Uso da PrEP sob demanda

O que é conduta de risco para o HIV?

Mais importante que o grupo populacional é a conduta de risco

Condutas de risco são situações que aumentam o risco de uma pessoas se infectar  por HIV ou outras ISTs. São elas:

  • Repetição de práticas sexuais anais e/ou vaginais com penetração sem o uso de preservativo
  • Frequência das relações sexuais com parcerias eventuais
  • Quantidade e diversidade de parcerias sexuais
  • Histórico de episódios de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)
  • Busca repetida por Profilaxia Pós-Exposição (PEP)
  • Contextos de troca de sexo por dinheiro, objetos de valor, drogas, moradia, etc

Apesar da existência de grupos chaves, qualquer pessoa com vida sexual ativa ou com outros tipos de exposição, pode se infectar pelo vírus HIV, independente de gênero, escolha sexual e conduta de risco.

 

Pacientes portadores de Hepatite B em uso de PrEP

A suspensão da PrEP em pessoas com doença hepática pelo vírus da hepatite B pode causar uma lesão brusca e importante do fígado.

Em casos de pacientes cirróticos pode levar inclusive ao óbito.

Por isso, essa interrupção deve ser feita com cautela e com acompanhamento de perto pelo médico especialista.

 

Fonte:


Compartilhe
  • 13
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

21 thoughts on “Profilaxia Pré-exposição ao HIV

  1. Doutora, estou usando a PEP segunda vez, oque pode ocasionar de maleficio futuro a mim?
    Câncer, Insuficiência de algum orgão?

    1. Quanto maior a frequência de uso do PEP maior o risco de toxicidade como ocorre com qualquer medicação de uso prolongado.
      Quando se está em uso de PEP deve-se realizar exames médicos e laboratoriais para avaliar o aparecimento de algum tipo de problema.
      Mas além disso, o uso muito frequente de PEP nos leva a pergunta se é a melhor escolha de prevenção para o seu caso. Primeiro porque quem se expões ao HIV também está se expondo a outras infecções sexuais. veja com o seu infectologista sobre outras formas de prevenção.

  2. Doutora, boa noite. É possível usar a PrEP em intervalos menores? Um período antes da relação de risco e, interromper o uso por um período ?

  3. Doutora, boa tarde.
    Ao tentar penetrar o anus de uma garota de programa, a camisinha estourou. Não havíamos começado o ato ainda, foi na tentativa da primeira penetração.
    – –
    Tomei 5 dias da PEP e interrompi o uso.
    Gostaria de saber se isso interfere no período da janela imunológica, e se com 30 dias já consigo ter uma resposta definitiva em relação à infecção.
    Obrigado!

  4. Doutora tudo bem ?
    Um rapaz esfregou a cabeça de seu pênis em meu anus, contudo, entrou um pouco. Fui verificar se meu anus estava sangrando e não havia sangue. Você acha que devo procurar a PeP, sendo que estou ainda nos 3 dias que posso toma-lá ?

    1. O risco é pequeno, mas se não pode garantir que não houve contato de secreção pre-ejaculatória com a mucosa, a PEP poderia sim estar indicada, desde que dentro das 72 hs após a exposição.

  5. Estou usando Truvada , pretendo faZer uso de esteroides anabolizantes é preciso saber se os AES anulam a ofeito do Truvada .

    1. Anular não anula, mas você deve informar tanto ao médico que está te acompanhando pelo uso de anabolizantes quanto ao infectologista que te acompanha pelo uso da PrEP de todo o que faz uso.

  6. Minha duvida , e saber . quantos casos documentos de infecção de HIV , por via única e exclusiva , sexo Oral ativa ou seja felacia ativa documentados no brasil ?

  7. Dra. estou em uso de PREP (01 comprimido ao dia as 18 horas) há dois meses.
    Segunda-feira esqueci de tomar o comprimido as 18 horas e tive uma relação sexual anal com alguém soropositivo sem camisinha as 23 horas. Cheguei em casa as 12:00 (meio dia) e tomei uma dose dobrada (2 comprimidos) e as 18 horas tomei a dose habitual e continuo tomando diariamente 01 comprimido ao dia as 18 horas.
    Neste caso, como fiquei de 18:00 horas até 12:00 (total de 18 horas) sem a medicação há um risco elevado?

      1. Dra. Muito obrigado pela resposta. Me sinto mais tranquilo… Muito obrigado… E, desculpe o incômodo mas há algo que ainda gostaria de perguntar:

        –> Caso eu decida parar de usar a PREP tenho que seguir tomando o medicamento por mais quanto tempo desde a última relação sexual desprotegida para interromper a medicação sem risco ou baixo risco de contrair o virus?

  8. O HIV ao entrar no organismo de uma pessoa que toma a PREP diariamente é inativado/destruído depois de quanto tempo?

    A PREP protege contra os dois tipos de HIV (HIV1 e HIV2)? Existe algum HIV mais forte que o outro?

  9. 1- Usar PrEP na janela imunológica é eficaz para diminuir ou eliminar a chance de contaminação pelo HIV? Ou seja, a PrEP serve como proteção à uma pessoa que foi infectada, dentro da janela imunológica, evitando que o vírus contamine o organismo?

    2- Quais são as consequências/riscos/benefícios de se usar PrEP na janela imunológica?

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

5 + onze =

Top