Você está aqui
Home > HIV/AIDS > HIV indetectável é intransmissível

HIV indetectável é intransmissível

HIV indetectável é intransmissível

HIV indetectável é intransmissível

Pessoas vivendo com HIV, com Carga Viral persistentemente suprimida, são incapazes de transmitir o vírus por relação sexual, mesmo sem preservativo.

Essa conclusão tem como base todo o conhecimento científico acumulado desde os anos 2.000

Foram 3 grandes estudos, realizados em várias partes do mundo com milhares de casais sorodiferentes de várias orientações sexuais e que chegaram à mesma conclusão.

Estudos científicos:

  • Estudo HPTN 052

( “Tratamento como prevenção” )

Foram acompanhados 1.763 casais sorodiferentes em 13 instituições de 9 países diferentes (Botswana, Brasil, Índia, Kênia, Malawi, África do Sul, Tailândia, Estados Unidos e Zimbábue) entre os anos de 2005 a 2015.

87% dos participantes HIV positivos foram acompanhados durante todo o estudo.

Havia casais hétero e homossexuais, mas 97% deles eram heterossexuais.

Os casais eram divididos em 2 grupos de forma aleatória: em um as pessoas HIV-positivas iniciavam o Tratamento Antirretroviral – ARV  precocemente e o outro não.

Os casais realizavam relações sexuais (vaginal e anal) sem preservativo.

Resultados preliminares de 2.011 mostraram uma redução de 96% de transmissão no grupo em uso de TARV.

Foram registrados 39 pessoas inicialmente HIV negativas, e que haviam se infectado pelo vírus.

Análises filogenéticas provaram que 28 dessas pessoas haviam sido infectadas pelos seus parceiros HIV positivos inscritos no estudo.

Desses 28, apenas 1 foi proveniente de um parceiro HIV positivo que estava em TARV.

Depois desse resultado o TARV foi oferecido para todos os participantes HIV positivos e manteve-se o seguimento até 2015.

Ao final do estudo, 78 participantes que o iniciaram com sorologias HIV negativas haviam sido infectadas.

Análises filogenéticas do vírus mostraram que 46 delas foram transmitidas pelo(a) parceiro(a) HIV positivo participante do estudo.

Desses 46, 8 ocorreram depois do inicio do TARV. Sendo que 4 ocorrem antes da supressão viral e as outras 4 durante período de falha.

O estudo concluiu que existe uma redução de 93% de transmissão do vírus HIV quando o TARV é iniciado precocemente.

O estudo HPTN 052 estabeleceu o inicio precoce do tratamento do HIV como uma das principais formas de prevenção de novas infecções.

Apesar dessas conclusões, o estudo não mostrou transmissão de infecção do vírus HIV a partir de uma pessoa com supressão viral persistente.

Não houve controle do número de intercurso sexual anal realizado e não se pôde extrapolar os resultados para casais homossexuais masculinos.

  • Estudo PARTNER 

(Maior quantidade de casais homossexuais masculinos que o HPTN 052)

O estudo foi realizado entre setembro de 2010 e maior de 2014

Foram matriculados 1.166 casais soro diferentes em 75 clínicas de 14 países da Europa.

61.7% deles eram heterossexuais e 38.3% eram homens que faziam sexo com homens (HSH).

Todos os participantes HIV positivos em uso de TARV supressivo. Ou seja, Carga Viral menor que 200 cópias/ml

Foram 58.000 relações sexuais sem o uso de preservativo entre setembro de 2010 e Maio de 2014. 22.000 deles entre HSH.

17,5% dos participantes tiveram alguma IST em algum momento do estudo.

Houveram 11 novas infecções pelo HIV durante o estudo.

Mas a análise filogenética do vírus mostrou que nenhuma delas havia sido transmitida pelo(a) parceiro(a) com carga viral suprimida.

Novamente, não houve controle sobre o número de relações sexuais pela via anal

  • Estudo Opposites Attract

HIV indetectável é intransmissível )

Foram acompanhados 358 casais sorodiferentes de 3 diferentes países (Austrália, Brasil e Tailândia) entre os anos de 2.012 e 2.015.

Dessa vez, todos os casais eram homossexuais homens

Estes casais praticaram no total, 17.000 atos de sexo anal sem camisinha durante o período de estudo.

6% dos atos sexuais anais relatados foram feitos enquanto um dos parceiros tinha alguma outra IST.

Houveram 3 novos casos de Infecção por HIV durante o estudo.

Mas a análise filogenética do vírus comprovou que nenhuma delas foi transmitida pelo parceiro com carga viral suprimida.

  • Estudo PARTNER 2

Extensão do estudo Partner 1 – realizado de maio de 2014 a abril de 2018.

Foram recrutados 635 casais masculinos gays.

As conclusões desse estudo se somaram as indicadas pelo Partner 1 em 2014.

Indicando uma taxa precisa de zero transmissão do HIV em relações sexuais sem proteção entre casais homossexuais masculinos sorodiferentes nos quais o homem HIV soropositivo possui carga viral indetectável.

Diminuição do número de casos novos de infecção pelo HIV

Nos Estados Unidos, o número de novos casos de HIV entre homens gays vinha aumentado a cada ano.

Mas entre 2010 e 2014 houve diminuição do número de novos casos entre os homens gays ou bissexuais brancos.

Entre homens gays afrodescendentes, este número se manteve estável neste mesmo período.

Fato: não existe grupo de risco para HIV. O que existe é estilo de vida de risco.

Contudo, homens que fazem sexo com homens (HSH) representam 2% de toda a população dos Estados Unidos.

Mas ainda em 2015, 70% das pessoas vivendo om HIV eram HSH, incluindo os 3% de soro HIV-positivos que eram usuários de drogas injetáveis.

Esses dados não possuem relação com a orientação sexual e sim com o tipo e frequência das exposições ao risco.

Cada tipo de exposição sexual possui diferente risco de transmissão.

Os principais fatores de prevenção de novas transmissões são:

  • Diagnóstico precoce
  • Início precoce do tratamento
  • Boa adesão ao tratamento
  • Supressão viral sustentada
  • Uso de PrEP em relações com pessoas de sorologias desconhecidas para HIV sabidamente HIV positivas sem imunossupressão viral.

Supressão Viral x Carga Viral indetectável

Consideramos supressão viral uma carga viral (PCR-HIV) abaixo de 200 copias/ml

Carga Viral indetectável é a carga viral (PCR-HIV) abaixo dos limites detectáveis pelo exame.

No Brasil, consideramos indetectável uma taxa menor que 40 cópias/ml, mas alguns exames mais sensíveis, conseguem identificar níveis ainda menores.

De acordo com os estudos, situações de aumento transitório de carga viral (como vacinação) ou a presença de Infecções Sexualmente transmissíveis, não influenciam na transmissão do HIV nesses pacientes

Fatores que devem ser levados em consideração:

Campanha: “HIV indetectável é intransmissível ” no mundo:

Esta campanha foi lançada em 2016 com o Slogan “U=U” (do inglês: Undetectable=Untransmissable que significa Indetectável  = Intransmissível)

A ideia era ampliar o acesso ao diagnóstico como forma de prevenção.

Essa campanha ganhou força rapidamente sendo adotada por mais de 400 organizações em mais de 60 países em poucos meses.

Campanha: “HIV indetectável é intransmissível” no Brasil

No Brasil esta campanha teve início no final de 2017.

A secretaria de saúde do estado de São Paulo, afirmou em Nota Informativa de Dezembro de 2017 que “Indetectável é igual a Intransmissível” desde que respeitado os fatores já comentado neste artigo.

Nem tudo é HIV

Saber que HIV indetectável é intransmissível é fundamental para a diminuição do estigma e preconceito tanto da própria pessoa que vive com HIV quanto da sociedade.

Contudo, vale lembrar que:

  • Existem várias outras Infecções Sexualmente Transmissíveis – ISTs, curáveis ou não, que podem causar sérios danos à saúde.
  • Uma pessoa não precisa ter sintomas para estar infectada por uma IST e uma vez infectada ela pode transmiti-la.
  • Toda vez que ocorrer uma exposição ao risco de IST, um médico Infectologista deve ser consultado e devem ser realizadas testes específicos para diagnosticar cada uma das ISTs

Apenas o sexo com o uso adequado do preservativo pode evitar a maioria dessas infecções.

 

HIV indetectável é intransmissível

 

Referências:

CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

57 thoughts on “HIV indetectável é intransmissível

  1. Dra, boa tarde!
    Fico sem entender um pouco algumas informações desencontradas. Neste artigo logo no início posso ler que uma pessoa com carga viral suprimida de forma persistente é incapaz de transmitir o vírus. Em vídeos que assisti pelo seu canal no YouTube você diz que mesmo o risco sendo menor, ele ainda existe. Em qual informação devo me apegar ?

    1. A atualização e fechamento dos estudos que concluíram ser a carga viral indetectável intransmissível e não apenas de difícil transmissão, foram concluídas após as gravações dos vídeos do YouTube, nos vídeos já gravados estes ano, atualizo este tema , assim como já está atualizado no artigo.

  2. dra ainda estou com duvidas.. no caso do rapaz ter feito dois exames rapidos no cta de hiv… um com 75 dias e outro com 109 dias, e deram negativo, e o meu no laboratorio com 88 dias exame de hiv 4 geraçao… tb negativo… isso quer dizer que por mais que o rapaz tivesse hiv, e tivesse na janela imunologica, ele nao teria como passar o virus p mim, pois os testes dele deram negativo após a exposição comigo… isso exclui a possibilidade dele ter me passado hiv?

  3. Bianca tarde Doutora , tenho uma relação afetiva com outro homem soro positivo porém indetectável a mais de 20 anos , eu sou soro negativo .. entretanto nos relacionarmos sempre com preservativo porém o sexo oral em ambos é sem o uso do preservativo. Há algum risco eminente nesse caso ?
    Obrigado !

    1. Bom dia. Receber sexo oral não é considerado exposição ao risco, pois a saliva não transmite o vírus. Em relação a uma pessoa com carga viral indetectável poder transmitir o vírus, o próprio texto explica esse tipo de situação.

      1. Realmente essa tbm é minha dúvida se tem certeza que indetectaveis não trasmitem mais o vírus, todos precisam saber inclusive essas publicacoes que estão sempre discordando. E também sobre sexo oral feito em um soro+ corro o risco de me infectar eu sou soronegativa.

  4. Dr.uma pessoacom carga viral indetectavel a 8 anocom carga zerada.gual probabilidade de passa o hiv no sex oral sem ejacula na boca .e gostaria de sabe caso ela coloque o penis no anus .mas nao ejacule qual probalidade de contagio

  5. Dra Boa tarde! Tem como uma pessoa sem tratamento ficar com carga viral indetectavel? E sem tratamento e com 130 dias após a exposição de risco, o virus poderia estar escondido ao ponto de dar indetectavel uma pcr quantitativa?

  6. Dr boa tarde
    Uma pessoa com carga viral indectavel fazer sexo sem camisinha mais sem ejaculação interna pode transmitir o vírus?

  7. Boa noite Dra. Keilla. Existe possibilidades de alguem soropositvo sem tratamento ser indectavel? Gravida com carga Viral indectavel é possivel? Necessita fazer o corte vertical? Porque?

  8. Dra. Keilla bom dia,
    Faço tratamento antirretroviral há 3 anos e meus exames sempre deram “indetectavel”. Porém tive uma relação sexual sem preservativo onde eu fui penetrado, 1 mês depois eu fiz novamente os exames e deu resultado “menor que 40 cópias “. Eu passei o vírus pra pessoa que transou comigo? Essa nova descrição surgiu pq minha carga viral aumentou? Estou angustiado pois penso que os remédios não estão fazendo mais efeito será que a minha carga viral vai aumentar mais?

  9. Dr.sou casada há 14 anos e ano passado meu marido fez o exame de hiv em um(cta)resultado positivo infelizmente,eu fiz também com 40 dias depois,90 dias,120 e por último com 7meses depois todos negativos graças a Deus.Minha pergunta é a necessitar de fazer ainda outro exames ou ficar indo sempre fazer mesmo usando preservativos nas relações,? o meu marido está agora infetectavel.

    1. Se o seu marido está com carga viral indetectável há muito tempo, e toma os remédios adequadamente, não há risco de transmissão, mesmo em relação sexual sem proteção.
      Agora, se a carga viral ficar detectável por algum motivo, dependendo dos níveis aos quais ela pode chegar, pode sim ser detectável. O mais seguro então, é repetir os exames de sorologias periodicamente como uma forma a mais de proteção, uma vez que o maior problema é não fazer o diagnóstico.

  10. Dra Boa tarde!

    O exame eletroquimiluminescência (eclia) quarta geração feito com uma carga viral indetectavel com 130 dias, descarta a infecção pelo hiv? Recebi alta do meu infecto com esses resultados posso encerrar o caso?

    1. Se você toma os seus remédios de forma correta, faz acompanhamento periódico com o seu médico, você não transmite o vírus HIV para outras pessoas através de relações sexuais, mesmo sem proteção (preservativo)

  11. Minha bebe de 1 ano e 4 meses colocou um dedinho dela num machucado que estava sangrando de uma criança de uns 13 anos, e depois colocou na boca, na sequência passei álcool 70 na mão e boca dela. Tem risco dela pegar alguma doença? Como hiv ou hepatite. Qual seria a quantidade de contato com sangue p pegar essas doenças? obrigada.

  12. BOA NOITE, FUI COM UM AMIGO REALIZAR EXAME, E CONSTATOU HIV – CCARGA VIRAL
    17000 COPIAS/ML
    HIV LOG 4,500
    GOSTARIA DE SABER SE ELE PRECISA TOMAR MEDICAÇÃO; POIS ALGUNS DIZEM QUE SIM E OUTRO DIZEM QUE NÃO PROFISSIONAIS DA SAÚDE

    1. Toda e qualquer pessoa com HIV diagnosticado e confirmada e carga viral detectável DEVE iniciar o tratamento com remédios.
      O que não há consenso, e alguns ainda esperam são as pessoas controladores de elite, com diagnóstico confirmado de HIV com carga viral indetectável no sangue, mesmo sem tratamento. alguns infectologista ainda não tratam estas pessoas e apenas acompanham.
      Mas quanto aos 99% das pessoas que possui carga viral detectável, INDEPENDENTE da quantidade de vírus ou dos níveis de CD4, devem iniciar tratamento.
      Mais detalhes aqui: http://www.drakeillafreitas.com.br/tratamento-do-hiv-o-que-voce-precisa-saber/

  13. Estou com uma ferida na boca ( mordida sem querer na boca há 5 horas )e conheci um rapaz a noite e apenas rolou uns beijos mais quentes, mas não teve sexo oral e nem penetração. Quando deixei ele em casa ele me disse que era HIV indetectavel há 8 anos e eu fiquei assustado. é possivel passar o virus atraves deste machucado na minha mucosa, nao estava sangrando no momento.

  14. O meu exame deu resultado não reagente mas a amostra aponta 0,260 sendo que < de 1
    Eu gostaria de entender porque desses zero virgula dois meia zero , posso estar com alguma doença ou paguei hiv recentemente e ainda está baixo. Por isso deu negativo devo refazer os exames ?

  15. Doutora, ai fala da via sexual, mas uma pessoa indectavel se fura e em seguida furar uma outra pessoa, ela passa o vírus ou as chances sao vaixas por ter pouco vírus circulando no sangue?

  16. Dr. Recentemente sai com uma garota, fiz toda a relação com camisinha, mas ao final da relação percebi que tinha uma fissura no meu pênis e sangrou um pouco, mas estava com a camisinha, isso é uma situação de risco?

  17. Sou indetectável a 8 anos, faço acompanhamento de seis em seis meses com o meu infecto,tomo a medicação ao pé da letra,mais ainda sim tenho medo de transmitir o vírus em relação sexual sem camisinha,meu médico diz que não,mais o qual corre perigo sou eu,mais estou com um parceiro já um tempo,é gostaria de saber uma segunda opinião,eu transmitiria se no caso tivesse relação sem proteção?

  18. Ola dra. comecei uma relacao sorodiferente onde eu sou soronegativo. Meu companheiro é indetectavel ha mais de 1 ano. Sei da campanha Indetectavel = Intransmissivel. De qualquer maneira, uso preservativo.2 questoes: 1) Gostaria de fazer sexo oral sem camisinha nele, qual o risco do contato de uma possivel ferida na minha boca e o liquido pre ejaculatorio dele? 2) todas as vezes que o beijo sinto a lingua e garganta irritadas. ele vive beijando o cachorro; seria uma irritacao por causa disso?

  19. sofri um arranhao na parte da manha, a noite transei com minha namorada que é soro positivo com carga indectavel ha dois anos, houve um pequeno sangramento e tinha muito oleo corporal, quero saber se corri risco.

  20. Olá Dra., sou portador do hiv porém indetectável desde o inicio do tratamento. Ocorre que fui no postinho perto de casa fazer exames de rotina e fizeram o teste hiv junto com meu exame e deu não reagente, o que isso quer dizer? Desde já agradeço.

  21. Bom dia Dra. Keilla, primeiro gostaria de parabenizá-la pelo seu site, me ajuda muito, pois descobri há seis meses que sou soropositivo, imediatamente iniciei o tratamento retroviral, minha carga viral hoje após os seis meses de tratamento é de 159 cópias. Essa carga viral pode ser considerada indetectável?

  22. Boa tarde, Dra! Gostaria de tirar duas dúvidas, faço uso de PrEp há mais de um mês e transei com um soropositivo indetectável, devo tomar a PrEp pelos próximos 30 dias após a exposição mesmo? Isso se quiser parar de tomar e outra dúvida é que depois dessa exposição tô sentindo dores de garganta, será que posso ter me contaminado msm ele sendo indetectável e tomando PrEp?

  23. Dra. Sou soropositivo, descobrir cedo, em janeiro desse ano e desde então venho sendo acompanhado pelo meu infectologista e tomando os avr… o 1 exame de carga viral deu 442 cópias e o 2 q fiz e que vou mostrar a ele essa semana dia 20, o resultado deu 82 cópias/mL, lembrando que esse exame foi coletado no dia 28/06/2018, mas executado dia 05/07/2018. O motivo do meu depoimento é que, hoje à noite fiz uma relação sexual HSH sem preservativo e fiquei com medo de transmitir o vírus pro parceiro.

    1. Boa noite. Conforme explicado no texto, consideramos indetectável uma taxa menor que 40 cópias/ml, mas alguns exames mais sensíveis, conseguem identificar níveis ainda menores. Lembrando que há outras infecções sexualmente transmissíveis e que podem ser transmitidas da mesma forma que o HIV.
      Você precisa informar a situação para a pessoa em questão para procurar um infectologista e fazer os exames necessários.

  24. Dra carga viral 82 copias/mL exame coletado no dia 28/06/2018. Considera-se carga indetectavel? Pois, hoje à noite transei com um parceiro sem preservativos ate então ele corre o risco de contrair o vírus? Venho sendo acompanhado sempre pelo meu infectologista e tomo os remédios arv todos os dias certinho.

    1. Boa noite. Conforme explicado no texto, consideramos indetectável uma taxa menor que 40 cópias/ml, mas alguns exames mais sensíveis, conseguem identificar níveis ainda menores. Lembrando que há outras infecções sexualmente transmissíveis e que podem ser transmitidas da mesma forma que o HIV.
      Você precisa informar a situação para a pessoa em questão para procurar um infectologista e fazer os exames necessários.

  25. boa noite Dra. meu namorado(passivo) é hiv positivo indetectável a mais de um ano e seis meses e transamos sem camisinha, só que ocorreu de em uma relação sair um pouco de sangue, devo tomar a PEP mesmo ele estando indetectável?

  26. Dra como manter uma relacao sexual sem risco com soropositivo indetectavel somente a camisinha ( no caso de ser ativo na relacao) nao precisa de remedios e quanto fazer oral na pessoa tem virus no semem mesmo indetectavel ou nao
    grato

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top