Você está aqui
Home > Coronavírus > Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber – Permanente

Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber – Permanente

Infectologista - Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber – Permanente
Compartilhe

Novo Coronavírus: Tudo o que você precisa saber – Desde o final de Janeiro de 2020, o mundo está em estado de emergência de saúde pública devido ao surto do novo coronavírus.

Novo Coronavírus: Tudo o que você precisa saber

Os Coronavírus são conhecidos desde os anos 1960. Estão por toda a parte e são a segunda principal causa do Resfriado Comum. Até então não representavam graves problemas à Saúde Humana.

Há sete coronavírus humanos (HCoVs) conhecidos:

  • Alpha Coronavírus 229E
  • Alpha Coronavírus NL63.
  • Beta Coronavírus OC43
  • Beta Coronavírus HKU1
  • SARS-COV
    • que causa Síndrome Respiratória Aguda Grave
  • MERS-COV
    • Síndrome Respiratória do Oriente Médio
  • COVID-19 ou SARS-COV 2
    • Novo Coronavírus

SOS Alert
Coronavirus disease (COVID-19)

Novo Coronavírus e Sua Origem

Os Coronavírus são comuns em muitas espécies de animais, incluindo Camelos, Gado, Gatos e Morcegos.

  • Camelos,
  • Gado,
  • Gatos e
  • Morcegos.

Mas só raramente infecta seres humanos. Ou seja,  são zoonóticos.

O SARS-COV foi transmitido aos humanos na China em 2002 a partir do “gato de civeta” e o MERS-COV foi transmitida aos humanos na Arábia Saudita em 2012 a partir do dromedário (mamífero parecido ao camelo)

Uma grande variedade de cepas de coronavírus circulam entre animais mas ainda não infectou seres humanos

Sobre o novo coronavírus, a suspeita atual é de que tenha sido transmitida aos humanos a partir dos morcegos.

Os primeiros casos de Pneumonia causada por uma nova cepa (tipo) de coronavírus que até então não havia sido isolada em humanos, apareceram na cidade de Wuhan, província de Hubei, na República Popular da China. saem do corpo do Doente através de Tosse, Espirro ou Fala.

Coronavirus 2019 e 2020
Coronavirus 2019 e 2020

Formas de Transmissão do Novo Coronavírus

  • Transmissão Direta
    • Contato direto pessoa a pessoa
      • Quando o Doente fala, as gotículas podem chegar até um metro de distância
        • Já quando espirra, elas podem chegar até 2 metros.
  • Transmissão Indireta
    • Contato com superfície contaminada
      • Quando a pessoa tosse cobrindo a
        • Boca com as Mãos, ou
        • Passa as Mãos na Boca,
          • estas gotículas ficam nas mãos dos doentes e passam para objetos e superfícies quando o doente os toca com as mãos sujas.

As gotículas podem ficar viáveis (capazes de infectar) nestas superfícies ou objetos por até 72 horas.

Nesse período, qualquer pessoa que tenha contato irá se contaminar com o Vírus, mesmo que o doente já não esteja mais ali.

É importante ressaltar que o vírus é frágil fora de um organismo biológico, portanto, receber encomendas pelo correio despachadas da china não apresentam risco à saúde.

Tempo de sobrevivência do Coronavírus fora do corpo

Não existe estudos sobre tempo de sobrevivência do COVID-19 fora do organismo

Mas temos trabalhos sobre o tempo de sobrevivência de outros tipos de coronavírus nas superfícies

O que pode influenciar o tempo de sobrevivência do coronavírus fora do organismo:

  • Tipo de superfície
  • Temperatura da superfície
  • Quantidade de vírus no material contaminado
Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber - Permanente
Journal of Hospital Infection. 104 (2020) 246-251

Período de Incubação

Acredita-se que o tempo entre o contato com o vírus e o aparecimento de sintomas seja de 2 a 10 dias.

Tempo de Transmissibilidade

A transmissibilidade ocorre até 7 dias após o aparecimento de sintomas. Mas não há dados suficientes para dizer quanto tempo antes do aparecimento dos sintomas inicia-se a transmissão.

Contudo, a coinfecção de outras infecções virais podem aumentar o tempo de transmissibilidade do vírus

É importante salientar que pessoas sem sintomas também podem transmitir o vírus.

Quão rápido o Novo Coronavírus se espalha

O número básico de reprodução de um agente infeccioso (conhecido como R) ou capacidade de contágio, mostra o número médio de “contagiados” por cada pessoa doente

A Organização Mundial da Saúde – OMS estima que o Rdo Novo coronavírus seja 2,74. Algumas revisões sugerem que este valor seja ao redor de 3,28.

Para se ter uma ideia do que isso significa, o Rdo Ebola é de 1,5 a 2,5; do vírus influenza H1N1 em 2009, esta taxa foi de 1,5 e no sarampo é em torno de 15.

Sintomas do Novo Coronavírus

Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber - Permanente

  • Tosse (67,8% dos casos sintomáticos)
  • Febre (em pacientes jovens, idosos, imunossuprimidos pode não estar presente)
  • Dispneia
    • Dificuldade de respirar
  • Produção de escarro
  •  Cefaleia
  • Dor de Garganta
  • Dificuldade para engolir
  • Congestão conjuntival
  • Rinorreia
    • Nariz escorrendo
  • Mal estar geral
  • Mialgia
    • Dor muscular
  • Diarreia

Complicações do Novo Coronavírus

  • Complicações respiratórias
    • Pneumonia
    • Síndrome Respiratória Aguda Grave
  • Complicações cardíacas
    • (como em qualquer doença aguda, devido a uma maior demanda cardio metabólica):
      • Arritmias cardíacas (16,7% em reporte de casos na China)
      • Lesão cardíaca aguda (7,2% em reporte de casos na China)
      • Insuficiência cardíaca aguda (relato de caso)
      • Infarto agudo do miocárdio (10%)
      • Miocardite (7,2%)
      • Choque cardiogênico (1-2%)
      • Parada cardíaca (relato de caso)
  • Infecção secundária
  • Sepse
  • Insuficiência renal
  • Falência de múltiplos sistemas
  • Rabdomiólise
    • Grave Lesão Muscular
  • Morte

Taxa de Mortalidade

A OMS estima que a taxa de mortalidade do novo coronavírus na população em geral seja de 3,4%.

Para se ter uma ideia, a taxa de mortalidade é do vírus Influenza é por volta de 0,3.

Não há registros de morte em crianças menores de 9 anos.

Até 49 anos, a taxa de mortalidade é de menos que 1%. Esta taxa vai aumentando a cada 10 anos de vida até chegar em mais de 14% de mortalidade em pessoas maiores de 80 anos.

Já a taxa de letalidade entre os pacientes com necessidade de internação hospitalar varia entre 11 e 15%

Vale lembrar que a medida que conhecermos melhor o novo coronavírus e formos capazes de diagnosticas maior numero de pessoas esta taxa com certeza irá reduzir, pois muitas pessoas infectadas pelo vírus são inclusive assintomáticas.

Novo Coronavírus
Age of Coronavirus Deaths

Diagnóstico do Novo Coronavírus

O que é Considerado Contato

Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber - Permanente

  • Uma pessoa que teve contato físico direto com pessoa com DIAGNÓSTICO CONFIRMADO
    • (por exemplo, apertando as mãos);
  • Uma pessoa que tenha contato direto desprotegido com secreções infecciosas
    • (por exemplo: sendo tossida, tocando tecidos de papel usados com a mão nua);
  • Uma pessoa que teve contato frente a frente
    • por mais de 15 minutos ou;
    • a uma distância inferior a 2 metros;
  • Uma pessoa que esteve em um ambiente fechado com caso confirmado (por exemplo, sala de aula, sala de reunião, sala de espera do hospital etc.)
    • por 15 minutos ou mais e
    • uma distância inferior a 2 metros;
  • Um profissional de saúde ou outra pessoa que cuida diretamente de um caso COVID-19
  • Trabalhadores de laboratório que manipulam amostras de casos CONFIRMADOS
    • SEM equipamento de proteção individual recomendado (EPI) ou
    • com uma possível VIOLAÇÃO do EPI;
  • Um passageiro de uma aeronave com caso CONFIRMADO de COVID-19,
    • Pessoas sentadas no raio de dois assentos (em qualquer direção);
    • Seus acompanhantes ou cuidadores
    • Os tripulantes que trabalharam na seção da aeronave em que o passageiro estava sentado.
  • Contatos domiciliares de pessoa com diagnóstico CONFIRMADO
    • Pessoas residentes da mesma casa,
    • Colegas de dormitório, creche, alojamento, etc

Testes Diagnósticos Confirmatórios

O sequenciamento genético do novo coronavírus foi publicado pela primeira vez pelas autoridades de saúde chinesas logo após a detecção inicial, facilitando a caracterização e o diagnóstico viral.

O CDC analisou o material genético do primeiro paciente dos EUA que desenvolveu a infecção em 24 de janeiro de 2020 e concluiu que trata-se praticamente do mesmo vírus detectado na China.

Constatou-se que o COVID-19 é um beta-coronavírus do grupo 2b, que possui pelo menos 70% de semelhança com o SARS-COV.

Os exames diagnósticos utilizados hoje são exames genéticos:

  • Reação em cadeia de Polimerase – PCR
    • Detecta o material genético do vírus existente na amostra
  • Metagenômica
    • Detecção de todo o material genético presente na amostra utilizando-se de softwares e banco de dados

No Brasil, em geral, os exames de casos suspeitos são analisados por amostras de material respiratório (secreção da garganta ou nariz).

Estes exames são caros e tecnicamente difíceis de serem realizados em larga escala. Atualmente, se os testes de laboratório confirmarem outro patógeno, o COVID-19 pode ser excluído

Coleta de Exames para COVID-19 em Pessoas Assintomáticas

O teste para COVID-19 não deve ser realizado em pessoas sem sintomas, mesmo que tenham tido contato com pessoas infectadas

  • Um teste negativo não exclui a presença da infecção
    • Mesmo que se tenha tido contato com pessoa doente, o teste pode demorar mais tempo para ficar positivo (dentro do tempo de incubação)
  • Não há insumos suficientes para realizar tantos testes
    • Mesmo na rede particular, realizar testes sem a devida indicação pode levar à falta de testes ou ao atraso na realização dos mesmos nos casos que realmente precisam

Exames Complementares

  • Tomografia computadorizada
    • Pode revelar infiltrados ou consolidação em vidro fosco, quase sempre bilateral.
  • Radiografia
    • Podem mostrar infiltrados pulmonares, mas podem ter falso negativos.
  • Exames de sangue – alterações comuns:
    • Linfopenia (número de linfócitos reduzido)
  • Exames de sangue – marcadores de gravidade:
    • Linfopenia intensa
    • D-dímero aumentado
    • Proteína C reativa aumentada
    • DHL aumentado
    • Troponina elevada
    • Ferritina
    • Interleucina 6

Tratamento do Novo Coronavírus

Ainda não existe um tratamento específico para combater infecções causadas pelo coronavírus em humanos, no entanto, pessoas contaminadas podem seguir algumas recomendações como:

  • Repouso absoluto;
  • Ingestão de muita água;
  • Uso de medicamentos para
    • Dor e
    • Febre
      • medicamentos à base de paracetamol e dipirona
      • NÃO utilize Ibuprofeno
  • Uso de Umidificador de Ar no quarto ou tomar banhos quentes.
    • auxiliam no alívio da dor de garganta e tosse

Tratamentos em Estudo – Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber

Alguns exemplos de medicamentos que parecem ter algum efeito sobre o coronavírus:

  • Arbidol (Umifenovir)
  • Famiravir
  •  Avigan (Favipiravir)
    • Antigripal Japonês
  • Remdesivir
  • Alpha 1 – Interferon
  • Ribavirina
    • Usado para Tratamento de hepatite C
  • Lopinavir/Ritonavir
    • Antirretroviral usado para Tratamento do HIV
  • Cloroquina/ hidroxicloroquina
  • Clorpromazina
  • Loperamida
  • Micofenolato mofetil
  • Oseltamivir
    • Usado para tratamento do vírus influenza
  • Azitromicina

Vale lembrar que todas estas opções estão em estudos e não temos comprovação de eficácia ou mesmo de segurança. Portanto não devem, ser utilizados de rotina no tratamento do COVID-19

Uso de Ibuprofeno

Há relatados vindo da Itália e da França de que o uso de Ibuprofeno foi identificado como fator de risco para complicações em pessoas que o utilizaram durante a infecção pelo COVID-19, inclusive jovens sem nenhuma doença prévia.

Isso ocorre porque esta medicação aumenta os níveis no organismo de uma enzima chamada Enzima Conversora de Angiotensina – 2 (ECA-2), utilizada pelo COVID-19 para a sua replicação (multiplicação), especialmente no coração e circulação pulmonar

Sendo assim, em caso de sintomas respiratórios, mesmo se parecer um simples resfriado, não utilize Ibuprofeno para controle dos sintomas.

Fique atento às substâncias presentes nos remédios que você usa, pois pode ter Ibuprofeno em sua formulação como por exemplo: Advil, Atrofem, Alivium, Buscofem, Doraliv, Motrin, Vantil, entre outros. Na dúvida, pergunte ao farmacêutico.

Não faça uso de medicações contendo Ibuprofeno em sua formulação para controle de sintomas de resfriado.

Uso de Corticoide

O uso de corticoide também pode estar associado a piora do quadro da infecção do COVID-19 em alguns casos. Não faça uso desse medicamente sem orientação médica.

Soros, Vitaminas e Injeções que Aumentam a Imunidade – FAKE NEWS

O tratamento do COVID-19 é à base de sintomáticos para os casos leves e suporte para os casos internados.

Soros ou injeções que prometem aumentar a imunidade não tem NENHUM RESPALDO científico, com risco eventual de acarretarem mais MALEFÍCIOS à sua saúde.

Não caia em promessas enganosas de profissionais mal intencionados que utilizam o pânico da população para lucrar.

O que fazer em caso de infecção pelo Novo coronavírus

A OMS estima que 8 em cada 10 pessoas infectadas pelo novo coronavírus apresentam sintomas leves. Nestes casos as principais medidas são:

  • Evitar sair de casa
  • Em casa, mantenha o ambiente o mais arejado possível
  • Caso precise sair, evitar locais com grande aglomeração de pessoas
  • Ao sair de casa, utilizar mascara cirúrgica cobrindo nariz e boca
  • Ao espirrar, deve-se colocar o antebraço, o dorso das mãos ou um lenço na frente do nariz e boca;
  • Utilize lenço descartável de papel para higiene nasal;
  • Não compartilhe objetos pessoais como talheres, copos ou toalhas sem a previa higienização;
  • Mantenha uma distância mínima de um metro de qualquer pessoa.

Quando Procurar o Hospital

Caso comece a apresentar sintomas de resfriado comum, mesmo que não tenha estado em contato com alguém suspeito, ainda assim pode ser coronavírus ou qualquer outro vírus respiratório.

  • NÃO ENTRE EM PÂNICO.
  • PERMANEÇA EM CASA
    • Ir ao pronto socorro com quadros leves não irá alterar a conduta, pois mesmo que se trate do COVID-19 não terá critério de internação apenas por ter o diagnóstico confirmado
    • Sobrecarrega o sistema – mesmo hospitais privados
    • Você fica exposto a mais riscos (pode buscar o atendimento com um resfriado comum e sair com o COVID-19)
  • Procure auxílio hospitalar se:
    • Apresentar sonolência, torpor
    • Falta de ar
    • Febre QUE NÃO CESSA COM MEDICAMENTOS
    • Febre que vai embora e depois retorna

Cuidados em casa com pacientes doentes ou suspeitos de infecção pelo COVID-19

  • Manter paciente em quarto individual bem ventilado
  • Diminuir a circulação da pessoa pela casa
  • Se a pessoa for sair do quarto, colocar máscara cirúrgica
  • Manter a casa toda bem ventilada
  • Manter distância maior que 2 metros da pessoa
  • Não receber visitas
  • Reduzir o número de cuidadores
  • Cuidados a ser tomados pelos cuidadores:
    • Cuidadores devem utilizar máscaras
    • Retirar a máscara e jogá-la fora imediatamente após  uso
    • Higienizar as mãos antes e depois de retirar as luvas
    • Após higienizar as mãos com água e sabão, utilizar preferencialmente toalhas de papel
    • Evitar o contato direto com fluidos corporais, principalmente os orais, ou secreções respiratórias e fezes.
    • Usar luvas descartáveis para fornecer cuidados orais ou respiratórios e quando manipular fezes, urina e resíduos.
    • Realizar a higiene das mãos antes e depois da remoção das luvas.
    • Usar luvas descartáveis e roupas de proteção (por exemplo, aventais de plástico) ao limpar ou manusear superfícies, roupas ou superfícies com fluidos corporais.
    • Retirar o avental antes da remoção das luvas e realizar higiene das mãos imediatamente após.
  • Etiqueta respiratória deve ser praticada por todos
  • Descartar materiais utilizados para cobrir boca e nariz imediatamente após o uso
  • Descartar qualquer resíduo relacionado à pessoa em saco de lixo dentro do quarto e depois colocá-lo com outros resíduos da casa
  • Evitar o compartilhamento de escovas de dente, talheres, pratos, bebidas, toalhas ou roupas de cama
  • Talheres e pratos devem ser limpos com água e sabão ou detergente comum após o uso e podem ser reutilizados.
  • Limpar e desinfetar diariamente com desinfetante doméstico comum as superfícies frequentemente tocadas, como:
    • mesas de cabeceira,
    • quadros de cama e
    • outros móveis do quarto do paciente
  • Limpar e desinfetar as superfícies do banheiro pelo menos uma vez ao dia com desinfetante doméstico comum
  • Roupas limpas e sujas, roupas de cama, toalhas de banho e de mão do paciente devem ser lavadas com água e sabão comum.
  • Evitar agitar a roupa suja
  • Os pacientes devem permanecer em casa até a resolução completa dos sinais e sintomas
  • Todas as pessoas contactantes do paciente devem ser monitoradas por 14 dias, a partir do último dia do possível contato
  • Procurar atendimento médico caso desenvolva sintomas respiratórios neste tempo

Novo Coronavírus no mundo

Novo coronavírus

Os casos confirmados crescem a cada dia (Coronavirus disease (COVID-2019) situation reports)

O Epicentro inicial foi na China concentrando a maioria dos casos

O primeiro caso confirmado fora da China foi registrado em 13/01/20. Nas semanas seguintes, ocorreram registros de casos em vários países do mundo.

Hoje ocorre uma disseminação comunitária sustentada do COVID-19 registrada globalmente.

Isso significa que as pessoas foram infectadas com o vírus, mas como ou onde algumas delas foram infectadas não é conhecido e segue a transmissão do vírus.

Neste momento, a Europa, mais precisamente a Itália, é o epicentro da Pandemia, uma vez que o numero de casos novos diários registrados lá, ultrapassa os da China que já começou a apresentar uma redução no número de casos novos diários

Existem evidências de que o COVID-19 está se espalhando na maioria das regiões e foi caracterizado como uma pandemia pela Organização Mundial da Saúde em 11 de março de 2020.

Apesar disso, até este momento, a declaração não muda as orientações de definição de casos suspeitos e as medidas para contenção da circulação do vírus.

Novo coronavírus

Novo Coronavírus no mundo – WHO

Novo Coronavírus no Brasil

O primeiro caso de coronavírus no Brasil foi confirmado em São Paulo no dia 26/02/2020.

Já o primeiro caso de transmissão dentro do território nacional foi registrado em 05/03/2020

No boletim epidemiológico da tarde de 24/03/20 a situação era:

  • 1.891 casos confirmados em todo o Brasil
  • Estados que possuem casos confirmados com transmissão local (contraídos dentro do território nacional):
    • Rio de Janeiro
    • Bahia
    • São Paulo

Acompanhe o número de casos suspeitos, confirmados, descartados e o número de óbitos por estado aqui.

O principal objetivo das medidas contra o COVID 19 adotadas no Brasil visam diminuir a velocidade de propagação do vírus, além de proteger as populações de maior risco de complicações.

Óbitos pelo COVID-19 no Brasil

Em 17/03/20 foi registrada oficialmente a primeira morte pelo COVID-19 no Brasil.

Em 24/03/20 somavam 34 mortes causadas pelo COVID-19 em todo o Brasil sendo

  • 30 mortes em São Paulo
    • 28 em idosos
    • A vítima mais nova tem 33 anos
  • 4 mortes no Rio de Janeiro

 

Como se Proteger do Novo Coronavírus

Novo coronavírus - Etiqueta respiratório

Alguns dos cuidados que as pessoas devem ter para não serem infectadas, não só pelo nCoV-2019, mas para qualquer outra infecção respiratória aguda segundo o Ministério da Saúde são:

  • Higienizar as mãos adequadamente  com água e sabão ou com álcool gel (60-95% de álcool) especialmente:
    • Após contato com superfícies com risco de contaminação;
    • Após contato com pessoas supostamente infectadas;
    • Após utilizar o banheiro
    • Antes de comer
    • Após tossir, espirrar ou assoar o nariz
  • Manter os ambientes sempre bem ventilados
  • Não compartilhe celulares, utensílios pessoas, talheres, pratos, copos e toalhas
  • Evite tocar com as mãos ou seus olhos, boca e nariz sem higienizá-las adequadamente antes;
  • Evite ficar a menos de 2 metros sem proteção adequada com qualquer pessoa com sintomas semelhantes ao resfriado;
  • Se possível, fique em casa se você estiver doente;
  • Utilizar lenços descartáveis para higienizar áreas de mucosa;
  • Não compartilhar objetos de cunho pessoal como garrafas, talheres e copos;
  • Cobrir o nariz e a boca com o dorso da mão quando for tossir ou espirrar;
  • Coma alimentos saudáveis, frescos e bem higienizados
  • Cozinhe bem a comida, especialmente carne e ovos.
  • Evite o consumo de produtos de origem animal crus ou mal cozidos;
  • Cuidados em mercados de animais vivos:
    • Higienização adequada das mãos após contato direto com animais ou superfícies que estiveram em contato com eles.
    • Evite o contato direto das mãos sem proteção adequada com os olhos, nariz e boca dos animais
    • Evite contato com animais doentes
  • Cuidados no preparo dos alimentos:
    • Lave bem as mãos, a bancada da cozinha e os utensílios utilizados em seu preparo (como facas) com sabão e água imediatamente antes e após o manuseio de carnes ou comidas cruas.
    • Manter as comidas ainda cruas, separadas das já cozidas.
    • Não lave carne de aves, carne bovina e ovos crus antes de cozinhar.
      • Os germes podem se espalhar para outros alimentos, utensílios e superfícies.
    • Seja particularmente cuidadoso com alimentos preparados para bebês, idosos, ou pessoas com imunidade baixa

Celulares pode transmitir o novo coronavírus?

Os celulares são grande fontes de transmissão do coronavírus.

Para limpar o celular, pode-se usar uma solução com mais ou menos metade de água e metade de álcool, além de um pano limpo.

Quando Usar Máscaras de Proteção

A organização mundial de saúde – OMS orienta o uso de máscaras cirúrgicas nos seguintes casos:

  • Pessoas com sintomas sugestivos, inclusive ao procurar atendimento médico
  • Profissionais de saúde e pessoas que prestam atendimento a indivíduos com sintomas respiratórios
  • Profissionais de saúde, ao entrar em uma sala com pacientes ou tratar um indivíduo com sintomas

Quem deve usar mascaras para evitar a transmissão são pessoas com sintomas respiratórios e não pessoas assintomáticas

Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber - Permanente
Autor desconhecido – retirado das redes sociais

 

Situações especiais

Novo coronavírus

Pelo que já conhecemos de outras infecções virais respiratórias como a gripe, possuem maior probabilidade de evoluírem com quadros mais graves ou complicações da doença caso infectadas:

  • Pessoas idosas,
  • Crianças pequenas,
  • Gestantes
  • Pessoas com doenças crônicas como:
    • Diabetes mellitus,
    • portadores de doenças auto-imunes,
    • Pessoas com doenças oncológicas,
    • Pessoas que vivem com HIV (mesmo aquelas com carga viral indetectável e boa imunidade),

Por isso, para estes casos, os cuidados devem ser redobrados.

Idosos

Os idosos são os que mais sofrem com a infecção pelo COVID 19, independente de suas condições de saúde previas.

Somando a isso, idosos com comorbidades crônicas obviamente possuem mais chances de apresentarem complicações.

Crianças

As crianças não são as que mais sofrem por infecções pelo COVID-19.

Na China, não houve registro de óbito em crianças menores de 9 anos de idade.

Em 16/03/20, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que há registro de óbitos em crianças.

No entanto, não citou números, faixa etária, países onde ocorreram nem muito menos se havia alguma condição pré-existente nesses casos.

As crianças são infectadas, mas pelo que temos visto, em sua maioria, apresentam sintomas leves da infecção ou mesmo, assintomáticas.

A explicação para isso ainda não é conhecida.

Não se pode afirmar no entanto que 100% das crianças infectadas não apresentarão complicações relacionadas ao COVID-19.

Os cuidados de prevenção NÃO devem ser menores nas crianças.

Além disso, elas podem atuar como carreadoras desse vírus levando a infecção à pessoas comprovadamente com maior risco para complicações como os seus avós.

Transmissão vertical

Até o momento, não há indícios de transmissão do novo coronavírus de mãe para filho durante a gestação, parto ou pós parto.

Pelo menos até o momento, não foram isolados vírus em liquido amniótico nem no leito materno.

Amamentação

Até o momento não há relatos de transmissão do COVID-19 pelo leite materno.

Os testes que foram feitos em leite materno até o momento, não identificaram a presença do vírus.

No entanto, para evitar a transmissão aos bebês pelo contato direto com gotículas, o ideal é que a mãe com suspeita de infecção sintomática pelo novo coronavírus utilize máscara durante a amamentação.

Gestantes

Não parecem ter maior risco de complicações que a população em geral de acordo aos dados disponíveis até o momento.

Pacientes vivendo com HIV

Ainda não temos dados suficientes para confirmar que pessoas vivendo com HIV e com bom controle de infecção possuem maior risco de evoluir com complicações pelo COVID-19.

Pacientes com doenças cardiovasculares

Pacientes com doenças cardiovasculares possuem maior taxa de mortalidade pelo COVID-19 que a população sem comorbidades pré-existentes.

Hipertensão arterial crônica

Pacientes hipertensos possuem maior risco de mortalidade entre os pacientes internados pelo COVID-19.

Parece que este fato está associado a efeitos adversos (reações) causadas por 2 tipos de remédios muito usados nestes pacientes:

  • Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA)
    • Exemplos: Captopril, Enalapril, Lisinapril, etc
  • Bloqueadores dos Receptores da Angiotensina (BRA)
    • Exemplos: losartana, valsartana, ibersartana

Para se replicar (multiplicar) em nosso organismo, o COVID-19 precisa antes se ligar a uma enzima específica chamada ECA-2, esta enzima tem seus níveis aumentados em pessoas que fazem uso desses 2 tipos de medicamentos.

São necessários mais estudos para entender melhor esta relação. Enquanto isso as pessoas que fazem uso dessas medicações devem intensificar os cuidados de proteção contra o COVID-19

A orientação atual é que os pacientes usuários dessas medicações sejam avaliados pelo seu médico para definir o risco beneficio no uso dessas medicações.

Pacientes diabéticos

Pacientes portadores de diabetes mellitus possuem maior taxa de mortalidade pelo COVID-19 que a população sem comorbidades.

Em especial usuários de tiazolidinodionas como a pioglitazona pois estes medicamentos também aumentam os níveis da proteína ECA-2

São necessários mais estudos para entender melhor esta relação. Enquanto isso as pessoas que fazem uso dessas medicações devem intensificar os cuidados de proteção contra o COVID-19

A orientação atual é que os pacientes usuários dessas medicações sejam avaliados pelo seu médico para definir o risco beneficio no uso dessas medicações e avaliar a possibilidade de troca das mesmas

Não suspenda nenhuma medicação de uso continuo sem o conhecimento de seu médico. 

Novo coronavírus e Pets

Novo coronavírus

Infecções por diversos tipos de coronavírus são muito comuns em animais e dificilmente causam qualquer problema aos seres humanos.

Até o momento, não há evidências de que animais de estimação como cães e gatos podem transmitir o COVID-19 para os seres humanos, ou mesmo, serem infectados.

Animais de estimação não transmitem o COVID 19.

Novo coronavírus e Viagens

Novo Coronavírus: Tudo o que Você Precisa Saber - Permanente

As notícias sobre o noco coronavírus mudam muito rápido em todo o mundo.

Você corre o risco de viajar para algum país e encontrar muitos estabelecimentos fechados ou até mesmo não conseguir voltar ao Brasil no dia planejado por um fechamento de fronteiras.

Portanto se você puder adiar a sua viagem durante os próximos meses, é melhor.

No entanto, existe uma lista de países divididos por gravidade de risco de infecção pelo COVID-19:

  • Países de nível 1 = Difusão viral sustentada generalizada (alto risco)
    • Evite todas as viagens não essenciais para estes destinos.
      • Países nesta lista: China, Iram, Coréia do Sul, maior parte da Europa
  • Países de nível 2 = Transmissão sustentada na comunidade (risco intermediário ou moderado)
    • Considerar adiar a viagem. Caso viaje, precauções especiais principalmente para viajantes de alto risco
  • Países de nível 3 (baixo risco)
    • Sem restrição ou precauções usuais.

Destinos a países de nível 3, mas com casos registrados, também devem ser evitados.

Veja orientações quanto a viagens a todos os países do mundo de forma atualizada aqui.

A recomendação nacional é que se cancele viagens inclusive em território nacional se possível, inclusive viagens de cruzeiro.

 

Fonte:


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top