Você está aqui
Home > DSTs > Profilaxia Pós-Exposição ao Vírus HIV: O que Mudou?

Profilaxia Pós-Exposição ao Vírus HIV: O que Mudou?

Infectologista - Profilaxia Pós-Exposição ao Vírus HIV: O que Mudou?
Compartilhe

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV: O que Mudou?

A PEP é um esquema de antirretrovirais usado em pessoas que se expuseram ao risco de contrair HIV.

Este esquema teve algumas modificações importantes no ano de 2017, inclusive a mudança dos Antirretrovirais usados no esquema.

A PEP é recomendada em todos os casos de exposição com risco significativo de transmissão do HIVExistem casos, contudo, em que ela não está indicada.

Como toda medicação, o esquema PEP tem o seu risco de toxicidade. Os benefícios do esquema devem superar os riscos para estar bem indicada.

A avaliação do médico infectologista é fundamental para avaliar se existe indicação e benefício para a PEP.

Veja o que devemos ter em conta antes de prescrever a profilaxia pós-exposição ao HIV.

Tipo de Material Biológico Envolvido

Materiais que podem transmitir o vírus do HIV:

  • Sangue e outros materiais contendo sangue contaminado;
  • Sêmen e líquido pré-ejaculatório;
  • Fluídos Vaginais;
  • Líquido peritoneal (fica dentro do abdômen);
  • Líquido Pleural (líquido que fica entre o pulmão e a pleura, que é uma “capinha” de proteção que envolve o pulmão);
  • Líquido pericárdico (líquido que fica entre o coração e o pericárdio, que é uma “capinha” de proteção que envolve o coração);
  • Líquido amniótico (fica dentro da placenta, protegendo o bebê que está sendo gerado);
  • Liquor (líquido que fica dentro do cérebro e no meio da coluna);
  • Líquido articular (fica dentro das articulações).

Materiais que NÃO podem transmitir o vírus HIV:

  • Suor;
  • Lágrimas;
  • Fezes;
  • Urina;
  • Vômitos;
  • Secreções nasais;
  • Saliva (exceto em ambiente odontológico).

Tipo de Exposição

Exposição é quando um material potencialmente contaminado tem contato direto com uma pessoa, através de uma das formas abaixo:

  • Percutânea (perfuração da pele por instrumentos como agulha);
  • Membranas mucosas como: genitais, ânus, olho, nariz, boca;
  • Pele não íntegra (contato direto do material com pele lesionada como feridas, cortes ou alguns tipos de doenças que comprometam a integridade da pele);
  • Mordedura com presença de sangue (quando uma mordida é tão forte a ponto de tirar sangue, tanto a pessoa que mordeu, quanto a que foi a mordida devem ser avaliadas para a PEP).

Exposição SEM Risco de Transmissão do HIV

  • Contato de material potencialmente contaminado com pele íntegra;
  • Mordedura SEM sangue.

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV – Tempo de Início

Quanto mais rápido for iniciado o esquema, maior a sua eficácia. Ele deve ser iniciado o mais rápido possível, mas pode ser feito em até 72 horas após a exposição. Depois desse tempo, não há nenhuma comprovação de benefício e o esquema não deve ser iniciado.

Condição Sorológica para HIV da Pessoa Fonte e da Pessoa Exposta

Antes de iniciar a medicação, a pessoa exposta deve ser submetida a um teste rápido para o HIV (testes rápidos têm seu resultado em até 30 minutos).

Caso dê positivo (reagente), significa que a infecção pelo HIV ocorreu antes dessa exposição e a profilaxia não está indicada.

Nesse caso, a pessoa não deve iniciar a PEP e deve procurar um médico infectologista, que pedirá os exames iniciais para iniciar o tratamento para o Vírus mesmo que a pessoa não esteja com nenhum sintoma de doença.

Pessoas com teste rápido positivo para HIV não devem iniciar a PEP.

Caso seja possível realizar um teste rápido na pessoa fonte (pessoa dona do material biológico) e o mesmo der negativo, a PEP não está indicada para a pessoa exposta.

Mas se a pessoa fonte tiver se exposto ao risco de contrair HIV nos últimos 30 dias, a pessoa que acabou de se expor tem a indicação da PEP, pois o teste da pessoa fonte pode ter dado negativo por causa da janela imunológica (a pessoa se infectou há tão pouco tempo, que ainda não apareceu no exame).

Se o teste rápido da pessoa fonte for positivo ou não for possível de ser realizado, a PEP está indicada para a pessoa exposta.

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV – Esquema

A pessoa deve ingerir 2 comprimidos diferentes uma vez ao dia, por 28 dias.

  • 1 comprimido contendo o Tenofovir e  Lamivudina + 1 comprimido contendo o Dolutegravir.

Eles devem ser tomados preferencialmente no mesmo horário e não se deve pular nenhum dia. Tomá-los da forma errada pode diminuir a eficácia do esquema, e a pessoa pode acabar se infectando pelo vírus HIV.

Existem outros esquemas disponíveis caso a pessoa não se dê bem com eles ou tenha alguma contraindicação a algum desses medicamentos.

Profilaxia Pós-Exposição ao Vírus HIV: O que Mudou?

Opções de Esquemas Alternativos para a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV

  • Zidovudina / Lamivudina (em um mesmo comprimido);
  • Tenofovir;
  • Atazanavir + Ritonavir (em comprimidos diferentes);
  • Darunavir + Ritonavir (em comprimidos diferentes).

Como Conseguir a PEP

Essa medicação não está a venda.

Acesse aqui e veja locais disponíveis.

Resistência do Vírus aos Remédios Usados no Esquema

Em caso da pessoa fonte ser sabidamente portadora do HIV, deve-se analisar o esquema antirretroviral que usa.

Situações que podem sugerir que o vírus da pessoa fonte é de um tipo resistente:
  • A pessoa fonte já fez uso de vários esquemas antirretrovirais;
  • Evidências de falha virológica (carga viral detectável após seis meses de início ou troca de esquema);
  • Teste de genotipagem da pessoa fonte prévio indicando resistência a uma ou mais drogas do esquema.

Em caso de suspeita de resistência viral, a pessoa exposta deve receber o mesmo esquema que a pessoa fonte faz uso, ou outro esquema de acordo com o teste de genotipagem da pessoa fonte.

Caso o melhor esquema para aquela situação não esteja disponível, o início da profilaxia não deve ser atrasado. Neste caso, inicia-se o esquema disponível e pessoa deve fazer nova avaliação o mais rápido possível para troca de esquema.

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV em Gestantes e Lactantes

O Dolutegravir não possui segurança comprovada em gestantes. Para elas, o esquema deve ser feito da seguinte forma:

  • 1 comprimido uma vez ao dia contendo Tenofovir e Lamivudina + 1 comprimido uma vez ao dia contendo Raltegravir.

As indicações para a PEP em gestantes são as mesmas que na população geral.

Profilaxia Pós-Exposição ao Vírus HIV: O que Mudou?

Mães amamentado e que estão usando PEP, devem suspender a amamentação até serem liberadas pela médico. Essa medida é para evitar a transmissão do HIV ao bebê pelo leite materno, caso a mãe tenha sido infectada. O teste para HIV negativo após 90 dias da exposição deixa a mãe liberada para retornar com a amamentação.

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV para Casais Sorodiferentes

Nenhum estudo conseguiu comprovar transmissão do HIV de uma pessoa portadora de HIV com Carva viral indetectável para outra pessoa, mesmo em relação sexual sem proteção.

Para indicar a PEP para alguém que teve relação sexual com uma pessoa que vive com HIV, deve-se considerar os seguintes fatores:

  • Adesão da pessoa vivendo com HIV aos tratamento com antirretrovirais;
  • Níveis de HIV detectado no sangue da pessoa em tratamento;
  • Ausência de outra IST em ambos;
  • Relações de prática sexual de risco com outras pessoas.

É importante levar em consideração o sentimento da pessoa exposta e o risco de transmissão que está disposta a correr, na dúvida, o PEP estará indicado.

Para casais sorodiferentes com relacionamento fixo, o uso da PrEP-HIV (Profilaxia Pré-Exposição) deve ser oferecido e avaliado.

Reação ao Esquema

Mais de 50% dos usuários apresentam alguma relação adversa. No entanto, essas reações geralmente são leves e a medicação é muito bem tolerada.

Além disso,a medicação pode apresentar efeitos tóxicos que não necessariamente causam algum sintoma. Por isso a importância de se fazer o acompanhamento com o infectologista durante o uso do PEP.

Acompanhamento com o Infectologista na Profilaxia Pós-Exposição ao HIV

A pessoa que está fazendo a PEP deve ser acompanhada por um médico infectologista desde o início, pois pode sofrer alguns efeitos colaterais que devem ser avaliados e orientados pelo médico.

Como deve ser feito o acompanhamento com o infectologista:

  • Após 14 dias do inicio da PEP.

A avaliação após 2 semanas é importante para verificar possíveis efeitos colaterais e como está a tolerância da pessoa à medicação.

  • Manutenção de medidas de prevenção da infecção pelo HIV.

É importante não colocar o parceiro sexual em risco e também se proteger de novas exposições. A pessoa em uso de PEP deve ter relações sexuais protegidas com preservativo até descartar a infecção.

  • Repetir o teste diagnóstico de HIV ao final da PEP, ou seja, com 30 dias após a exposição.
  • Repetir novo teste após 90 dias da exposição.

linha-do-tempo-pep

Caso um dos testes dê um resultado indeterminado, isso pode significar infecção recente pelo vírus HIV e um novo teste deve ser realizado 30 dias depois. Caso se trate de uma infecção recente pelo HIV, em 30 dias o teste já terá um resultado positivo para o Vírus.

Sempre que ocorre uma exposição a materiais biológicos, o HIV não é a única doença que pode ser transmitida e outros exames específicos como hepatites B e C, SífilisHTLV devem ser sempre solicitados.

Profilaxia Pós-Exposição ao Vírus HIV: O que Mudou?

Prevenção Durante a PEP

Não pode haver nova exposição ao risco durante o uso da PEP até o encerramento do caso.

  • Usar preservativo em qualquer relação sexual (mesmo com parceiro fixo);
  • Não compartilhamento de seringas ou agulhas no caso do uso de drogas injetáveis;
  • Não doar sangue, órgãos, esperma ou tecidos;
  • Não engravidar.

Leia mais sobre: Diagnóstico do HIV, Tratamento do HIV e Infecções Sexualmente Transmissíveis.

Fontes:


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

1.028 thoughts on “Profilaxia Pós-Exposição ao Vírus HIV: O que Mudou?

  1. boa noite…tive uma relacao com uma travesti que fiz oral nela, como uso aparlho nos dentes percebi que a camisinha furou durante o ato. Nesse mesmo ato fui passivo no sexo anal com ela logo em seguida ao oral. Procurei o posto de saude no dia seguinte e fiz os testes rápidos e todos deram nao reagente e nesse mesmo dia iniciei a PEP. Eu faco tratamento para insônia com hemifumarato de quetiapina 100mg. Gostaria de saber se esse medicamento afeta o tratamento ou não. Muito obrigado

  2. Doutora, estou no 4o dia e ainda não senti nenhum efeito colateral, só um pouco de tontura no 2o dia. Tenho medo de icterícia. Estou tomando pelo menos 2L de água. A icterícia pode acontecer?

  3. Oi.Fiz sexo anal insertivo com garota de programa trans em 20/08,onde vi ao término que a camisinha rompeu na ponta. 15 horas depois iniciei a PEP: cumpri os 28 dias. 30 dias após exposição,fiz teste rápido no CTA,não reagente. No dia seguinte fiz Eletroquimioluminescência (anticorpos),não reagente. 37 dias após exposição,Quimioluminescência 4 geração,não reagente.
    1-Posso ficar mais tranqüilo com estes resultados?
    1-PEP pode ter interferido nos 3 resultados (falso negativo)?

    Obrigado

  4. Tenho mais duas na vdd. 🙈
    2- eu estava realizando sexo oral sem camisinha com outro boy e acabei engolindo esperma. O Resutado deu negativo e comecei a PEP, o risco é muito grande? Ainda vou tomar por mais 12 dias, mas tá me tirando o sossego. 😭
    3- Dizem que a janela imunológica é de 30 dias, mas uma médica me disse que o resultado já sai com 5 a 20 dias após a exposição, mas colocam 30 dias só por precaução. Isso é verdade?

  5. Olá Dr. boa tarde! Tenho uma pergunta que está me deixando super aflito
    1- Estava recebendo sexo oral de um rapaz, ele fez em outro e logo em seguida voltou a fazer em mim. Andei lendo que a probabilidade de contrair hiv recebendo é 0%, mas por ele ter feito no outro rapaz e ter voltado a fazer em mim fiquei com medo de ele tá com fluido do outro e ter passado para mim.

  6. Boa noite, Dra. Keilla
    Tive um acidente com um instrumento perfurocortante contaminado com sangue, porém não sei ao certo se realmente perfurou meu dedo. Como protocolo da faculdade, tive que iniciar o pep.
    Na próxima semana vou levar a paciente para fazer os exames, caso de negativo, posso interromper o pep ou essa atitude pode influenciar em algo no meu organismo? Desde já agradeço pela atenção

Deixe uma resposta

Top