Você está aqui
Home > HIV/AIDS > HIV indetectável é intransmissível

HIV indetectável é intransmissível

HIV indetectável é intransmissível

Last updated on janeiro 22nd, 2018 at 12:37 pm

HIV indetectável é intransmissível

Pessoas vivendo com HIV, com Carga Viral persistentemente suprimida, são incapazes de transmitir o vírus por relação sexual, mesmo sem preservativo.

Essa conclusão tem como base todo o conhecimento científico acumulado desde os anos 2.000

Foram 3 grandes estudos, realizados em várias partes do mundo com milhares de casais sorodiferentes de várias orientações sexuais e que chegaram à mesma conclusão.

Estudos científicos:

  • Estudo HPTN 052

( “Tratamento como prevenção” )

Foram acompanhados 1.763 casais sorodiferentes em 13 instituições de 9 países diferentes (Botswana, Brasil, Índia, Kênia, Malawi, África do Sul, Tailândia, Estados Unidos e Zimbábue) entre os anos de 2005 a 2015.

87% dos participantes HIV positivos foram acompanhados durante todo o estudo.

Havia casais hétero e homossexuais, mas 97% deles eram heterossexuais.

Os casais eram divididos em 2 grupos de forma aleatória: em um as pessoas HIV-positivas iniciavam o Tratamento Antirretroviral – ARV  precocemente e o outro não.

Os casais realizavam relações sexuais (vaginal e anal) sem preservativo.

Resultados preliminares de 2.011 mostraram uma redução de 96% de transmissão no grupo em uso de TARV.

Foram registrados 39 pessoas inicialmente HIV negativas, e que haviam se infectado pelo vírus.

Análises filogenéticas provaram que 28 dessas pessoas haviam sido infectadas pelos seus parceiros HIV positivos inscritos no estudo.

Desses 28, apenas 1 foi proveniente de um parceiro HIV positivo que estava em TARV.

Depois desse resultado o TARV foi oferecido para todos os participantes HIV positivos e manteve-se o seguimento até 2015.

Ao final do estudo, 78 participantes que o iniciaram com sorologias HIV negativas haviam sido infectadas.

Análises filogenéticas do vírus mostraram que 46 delas foram transmitidas pelo(a) parceiro(a) HIV positivo participante do estudo.

Desses 46, 8 ocorreram depois do inicio do TARV. Sendo que 4 ocorrem antes da supressão viral e as outras 4 durante período de falha.

O estudo concluiu que existe uma redução de 93% de transmissão do vírus HIV quando o TARV é iniciado precocemente.

O estudo HPTN 052 estabeleceu o inicio precoce do tratamento do HIV como uma das principais formas de prevenção de novas infecções.

Apesar dessas conclusões, o estudo não mostrou transmissão de infecção do vírus HIV a partir de uma pessoa com supressão viral persistente.

Não houve controle do número de intercurso sexual anal realizado e não se pôde extrapolar os resultados para casais homossexuais masculinos.

  • Estudo PARTNER 

(Maior quantidade de casais homossexuais masculinos que o HPTN 052)

Foram matriculados 1.166 casais soro diferentes em 75 clínicas de 14 países da Europa.

61.7% deles eram heterossexuais e 38.3% eram homens que faziam sexo com homens (HSH).

Todos os participantes HIV positivos em uso de TARV supressivo. Ou seja, Carga Viral menor que 200 cópias/ml

Foram 58.000 relações sexuais sem o uso de preservativo entre setembro de 2010 e Maio de 2014. 22.000 deles entre HSH.

17,5% dos participantes tiveram alguma IST em algum momento do estudo.

Houveram 11 novas infecções pelo HIV durante o estudo. Mas a análise filogenética do vírus mostrou que nenhuma delas havia sido transmitida pelo(a) parceiro(a) com carga viral suprimida.

Novamente, não houve controle sobre o número de relações sexuais pela via anal

  • Estudo Opposites Attract

HIV indetectável é intransmissível )

Foram acompanhados 358 casais sorodiferentes de 3 diferentes países (Austrália, Brasil e Tailândia) entre os anos de 2.012 e 2.015.

Dessa vez, todos os casais eram homossexuais homens

Estes casais praticaram no total, 17.000 atos de sexo anal sem camisinha durante o período de estudo.

6% dos atos sexuais anais relatados foram feitos enquanto um dos parceiros tinha alguma outra IST.

Houveram 3 novos casos de Infecção por HIV durante o estudo.

Mas a análise filogenética do vírus comprovou que nenhuma delas foi transmitida pelo parceiro com carga viral suprimida.

Diminuição do número de casos novos de infecção pelo HIV:

Nos Estados Unidos, o número de novos casos de HIV entre homens gays vinha aumentado a cada ano.

Mas entre 2010 e 2014 houve diminuição do número de novos casos entre os homens gays ou bissexuais brancos.

Entre homens gays afrodescendentes, este número se manteve estável neste mesmo período.

Fato: não existe grupo de risco para HIV. O que existe é estilo de vida de risco.

Contudo, homens que fazem sexo com homens (HSH) representam 2% de toda a população dos Estados Unidos.

Mas ainda em 2015, 70% das pessoas vivendo om HIV eram HSH, incluindo os 3% de soro HIV-positivos que eram usuários de drogas injetáveis.

Esses dados não possuem relação com a orientação sexual e sim com o tipo e frequência das exposições ao risco.

Cada tipo de exposição sexual possui diferente risco de transmissão.

Os principais fatores de prevenção de novas transmissões são:

  • Diagnóstico precoce
  • Início precoce do tratamento
  • Boa adesão ao tratamento
  • Supressão viral sustentada
  • Uso de PrEP em relações com pessoas de sorologias desconhecidas para HIV sabidamente HIV positivas sem imunossupressão viral.

Supressão Viral x Carga Viral indetectável

Consideramos supressão viral uma carga viral (PCR-HIV) abaixo de 200 copias/ml

Carga Viral indetectável é a carga viral (PCR-HIV) abaixo dos limites detectáveis pelo exame.

No Brasil, consideramos indetectável uma taxa menor que 40 cópias/ml, mas alguns exames mais sensíveis, conseguem identificar níveis ainda menores.

De acordo com os estudos, situações de aumento transitório de carga viral (como vacinação) ou a presença de Infecções Sexualmente transmissíveis, não influenciam na transmissão do HIV nesses pacientes

Fatores que devem ser levados em consideração:

Campanha: “HIV indetectável é intransmissível ” no mundo:

Esta campanha foi lançada em 2016 com o Slogan “U=U” (do inglês: Undetectable=Untransmissable que significa Indetectável  = Intransmissível)

A ideia era ampliar o acesso ao diagnóstico como forma de prevenção.

Essa campanha ganhou força rapidamente sendo adotada por mais de 400 organizações em mais de 60 países em poucos meses.

Campanha: “HIV indetectável é intransmissível” no Brasil

No Brasil esta campanha teve início no final de 2017.

A secretaria de saúde do estado de São Paulo, afirmou em Nota Informativa de Dezembro de 2017 que “Indetectável é igual a Intransmissível” desde que respeitado os fatores já comentado neste artigo.

Nem tudo é HIV

Saber que HIV indetectável é intransmissível é fundamental para a diminuição do estigma e preconceito tanto da própria pessoa que vive com HIV quanto da sociedade.

Contudo, vale lembrar que:

  • Existem várias outras Infecções Sexualmente Transmissíveis – ISTs, curáveis ou não, que podem causar sérios danos à saúde.
  • Uma pessoa não precisa ter sintomas para estar infectada por uma IST e uma vez infectada ela pode transmiti-la.
  • Toda vez que ocorrer uma exposição ao risco de IST, um médico Infectologista deve ser consultado e devem ser realizadas testes específicos para diagnosticar cada uma das ISTs

Apenas o sexo com o uso adequado do preservativo pode evitar a maioria dessas infecções.

 

HIV indetectável é intransmissível

 

Referências:

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  • 21
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    21
    Shares
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

5 thoughts on “HIV indetectável é intransmissível

  1. Dra, boa tarde!
    Fico sem entender um pouco algumas informações desencontradas. Neste artigo logo no início posso ler que uma pessoa com carga viral suprimida de forma persistente é incapaz de transmitir o vírus. Em vídeos que assisti pelo seu canal no YouTube você diz que mesmo o risco sendo menor, ele ainda existe. Em qual informação devo me apegar ?

    1. A atualização e fechamento dos estudos que concluíram ser a carga viral indetectável intransmissível e não apenas de difícil transmissão, foram concluídas após as gravações dos vídeos do YouTube, nos vídeos já gravados estes ano, atualizo este tema , assim como já está atualizado no artigo.

  2. dra ainda estou com duvidas.. no caso do rapaz ter feito dois exames rapidos no cta de hiv… um com 75 dias e outro com 109 dias, e deram negativo, e o meu no laboratorio com 88 dias exame de hiv 4 geraçao… tb negativo… isso quer dizer que por mais que o rapaz tivesse hiv, e tivesse na janela imunologica, ele nao teria como passar o virus p mim, pois os testes dele deram negativo após a exposição comigo… isso exclui a possibilidade dele ter me passado hiv?

  3. Bianca tarde Doutora , tenho uma relação afetiva com outro homem soro positivo porém indetectável a mais de 20 anos , eu sou soro negativo .. entretanto nos relacionarmos sempre com preservativo porém o sexo oral em ambos é sem o uso do preservativo. Há algum risco eminente nesse caso ?
    Obrigado !

    1. Bom dia. Receber sexo oral não é considerado exposição ao risco, pois a saliva não transmite o vírus. Em relação a uma pessoa com carga viral indetectável poder transmitir o vírus, o próprio texto explica esse tipo de situação.

Faça Aqui sua Pergunta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top