Você está aqui
Home > HIV/AIDS > HIV e doenças hormonais

HIV e doenças hormonais

HIV e doenças hormonais
Compartilhe
  • 24
    Shares

HIV e doenças hormonais

O HIV pode causar o desequilíbrio hormonal das mais diversas formas.

Pessoas em tratamento antirretroviral podem ter uma diminuição expressiva desses problemas.

Em pacientes na fase AIDS, ou com altas níveis de vírus no sangue, este risco é bem maior

Algumas medicações do HIV, como os Inibidores de Protease, também podem levar a alterações hormonais

O que é sistema endócrino e qual a sua importância?

O sistema endócrino ou sistema hormonal é formado por várias glândulas

É nas glândulas onde ocorre a produção dos hormônios

Hormônios são substâncias químicas que controlam o funcionamento de todo o corpo humano.

Alguns hormônios atuam como espécie de mensageiro químico, transportando informações entre as células.

Outros agem com função de regular órgãos e regiões do corpo.

Este complexo sistema é totalmente interligado. Ou seja, qualquer alteração em uma de suas partes pode causar um efeito dominó atrapalhando várias outras.

Alterações hormonais em pacientes vivendo com HIV podem levar ao seguintes problemas:

  • Envelhecimento precoce
  • Lipodistrofia
  • Sarcopenia (perda de massa muscular) – especialmente em braços e pernas
  • Diabetes
  • Alterações da glândula Tireoide
  • Hipertensão Arterial
  • Aumento do colesterol ruim – LDL
  • Aumento de triglicérides
  • Diminuição do bom colesterol – HDL
  • Enfraquecimento ósseo
  • Doenças cardiovasculares
  • Disfunção das glândulas adrenais
  • Disfunção das glândulas sexuais

Como o Vírus HIV pode alterar as funções hormonais

  • Infiltração e inflamação do vírus HIV nas glândulas
  • Infiltração e inflamação de Infecções oportunistas nas glândulas
  • Infiltração neoplásica nas glândulas

Infiltração e inflamação do vírus HIV nas glândulas

O vírus HIV penetra nas glândulas hormonais logo no inicio da infecção.

As glândulas hormonais são alguns dos locais de reservatórios do vírus do HIV

Ao penetrar nas glândulas, o vírus HIV causa intensa inflamação nas mesmas.

Com a carga viral em níveis indetectáveis de forma persistente, estas inflamação diminui mas não acaba

Alterações Hormonais na fase AIDS

Esse mecanismo ocorre especialmente quando a infecção pelo HIV está em fase AIDS.

Infecções Oportunistas que podem causar complicações hormonais:

  • Citomegalovírus – CMV
  • Tuberculose
  • Leishmaniose visceral
  • Cryptococcus neoformans
  • Nocardia
  • Mycobacterium avium
  • Histoplasma capsulatum
  • Pneumocystis jiroveci

Infiltração glandular neoplásica:

Alterações hipofisárias

A glândula Hipófise ou Pituitária encontra-se bem no meio do cérebro.

Ela é responsável direta ou indiretamente pela regulação e produção de:

  • Hormônios do crescimento
  • Hormônios sexuais
  • Hormônio da tireoide
  • Regulador do metabolismo das gorduras
  • Regulador do Metabolismo dos carboidratos

Alteração do metabolismo da Insulina – Diabetes

O pâncreas é o órgão que fica na barriga e produz um hormônio chamado Insulina

A Insulina é um hormônio responsável por levar a glicose (açúcar) para dentro das células onde serão metabolizadas e transformadas em energia.

Existem 2 tipos de diabetes

Diabetes tipo 1

  • Doença auto-imune na qual o pâncreas não produz insulina adequadamente
  • O diagnóstico geralmente é feito em crianças ou adultos jovens
  • O tratamento é feito através da reposição da Insulina

Sintomas da diabetes:

  • Visão borrada
  • Aumento da sede
  • Cansaço geral contínuo
  • Aumento do volume de urina
  • Aumento da frequência da urina
  • Perda ou ganho de peso inexplicável
  • Formigamento e/ou dormência nas mãos e pés

Diabetes tipo 2

  • Doença adquirida
  • Tem um fator genético (herança familiar), mas está extremamente ligada ao estilo de vida
  • O Pâncreas produz Insulina, mas não o faz de forma eficiente ou não a usa adequadamente
  • Com o passar do tempo da doença, o pâncreas acaba parando de produzir a Insulina e o tratamento fica semelhante ao da diabetes tipo 1
  • Pacientes portadores de hepatite C possuem maior risco de desenvolver Diabetes tipo 2

A maioria das pessoas com diabetes tipo 2 não possuem nenhum sintoma da doença.

Complicações da diabetes

  • Perda da visão
  • Falha dos rins
  • Dificuldade na cicatrização de feridas
  • Doenças cardiovasculares
  • Pé diabético
  • Amputação de extremidades do corpo (especialmente dedos dos pés)
  • Acidente vascular cerebral

Como evitar os distúrbios hormonais do HIV?

  • Inicio precoce do tratamento do HIV
  • Troca do esquema do tratamento do HIV quando for indicado e dependendo dos remédios utilizados
  • Manter a carga viral em níveis indetectáveis no sangue
  • Busca ativa de alterações no metabolismo do açúcar (pré-diabetes) e tratamento adequado precoce
  • Busca ativa e diagnóstico precoce da diabetes e inicio precoce do tratamento
  • Busca ativa de alterações no metabolismo do colesterol e início precoce do tratamento
  • Parar de fumar
  • Manter o peso ideal
  • Alimentação adequada (baixo em sódio, carboidratos e alimentos processados, rico em proteína e boas gorduras)
  • Prática regular de atividade física

Fonte:


Compartilhe
  • 24
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

9 thoughts on “HIV e doenças hormonais

  1. Doutora, tive um relação de risco a 75 dias, de lá pra cá fiz testes de 4° geração com 20,30,40,50,60 e 75 dias todos eles dando “não reativo”, sendo um PCR realizado com 17 dias com resultado “não detectável”. Posso descartar a infecção por HIV?

      1. São raras as soroconversões depois dos 60 dias ? E outra coisa, as soroconversões após 60 dias são consideradas tardias em um teste de 4° geração? Pois vi que até hoje só tivemos 9 soroconversões tardias segundo o ministério público. Desde já agradeço a sua atenção Doutura.

  2. Exames com 30, 60 e 82 dias depois da exposição sendo todos de 4 geração é definitivo ou necessário fazer um outro com 90 dias?

  3. Doutora Keilla, quais os riscos para uma pessoa que tem hiv, toma coquetel e faz 2 ciclos por ano de durateston? As testosteronas sinteticas podem interagir com os coqueteis causando reacoes ainda mais adversas?

    1. Não há registro de interação das testosteronas com os remédios do HIV em si, ou seja, elas não cortam o efeito dos remédios. as discussões sobre o uso esquema de hormônio ou outro são devido a outros fatores relacionados especialmente ao uso de vários ciclos ao longo do tempo, dose usada ou tipo de produto usado.

  4. Bom dia Dra. Após 2 anos de início de tratamento com os antirretrovirais (dolutegravir, tenorforvir e lamivudina) é comum o aparecimento de lipoatrofia facial? Esse distúrbio de distribuição de gordura é permanente e progressivo, ou em algum momento estabiliza?

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

dezesseis + dezoito =

Top