Você está aqui
Home > Infecção Crônica > Osteomielite: Saiba Mais Sobre esta Infecção

Osteomielite: Saiba Mais Sobre esta Infecção

Osteomielite: Saiba Mais Sobre Ela - Dra. Keilla Freitas Infectologista
Compartilhe

Osteomielite é uma infecção do osso que pode causar dor e outros sintomas.

Existem vários micro-organismos que podem infectar o osso e causar o que chamamos de osteomieliteA causa mais comum é a bactéria, mas micobactérias e fungos também podem ser a causa.

Quem pode pegar osteomielite?

Osteomielite não é causada apenas por germens hospitalares e qualquer pessoa pode pegar. Contudo, há uma série de fatores de risco para esta doença, como:

  • Pessoas que fizeram algum tipo de cirurgia ortopédica, principalmente as que colocaram material de síntese (parafusos), próteses ou similares. Independente do tempo da cirurgia;
  • Obesidade;
  • Desnutrição;
  • Idade avançada;
  • Tabagismo (pessoas que fumam);
  • Portadores de Diabetes Mellitus, principalmente descompensadas;
  • Pessoas com feridas crônicas, como o pé diabético;
  • Pessoas com insuficiência vascular crônica;
  • Pessoas com doenças articulares, como artrose;
  • Pessoas com imunidade baixa, como portadores do vírus HIV (mesmo com Carga Viral Indetectável no sangue), usuários de corticoides de longa data e pessoas que receberam transplantes de órgãos;
  • Pessoas portadoras de doenças reumatológicas;
  • Pessoas portadoras de coagulopatias (doenças que prejudicam a coagulação do sangue, como a cirrose hepática);
  • Pessoas com anemia antes da cirurgia;
  • Usuários de drogas intravenosas;
  • Pessoas que acabaram de sofrer fraturas com exposição do osso.

Como o osso pode se infectar?

  • A partir de infecções distantes, quando o micro-organismo viaja através do sangue;
  • Invasão de infecção vizinha;
  • Inoculação direta da bactéria no osso, que pode ocorrer durante uma cirurgia, por exemplo;
  • Exposição do osso como em um acidente com fratura exposta, por exemplo;
  • Ossos que possuem próteses articulares, parafusos, etc. possuem maior risco de se infectar, pois é necessária uma quantidade menor do micro-organismo para causar a infecção do que quando o osso está íntegro.

Como Saber se Estou com Osteomielite?

Muitas vezes, apenas a dor está presente, dificultando a movimentação. Mas ela pode vir acompanhada de vários outros sinais ou sintomas. É importante salientar que nem toda a dor é infecciosa.

Outras causas de dor que NÃO são relacionadas a infecção:

  • Soltura de prótese de causa não infecciosa;
  • Encurtamento do membro;
  • Gota;
  • Desgaste articular;
  • Atrofia do músculo.

Por outro lado, a maior causa da soltura de prótese é a infecção, e ela pode se apresentar apenas como uma soltura, sem nenhum outro motivo.

Diferença entre Osteomielite Aguda e Crônica

Não tem nada a ver com ter cura ou não. Essa classificação está relacionada com o tempo de evolução da infecção.

Osteomielite Aguda

Infecção recente do osso. Menos de 1 mês de infecção.

Osteomielite Crônica

Infecção com mais de um mês de evolução.

Sinais e Sintomas da Osteomielite AGUDA

Geralmente a osteomielite aguda tem quadros mais floridos e são mais fáceis de perceber:

  • Hiperemia no local da infecção (vermelho);
  • Edema (inchaço);
  • Calor local (a região infectada fica quente);
  • Febre;
  • Quando a infecção ocorre logo após uma cirurgia ortopédica, é comum que os pontos se abram ou comece a sair secreção de dentro da ferida cirúrgica. 

Sinais e Sintomas da Osteomielite CRÔNICA

  • Quando a infecção é antiga, os sintomas podem ser mais brandos. Pode ser difícil pensar no diagnóstico;
  • Muitas vezes, se apresenta apenas como uma dor local persistente;
  • Outras vezes, abre-se um furo na pele e começa a sair secreção, frequentemente purulenta. É a chamada Fístula.

Osteomielite: Saiba Mais Sobre Ela - Dra. Keilla Freitas Infectologista

É importante dizer que a osteomielite pode estar presente mesmo sem dor ou qualquer outro sintoma dito acima, o que dificulta ainda mais a suspeita diagnóstica.

Como ter certeza do diagnóstico?

Quando os sintomas são típicos e claros, não há dúvida. Mas para confirmar o diagnóstico, exames de imagem podem ajudar a estabelecer o comprometimento do osso. Radiografias não ajudam, pois apresentam alterações inespecíficas e tardias.

Os melhores exames de imagem são as tomografias ou as ressonâncias magnéticas, pois mostram alterações precoces e definem a extensão da infecção, podendo inclusive ajudar na programação cirúrgica.

O grande problema é que o material de síntese (órteses, próteses, placas ou parafusos) causa interferência nas imagens dos ossos, podendo dificultar bastante a interpretação do exame. Nestes casos, pode-se optar pela cintilografia óssea.

Mas este exame é bastante inespecífico, pois não há como diferenciar ossos inflamados de infectados, e uma pessoa com artrose ou artrite por exemplo, apresentará a mesma alteração de uma pessoa com infecção.

O que confirma o diagnóstico no final das contas é a biópsia do osso (um pedacinho do osso que é retirado para ser visto ao microscópio). Ela deve ser coletada durante a limpeza cirúrgica. Esse exame não estabelece o micro-organismo causador da infecção, mas é definitivo para a confirmação diagnóstica.

É muito importante realizar biópsia do osso, mesmo quando o cirurgião não suspeita de infecção. A infecção pode deixar muitas alterações que não são vistas a olho nu, apenas ao microscópio.

Osteomielite tem Cura?

Toda osteomielite tem cura.

Mas para isso, é necessário um trabalho em conjunto do médico Cirurgião e do médico Infectologista. Se um não conseguir realizar bem o seu trabalho, o outro não conseguirá fazer o dele adequadamente, e o prejudicado sempre será o paciente.

Existem 3 grandes pilares para se conseguir a cura da osteomielite:

  • Limpeza cirúrgica adequada;
  • Antimicrobiano adequado;
  • Quantidade de antimicrobiano adequada (tempo e dose corretos).
Osteomielite: Saiba Mais Sobre esta Infecção - Dra. Keilla Freitas Infectologista
Osteomielite: Saiba Mais Sobre esta Infecção – Dra. Keilla Freitas Infectologista

Se um desses pilares não estiver presente, a infecção não será curada.

Limpeza Cirúrgica Adequada

O objetivo da cirurgia de limpeza é:

  • Retirar o foco da infecção;
  • Retirar a prótese infectada, quando necessário;
  • Coletar material de osso para a biópsia (para a confirmação diagnóstica);
  • Coletar material para culturas (para identificação do micro-organismo causador da infecção).

Retirar o foco da infecção

Significa retirar o material “sujo”, colecionado (encapsulado como abcessos), ou desvitalizado (que o sangue não irriga mais). O antimicrobiano viaja através do sangue, mesmo se tomado por boca. Então, onde o sangue não chega, o antimicrobiano também não.

Pode ser necessário outras limpezas cirúrgicas durante o tratamento, mesmo que a terapêutica antimicrobiana esteja correta, principalmente em pacientes com fatores de risco para complicações (que são os mesmos fatores de risco para se ter a infecção, como já foi explicado acima).

Precisa mexer na prótese para tirar a infecção?

Em pessoas com materiais de síntese ou próteses (material que não pertence ao nosso corpo), ter uma infecção quase sempre significa a retirada ou troca desse material.

As bactérias facilmente grudam na superfície destes materiais e constroem uma proteção, chamada de biofilme. Esse biofilme é como uma película impenetrável pelos antibióticos e o cirurgião não consegue retirá-lo mecanicamente por mais que tente, e a bactéria fica ali protegida.

Quando isso ocorre, mesmo que o antimicrobiano mate todos os micro-organismos que estão ao redor e a infecção aparentemente fique curada, não importa quanto tempo ou dose de antimicrobiano seja usado, após algum tempo de sua suspensão os sintomas da infecção retornam, pois o foco da infecção não foi totalmente retirado.

Além disso, o biofilme não é visto a olho nu, e apenas olhando o material de síntese e o osso ao seu redor durante a cirurgia, não se pode descartar a presença do biofilme.

Em cirurgias que tenham sido feitas há menos de 3 semanas com uma infecção que tenha menos de 2 semanas de evolução, pode-se considerar tentar preservar a prótese (limpar a ferida operatória, sem retirar a prótese).

Quanto maior o tempo de infecção, maior as chances de falha terapêutica por foco mantido devido ao biofilme, caso a prótese não seja tirada ou trocada.

Amostras para culturas

Para se identificar um micro-organismo, o laboratório de microbiologia precisa cultivá-la como se fosse um fazendeiro plantando verduras. Só depois que essas “verduras” começam a crescer é que se consegue identificar qual é o agente causador da infecção.

Existem várias causas que podem fazer com que um micro-organismo não cresça nas culturas, mesmo quando a infecção está presente.

  • O uso de antimicrobiano durante ou suspensos pouco antes da coleta da cultura (causa mais comum);
  • Pouco material coletado para culturas;
  • Proteger o material de forma inadequada dentro do frasco de amostra;
  • Problemas no armazenamento do material;
  • Demora para levar o material para o laboratório de microbiologia, etc.

Por isso, o médico cirurgião deve coletar o máximo de amostras possível e sempre coletar pedacinhos de músculos e ossos.

O não crescimento de micro-organismo na cultura NÃO descarta a presença de infecção.

Infelizmente, coletar a amostra de secreção que está saindo da ferida ou um swab (passar um cotonete por cima da ferida) não ajuda em nada e, muito pelo contrário, pode nos levar a tratar um micro-organismo que está apenas vivendo na pele por fora, e que não é o verdadeiro causador da infecção.

Antimicrobiano Adequado

Existem uma infinidade de micro-organismos que podem causar infecção. E para cada grupo deles existem antimicrobianos capazes de matá-los. Identificar o agente causador da infecção é fundamental para acertar o tratamento.

Assim, escolhemos os antimicrobianos que combatem a infecção com menos toxicidade ao organismo do paciente, com menos efeitos colaterais e menor custo possível.

Em caso de suspeita de infecção articular, uma aspiração articular asséptica (com cuidados de limpeza para não contaminar a amostra nem levar a infecção da pele para dentro da articulação), podem ser realizados para retirar o líquido e enviá-lo para culturas.

Quantidade de Antimicrobiano Adequado

Muitos antimicrobianos não chegam no osso em uma quantidade adequada. Isso também deve ser levado em consideração na hora de escolher o tratamento.

O tempo é igualmente importante. Infecções no osso exigem um tempo de tratamento muito maior que o usado na maioria das infecções, podendo variar de semanas em infecções recentes a meses em infecções mais antigas.

Sempre que prescrevemos um antimicrobiano e não conseguimos acabar com a infecção, seja porque existe um foco mantido (abscesso, biofilme, etc.), ou por não está no tempo ou dose corretos, corremos o risco de causar uma seleção de micro-organismos resistentes.

Isso ocorre porque matamos os micro-organismos sensíveis àquele antimicrobiano e deixamos os que são resistentes a ele livres para se reproduzir. Além disso, expomos o paciente a uma toxicidade e reações ao antimicrobiano que são inúteis. 

O que fazer quando não é possível realizar uma cirurgia de limpeza adequada?

Em alguns casos, a completa retirada do material infectado não é possível:

  • Dificuldades técnicas (como por exemplo, infecção de coluna);
  • Paciente sem condições de passar pela cirurgia (por exemplo, pacientes frágeis que não toleram o porte da cirurgia que precisa ser feita).

Nesses casos, infelizmente a cura não é possível, e o tratamento antimicrobiano é apenas supressivo.

Objetivo do tratamento antimicrobiano por longo tempo quando não há perspectiva de cura:

  • Prevenir a sepse e a bacteremia;
  • Tentar restringir a área infectada;
  • Aliviar sintomas que podem aparecer com a infecção.

Problemas de se usar antimicrobiano por longo tempo quando não há perspectiva de cura:

  • Desgaste do organismo, principalmente fígado e rim;
  • Reações adversas como gastrite e diarreias;
  • Como a infecção não é curada, o micro-organismo vai ficando mais forte, até o antimicrobiano não fazer mais efeito;
  • Custo.

O que pode acontecer com uma osteomielite que não é curada?

  • O organismo pode conseguir conter a infecção e ela fica estagnada (não há como saber por quanto tempo);
  • A infecção pode se expandir para estruturas vizinhas, aumentando sua extensão;
  • O micro-organismo pode cair na corrente sanguínea e desenvolver uma infecção generalizada (sepse).

A decisão de manter ou suspender o antimicrobiano nestes casos deve ser tomada em conjunto entre o paciente, familiares e médicos.

Deve-se levar em conta que o uso de antimicrobiano por longos períodos (em alguns casos pelo resto da vida) sem perspectiva de cura pode acabar inevitavelmente levando ao mesmo desfecho que pode ocorrer quando o tratamento é interrompido.

Fontes:


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

143 thoughts on “Osteomielite: Saiba Mais Sobre esta Infecção

  1. Quebrei a canela, o medico colocou um aste interna, em 2017
    Apos um ano senti dor no joelho e junta no tornezelo, apos de 3 dias inchou bastante onde tinha quebrado na canela, e abriu na pele um buraco onde saiu sangue e pús, ela se curou. Depois de 3 meses voltou novamente, e assim vai e vem ate o momento. Sera que tem cura isso ? ouvi relatos que seria alergia da aste no osso. Atualmente eu tomo via oral cipro e cloridato de clindamicina ou bactrim, mas só alivia.
    Obrigado

  2. Bom dia Dra me chamo Richelle e sofri um acidente de trabalho em 2015 tendo fratura exposta no tornozelo direito passei por inúmeras cirurgias e tratamento venoso e oral de antiflamatorios, tenho diagnóstico de osteomielite crônica há mais de quatro anos venho lutando contra essa doença silenciosa mais dolorosa que tudo, agora por mais que tome a medicação pra dor ela persiste e gostaria de saber se continuo lutando contra a infecção ou corto que amputo o mal pela raiz ???

    1. a indicação de amputação deve ser feita entre as equipes que estão cuidando de você. AS vezes não tem como fazer uma limpeza efetiva mantendo o membro e única forma de retirar o foco infeccioso é amputando o membro. mas novamente, isso é uma opção que apenas o médico que te acompanha pode de dar, pois é quem conhece o seu caso.

  3. Bom dia Dra.!
    Minha filha de ano e 3 meses foi diagnosticada com osteomielite no ombro direito. Foi feitam a cirurgia no dia 2 desse mês e após a retirada dos pontos no dia 11 começou a sair um pus espontâneamente. Ela fez Rocefin na veia e agora esta fazendo a oxacilina de 6/6h na veia. Existe a chance desse pus ainda ser normal 18/05? Obs. Ela não está tendo mais febre, só o pus saindo pelo buraquinho que tinha um dreno e um inchaço acima do ombro.

  4. Olá, tive osteomielite no pé, há 2 anos, devido uma mordida de cachorro, fiz o tratamento, e estou bem!!! Preciso extrair o siso, há alguma contra indicação? Posso extrair?

  5. Fratura de fêmur, 1 cirurgia foi colocado aste, 3 meses depois retirada e colocada gaiola, cultura, consta da osteomelite, 1 ano e 5m vancomicina, 2 anos de teicoplamina, parou de vazar. 8 anos depois voltou a vazar, 2 cirurgia de limpeza, não resolveu, médico disse que a bactéria está encapsulada no local da fratura, o antibiótico não chega, mas a bactéria ñ vai sair, não para de vazar, fico com medo de piorar, ñ tomo antibiótico.

  6. Olá Dra Keilla. Fiz biópsia e deu osteomilite no tornozelo. Surgiu no dia 30 de agosto após retirada de parafusos. Fiz curetagem e estou tomando antibiotico de 8 e 8 horas. Mas está vazando um liquido amarelo e vermelho e dois pontos não fecharam. O líquido não é purulento. O que pode ser este liquido? Quanto tempo poderá ficar assim?
    Obrigada!

    1. Boa tarde. Não consigo emitir um parecer sem te examinar. Você precisa se consultar com um médico infectologista de sua confiança para te avaliar pessoalmente e pedir os exames necessários.

  7. Bom noite tudo bem! Gostaria de um artigo de osteomielite crônica , com foto de reconstrução óssea entre 2010 a 2018.

  8. Boa noite doutora Keila! Tive osteomielite aos 40 anos,,fiz uma cirurgia de fêmur, retirei uma até hintra medular, mais precisamente ontem,do nada estou sentindo dor no doido e próximo a virilia, abri a perna por três vezes no período da cirurgia,a senhora acha que isso pode ser sintomas dela?

  9. Bom dia doutora. Tenho 56 anos e contrair osteomielite ao furar o calcaneo em um prego… depois de um ano apareceu os sintomas e ai comecei a fazer varios exames laboratoriais e de imagens, até diagnosticar a doença. Fui internado por 30 dias após operado, tomando soro venos, e após alta continuo tomando antibioticos por via oral. Isso já faz 3 meses e ainda sai uma secreção por um pequeno orificio do tamanho de uma ponta de agulha. Pergunto a doutora: o que fazer para parar esta secreççao? s

    1. Boa noite. Não consigo emitir um parecer sem te examinar. Você precisa se consultar com um médico infectologista de sua confiança para te avaliar pessoalmente e te orientar da melhor forma.

  10. Sou médico, 73 anos, sem comorbidades e em 2013 sofri fratura cominutiva do plateau tibial. Na cirurgia colocaram placas e parafusos de titanio. No pós-operatório tardio ( 6 meses) desenvolvi um derrame articular purulento por enterobacter cloacae. O joelho foi drenado mas não foram retiradas as protéses e tratei com antibiob. EV. Fiquei bem até ha 3 dias qdo acordei com o joelho edemaciado, dor, rubor e calor. A proposta é retirar as proteses, curetagem e antibioticos. Essa é a conduta?

    1. Boa noite. Não consigo emitir um parecer sem te examinar. Você precisa se consultar com um médico infectologista de sua confiança para te avaliar pessoalmente e pedir os exames necessários.

  11. Bom dia! Eu tenho 50 anos fiz uma cirurgia de tornozelo a 6 dias não sinto dor só sinto uma coceira e um calor ainda está com edema estou fazendo certinho os procedimentos tomando antibiótico certo gostaria de saber oque pode ser

  12. Tenho 50 anos faz 6 dias q fiz uma cirurgia de tornozelo não sinto dor só muita coceira e tipo um calor oque pode ser eu me sinto bem está um pouco edema está bem sequinho oque pode ser

  13. Doutora, eu fiz uma cirurgia de reconstrução no qual coloquei um enxerto e foi colocada uma placa cirurgica. Infelizmente, eu tive uma infecção no local e a cirurgia abriu expondo o enxerto. Fiz o exame de cultura da secreção deu positivo para Staphylococcus aureus. O médico decidiu retirar a perte do enxerto que estava infectado, limpar o local e trocar a placa. Mas, a infecção voltou. Nesse caso, só vou conseguir tratar a infecção retirando a placa e tomando os antibióticos?

    1. Boa noite. Não consigo emitir um parecer sem te examinar. Sugiro que procure um médico Infectologista de sua confiança para te avaliar pessoalmente, solicitar os exames necessários e indicar melhor opção de tratamento.

  14. Primeiramente, parabéns pelo site, me sanou muitas dúvidas. Há cerca de um ano fiz cirurgia no cérebro para retirada de tumor. Logo depois a isso, começou a sair secreção por um furinho na cicatriz e um ano após cirurgia fui diagnosticada com osteomielite de crânio. Fiz a cirurgia há 3 dias para retirar o osso infectado e estou em casa tomando antibiótico e esperando o resultado da análise. Dra estou com muito medo de não sarar e a osteomielite propagar para outras áreas do meu crânio .

  15. ola doutora quando tinha 15 anos fiz uma pequena serugia no joelho, mas depois de um tempo começou a sair uma agua no outro lado do joelho pelo um buraquinho so que sarou mas as vezes incha toda a pena e da febre e doe muito isso pode ser osteomielite fiz um raio x e deu como possivel osteomielite fiz exame de sangue e del tudo normal pode ser que tenha curado..

  16. Boa tarde dra. Ja tem 1 ano e 8 meses de cirurgia na tibia e fibula e tem uma semana que começou com uma coceira no local da operaçao uma bolinha e depois dor intensa no.local sem poder nem encontar so queria saber se sera uma possivel infeccao???

  17. ola doutora fiz uma pequena serugia no joelho quando tinha 15 anos fiquei bom mas com uns tres anos depois começou a doer e incha o joelho e dava febre ai depois comecou a sair uma agua pelo um orificio proximo de onde foi feito a serugia mas sendo do outro lado do joelho mas ja faz uns 6 anos que sarou e de vez enquanto fica inchado e doe toda perna dando febre isso pode ser osteomielite ?

    1. Para saber se é osteomielite ou não é fundamental a avaliação de um infectologista experiente no assunto e realizar exames de sangue e imagem para a partir daí, definir-se os próximos passos.

  18. Ola doutora ha 20 anos fiz uma serugia no joelho e pouco tempo depois começou a sair uma agua pelo um orifício do outro lado do joelho e doer muito e incha da febre as vezes isso pode ser osteomielite ultimamente doi e estala muito tenho 35 anos e não sei oq é isso já fui no medico ele mandou fazer um raio x e disse que podia ser osteomielite

  19. doutora a um risco de apos fim do ciclo de tratamento de antibiotico por conta de osteomelite crônica, pode ter um biofilme sobre a medula ossea ?
    oque pode ser feito caso ocorra essa situação ?

    1. O biofilme é formado em cima de materiais não biológicos ou biológicos que não possuem irrigação sanguínea (não fazem parte de nosso organismo). SE existir um biofilme, a única forma de eliminar este foco infeccioso é retirando este material.

Deixe uma resposta

Top