Você está aqui
Home > DSTs > Como Fazer o Diagnóstico da Sífilis?

Como Fazer o Diagnóstico da Sífilis?

Infectologista - Como Fazer o Diagnóstico da Sífilis?
Compartilhe

Diagnóstico da Sífilis

Existem 2 tipos de testes para o diagnóstico da sífilis:

  • Testes diretos;
  • Testes imunológicos.

Testes Diretos para a Sífilis

São exames que detectam o Treponema pallidum (bactéria causadora da sífilis) diretamente na lesão, seja ela uma úlcera (sífilis primária), ou lesão de pele (sífilis secundária). Veja mais sobre as fases da Sífilis Aqui.

São exemplos de testes diretos: exame em campo escuro, pesquisa direta com material corado.

Testes Imunológicos para a Sífilis

Este tipo de teste detecta anticorpos que o nosso organismo produz ao entrar em contato com T. pallidumEmbora o tempo para o seu surgimento varie de pessoa a pessoa, geralmente eles já podem ser detectados no sangue 10 dias após o aparecimento da úlcera sifilítica.

Existem 2 tipos de testes imunológicos:

  • Testes não treponêmicos: anticorpos não específicos do treponema;
  • Testes treponêmicos: anticorpos específicos do treponema.

Cada um deles tem um papel importante para o diagnóstico, controle de cura e avaliação de reinfecção, como veremos a seguir.

Testes Não Treponêmicos

Os testes não treponêmicos mais usados são: 

O resultado positivo quantitativo é dado através de titulações que significam diluições (1:2, 1:4, 1:8, 1:16, 1:32 etc).

Não se pode inferir o tempo de infecção e nem gravidade de doenças por estas titulações. Estes testes são ótimos para rastreio e devem ser os primeiros a ser solicitados.

Eles são muito sensíveis, mas por não serem específicos, seu resultado positivo pode ser um falso positivo e por isso, deve ser sempre realizado um teste treponêmico específico confirmatório. Ele também é o teste indicado para controle de cura e avaliação de reinfecção.

Testes Treponêmicos

Detectam anticorpos específicos contra componentes celulares do Treponema, eles são os primeiros a ficar positivos após a primeira infecção, cerca de 7 a 10 dias após a úlcera sifilítica.

Os testes treponêmicos mais usados são:

  • FTA-abs (Teste de anticorpos treponêmicos fluorescentes com absorção);
  • ELISA (Ensaio imunossorvente ligado à enzima), teste de quimioluminescência;
  • Testes de hemaglutinação e aglutinação;
  • Testes rápidos, etc.

Eles são usados para a confirmação diagnóstica quando o teste não treponêmico dá positivo, mas não servem para controle de tratamento nem para diagnóstico de reinfecção pois uma vez positivo, geralmente não voltam a ficar negativos, mesmo que a pessoa esteja curada.

Como Fazer o Diagnóstico da Sífilis?

Controle de Cura Pós Tratamento

Várias pessoas curadas podem chegar a ficar com os testes não treponêmicos negativos. Já a negativação dos testes treponêmicos é bem rara.

Contudo, a maioria das pessoas ficam com uma cicatriz ou memória sorológica (testes não treponêmicos positivos com baixas titulações) e isso deve ser monitorado para se confirmar a cura, para saber definir uma reinfecção caso haja uma reexposição e para confirmar falha terapêutica. O teste de controle deve ser realizado idealmente apenas 3 meses após o término do tratamento.

É indicação de sucesso de tratamento a ocorrência de diminuição dos títulos em torno de duas diluições em três meses, e três diluições em seis meses após a conclusão do tratamento. Por exemplo, quando o título da amostra era de 1:64 e cai para 1:16 no exame de controle pós-tratamento.

A persistência de resultados reagentes com títulos baixos (1:1 – 1:4) durante um ano após o tratamento, quando descartada nova exposição durante o período analisado, indica sucesso do tratamento (cicatriz sorológica).

Falha do Tratamento

Causas:

  • Erro no tratamento;
  • Neurossífilis;
  • Reinfecção.

Erro no Tratamento

O tratamento de primeira escolha para a sífilis é a Penicilina Benzatina. O erro no tratamento pode ocorrer por várias razões:

  • Má adesão do paciente (não pode haver mais que 2 semanas de diferença entre as doses);
  • Erro na escolha do esquema (o esquema preferencial é a Penicilina Benzatina);
  • Erro de dose (a dose deve ser SEMPRE 2 frascos de Penicilina Benzatina, uma em cada nádega);
  • Erro no número de dose (o número da dose depende da fase da doença).

Neurossífilis

Treponema Pallidum resistente a Penicilina é muito raro. Contudo, a Penicilina Benzatina que é primeira escolha para o tratamento, não penetra no sistema nervoso central.

Por isso, quando há  falha terapêutica, deve-se descartar a presença de Sífilis em Sistema Nervoso Central (neurossífilis), através do exame de Liquor.

Reinfecção

Como a sífilis não confere imunidade, quando uma pessoa já curada volta a entrar em contato com o treponema, ela pode se infectar novamente. Pensamos em reinfecção quando:

  • Há uma historia de nova exposição em um paciente previamente tratado;
  • Seus exames apresentam um aumento do título dos testes não treponêmicos em duas ou mais diluições, quando comparado aos resultados anteriores.

Por exemplo,  o título de 1:4 estabilizado pós-tratamento sobe para 1: 16 no exame de controle.

Fontes:

  • Manual do Ministério da Saúde
  • Diagnóstico de Sífilis – CDC

Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

232 thoughts on “Como Fazer o Diagnóstico da Sífilis?

  1. Boa noite, estou com uma pequena ferida no penis que apareceu a uns 5 dias sendo que fiz sexo sem camisinha faz uma semana, como estava com a guia para os exames de DST eu fiz com uma semana do possivel contagio e deu negativo, Devo esperar mais um pouco ou ja teria dado tempo do exame sair positivo?

  2. Olá doutora. Meu filho apareceu uma ferida unica indolor no pênis foi ao urologista no 4 dia .ele receitou benzetacil e passou o vdrl que foi feito com 6 dias do aparecimento da úlcera. A medicação tomada antes de 7 dias interferem nos testes dos resultados dos testes antitreponemicos e dos treponemicos também? Porq queríamos ter a certeza se foi a doença ou não.

  3. Dr tive uma relacao sexo oral com uma pessoa q tem sífilis, apos 62 dias meu exame VDLR deu reagente 1/2. Nesse caso estou infectado?

  4. Olá dr. Minha titulação do VDRL deu 1/8 fiz o tratamento com 6 Benzetacil penicilina durante 3 semanas após 3 meses repetir o tratamento é deu novamente a titulação 1/8 oque pode ter acontecido ?.

  5. Descobri 9/2018 a gravidez e a siflis, fiz os exames 1:64 , realizei o tratamento caiu para 1:32, fui reinfectada para1:64 ,novamente fiz o tratamento caiu 1:32, fiz tratamento caiu 1:16, infelizmente o bebê foi a obto, realizei novamente o tratamento e continua 1:16 fiz todos exames solicitados com fts ABS , desde os últimos tratamento não tenho relação desprotegida. Qual seria o tempo necessário para caiu o valor. O meu último tratamento foi em 06/2019?

  6. Dr. Fiz os segyintes exames e tive os resultados:
    Anticorpos totais específicos Anti-T.pallidum : reagente; CMIA: não reagente; VDRL:nao reagente FTA-ABS IgG : reagente e F5A-ABS IgM: não reagente. Nunca percebi que tive sífilis, nunca fiz tratamento, e estou grávida de 4 meses. O que tudo isso significa e como proceder? Consigo transmitir a doença?

  7. Boa noite. Quem tem hiv e faz o exame VDRL pra sífilis, o resultado vai vim valso positivo, ou não tem nada a ver ..

  8. Doutora,tive sífilis fiz o tratamento com 6 Benzetacil tudo certinho ,de 1,32 baixo para 1,1 hj peguei meu exame após 2 anos e meio q fiz o tratamento e está 1,4 devo me preocupar ? Sei q não tem como eu estar infectada de novo pois eu e meu marido se cuidamos e ele também fez o tratamento junto comigo porém ele negativou ,somente eu continuo reagente .

  9. Doutora eu tava com sifilis mais fiz o tratamento e depois fiz o exame De vdrl e deu negativo..
    Mais tou preoculpada pq pratiquei relacao sexual com meu marido ontem e ele ta infectado e eu tou gravida
    sera que eu peguei De novo a doenca
    So fiz um vez e foi rapido

    1. se ele não tratou a sífilis dele e vocês tiverem relação sem camisinha, há risco de reinfecção e transmissão ao bebê. Por isso o homem deve fazer exame de rastreio e caso positivo, ambos devem tratar e até a c ura comprovada de ambos, ter relações COM preservativo.

  10. Dra, qual o tempo que preciso esperar para fazer um exame VDRL e FTA-ABS, se não tenho nenhuma lesão de sífilis?
    Tive um contato de risco a 14 dias….
    Queria tirar o medo de ter contraído a doença fazendo os exames.

    Muito obrigado

Deixe uma resposta

Top