Você está aqui
Home > Notícias > Carnaval e Infecções sexuais

Carnaval e Infecções sexuais

Last updated on maio 17th, 2018 at 05:28 pm

Carnaval e Infecções sexuais

O cuidado na prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) deve ser o ano todo, mas no período de Carnaval a atenção deve ser redobrada

De acordo a uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde (MS), o uso regular de camisinhas entre a faixa etária de 15 a 24 anos caiu entre os anos de 2004 e 2013.

Entre parceiros eventuais, caiu de 58,4% para 56,6% e entre parceiros fixos, caiu de 38,8% para 34,2%.

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), realizada com adolescentes em todo o país mostraram:

  • 35,6% dos entrevistados não usaram preservativos em sua primeira relação sexual
  • 31,8% dos jovens de 16 e 17 anos não usaram preservativos em sua primeira relação sexual
  • 40% dos jovens entre 13 a 15 anos não usaram preservativos em sua primeira relação sexual

 

Segundo ao Ministério da Saúde, em 2016, foram registrados:

O hábito de não usar camisinha tem impacto direto no aumento de casos de aids entre os jovens.

Números do HIV no Brasil e no mundo

No Brasil se diagnostica em média 18,5 novos casos de HIV a cada ano. Isso representa 40,9 mil casos novos, em média, nos últimos cinco anos.

64 % dos novos casos de HIV na América Latina e no Caribe ocorrem em um dos seguintes grupos ou seus parceiros sexuais:

  • Homens gays
  • Homens que fazem sexo com homens (HSH)
  • Profissionais do sexo
  • Mulheres trans
  • Pessoas que usam drogas injetáveis

Além disso, um terço das novas infecções ocorre em jovens de 15 a 24 anos.

HIV em jovens

No Brasil, o diagnóstico do HIV em jovens tem aumentado entre os anos de 2006 e 2016

Entre jovens de 20 a 24 anos subiu de 14,9 casos por 100 mil habitantes para 22,2

Sendo que entre os jovens de 15 a 19 anos esse índice subiu de 3,0 para 5,4

HIV em homens

Os homens têm menos probabilidade de fazer o teste para o HIV, são menos propensos a buscar o tratamento antirretroviral e têm mais chances de morrer por complicações relacionadas à AIDS do que as mulheres.

Globalmente, menos de metade dos homens que vivem com HIV está em tratamento, em comparação com 60% das mulheres

Diagnóstico do HIV em gestantes

A taxa de detecção de gestantes com HIV no Brasil vem apresentando uma pequena tendência de aumento nos últimos anos.

Este aumento em grande parte se deve ao aumento dos testes distribuídos da rede SUS durante o pré-natal.

Desde 2000, gestantes entre 20 e 24 anos representam o maior número de casos infectadas com HIV (28,4%)

Segundo a escolaridade, a maioria das gestantes infectadas com HIV possui da 5ª à 8ª série incompleta (37,7% dos casos)

Se diagnosticadas cedo, gestantes com HIV podem ter filhos livres do vírus.

Diagnósticos de AIDS

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – AIDS é a fase final da Infecção pelo HIV.

De 1980 a junho de 2017, foram identificados no país 882.810 casos de aids no Brasil.

Nos últimos 5 aos, foram registrados anualmente, 40 mil novos casos de aids no Brasil em média.

Boletim Epidemiológico − MS – Brasil / 2017. Pag 9

Formas de prevenção do HIV

http://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/blind_spot_en.pdf

 

Referência:

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  • 10
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    10
    Shares
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

Faça Aqui sua Pergunta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top