Você está aqui
Home > Notícias > HIV/AIDS > HIV e Nutrição

HIV e Nutrição

Compartilhe

Já é de conhecimento público a importância da boa alimentação para uma vida saudável e longevidade. A boa alimentação melhora a  qualidade de vida geral, fornecendo os nutrientes que o corpo precisa e fortalecendo o sistema imune.

Mas exatamente o que seria uma boa alimentação? E no que esta alimentação adequada pode mudar para uma pessoa que vive com o vírus HIV?

HIV e nutrição: Importância

Para pessoas que vivem com o vírus HIV,  uma alimentação saudável e balanceada ajuda a controlar sintomas e complicações do vírus, além de reduzir os efeitos colaterais das medicações.

Quando falamos de HIV e nutrição precisamos tocar em 2 extremos indesejados:

  • Perda de peso não intencional que pode chegar a anorexia e sarcopenia,
  • Ganho de peso acima do esperado para a pessoa que pode chegar a  acúmulo de gordura visceral e vários outros problemas.

Você Suspeita Estar com Alguma Infecção?

Agende Hoje mesmo uma Consulta com infectologista.

Estas duas situações encontram-se em duas pontas  de uma mesma infecção.

Perda de peso não intencional

A primeira situação equivale a infecção pelo vírus HIV não tratada, com a multiplicação desenfreada do vírus no sangue levando a um estado de grande inflamação com alto gasto energético. O metabolismo basal, ou seja, a quantidade de energia que o corpo necessita para manter-se vivo em estado de repouso é muito maior que o habitual e aumenta quanto maior for a multiplicação do vírus HIV.

Isso não necessariamente tem relação com qualquer sensação de doença. Mas a pessoa pode sim perceber uma perda de peso não intencional que pode inclusive ser um sintoma importante o suficiente para levar a pessoa a procurar ajuda e buscar um diagnóstico.

Além disso, outras situações que costumam vir associadas pioram o problema como quadros de diarreia persistentes ou recorrentes, lipodistrofia, que a alteração do metabolismo das gorduras levando tanto a acúmulo quanto a perda onde não deveria como a  perda da gordura das bochechas que dando uma face de doença bastante importante e a sarcopenia com aumento da perda de massa muscular.

Para outras pessoas esta percepção de doença não é tão clara uma vez que sem perceber no dia a dia ela acaba ingerindo uma quantidade de calorias que compensa o aumento dos gastos equilibrando a quantidade de energia mesmo com um maior catabolismo. 

Ganho de peso após inicio do tratamento

No momento em que o tratamento com antirretrovirais se inicia a carga viral começa a diminuir e com ela os níveis inflamatórios levando a uma diminuição da taxa metabólica basal.

Neste momento, uma pessoa pode passar de um extremo da balança para outro, mesmo sem nenhuma mudança em sua dieta ou na sua rotina diária de exercícios.

É algo parecido com o que ocorre com atletas de alto rendimento quando se aposentam. Por mais que seguem praticando atividade física e que reduzem o consumo energético, muitos ainda acabam consumindo mais energia do que gastam e a conta no final do dia não fecha levando-os a um aumento de peso.

A pessoa vivendo com o vírus HIV que antes parecia saudável ou que estava perdendo peso rapidamente com “cara de doente” começa a ganhar peso sem maiores esforços, até que passa a ser um problema se este aumento de peso não for de massa magra e sim de gordura.

Muitos pacientes acabam por associar este ganho de peso aos antirretrovirais,  especialmente as mulheres, mas a verdade é que por mais que alguns antirretrovirais possam ajudar nisso, o problema maior é na verdade um ganho de saúde. mas obviamente que se esta situação não for bem administrada pode-se acabar trocando um problema por outro, levando ao excesso de peso que a longo prazo também trás inflamação e junto a ela muitas complicações.

Inflamação é uma palavra chave no paciente que vive com o vírus HIV.

Após alcançar a carga viral indetectável de forma sustentada e mantendo o uso dos medicamentos antirretrovirais a infecção passa a se comportar muito mais como uma espécie de diabetes mellitus compensada em termos inflamatórios que com uma doença infecciosa propriamente dita. 

Dito isso, tudo o que não podemos permitir é maiores inflamações, especialmente excesso de peso com aumento de gordura corporal que tanto inflama o nosso corpo. 

Princípios nutricionais básicos para quem vive com o vírus HIV

  1. Comer uma dieta rica em vegetais, frutas, grãos integrais e legumes,
  2. Ingerir fontes de proteína magras e com baixo teor de gordura
  3. Limitar ao máximo doces, refrigerantes e alimentos multiprocessadores ou com adição de açúcar,
  4. Incluir proteínas, carboidratos e um pouco de gordura boa em todas as refeições e lanches

Calorias 

Calorias são a energia dos alimentos que fornecem combustível ao corpo. se você consumir menos calorias do que seu corpo está gastando no dia a dia pode aumentar a perda de massa magra. Isso é um problema com o qual se preocupar ainda mais quando se está tentando perder peso, mas antes de falar sobre a qualidade do que se come vamos falar sobre energia do que comemos:

 Os valores passados a seguir, são uma média. Cada pessoa tem uma taxa metabólica que pode inclusive mudar com a idade e com a rotina de atividade física. o ideal é procurar um médico nutrólogo ou nutricionista para te avaliar, entender suas necessidade e seus objetivos e fazer toda uma programação personalizada para você que inclusive pode  mudar conforme o seu momento de vida

  • Se você quiser MANTER o seu peso
    • consuma diariamente o correspondente a 17 calorias por quilo de peso
  • Se estiver em tratamento de uma INFECÇÃO OPORTUNISTA
    • deve ingerir o correspondente a 20 calorias por quilo de peso por dia.
  • Se você estiver perdendo peso de forma não intencional, e quiser GANHAR peso
    • deve consumir o correspondente a 25 calorias por quilo de peso por dia.

Só que mais importante que saber o número geral de calorias a se consumir no dia, é saber realmente a qualidade do que compõe a dieta. Qual deve ser na porção adequada de cada tipo de alimento.

Porque uma proporção adequada dos tipos de alimentos é importante?

  • Aumentar a massa magra ( associada a uma pratica de atividade física regular)
  • Diminuir acumulo de gorduras,
  • Prevenir doenças crônicas como hipertensão diabetes e dislipidemias ( problemas de colesterol)
  • Combater esteatose hepática ( gordura no fígado),
  • Consumir as vitaminas e sais minerais necessários
  • Manter o equilíbrio do corpo
  • Desinflamar o corpo

Proteínas 

A  Proteína ajuda a construir músculos, órgãos e um sistema imunológico forte. A quantidade média mínima indicada de proteína em um dia, também varia. 

Escolha sempre carne de porco ou boi extra magra, peito de frango sem pele, peixe e laticínios com baixo teor de gordura.

Para obter proteína extra, espalhe manteiga de nozes em frutas, vegetais ou torradas; adicione queijo a molhos, sopas, batatas ou vegetais cozidos no vapor; adicione atum enlatado a saladas ou caçarolas.

Carboidratos

carboidratos simples como doces, bolos, biscoitos ou sorvetes são os maiores vilões das dietas e pró inflamatórios, são extremamente viciantes e por isso difíceis de abandonar para a grande maioria das pessoas. Eles  não ajudam ninguém e devem ser evitados a todo o custo. No entanto, Carboidratos complexos são muito importantes em nossa vida, pois são os responsáveis por nos dar energia.

Coma de cinco a seis porções (cerca de 3 xícaras) de frutas e vegetais todos os dias.

Escolha produtos com uma variedade de cores para obter a mais ampla gama de nutrientes.

Escolha legumes e grãos integrais. Caso não tenha sensibilidade ao glúten coma farinha de trigo integral, aveia e cevada,  Mas se você for intolerante ao glúten, opte por arroz integral, quinoa e batata doce como fontes de amido. Se você é diabético ou pré-diabético ou tem resistência à insulina, a maior parte dos carboidratos deve vir de vegetais.

Gordura 

Muito se fala em gordura como o grande vilão da obesidade central também conhecida como gordura visceral e riscos tromboembólicos como infartos do coração.

No entanto, as gorduras são muito importantes para o nosso corpo fazendo coisas como:

  • Fornecimento de energia extra para nosso corpo,
  • Proteção dos órgãos internos de traumas,
  • Regulação da temperatura corporal,
  • Ajuda na absorção de vitaminas
  • Participam na formação de hormônios.
  • A capa que recobre as células nervosas como uma capa protetora dos fios de eletricidade também são feitos de gordura.

O problema está como sempre na quantidade e na qualidade.

Existem 3 tipos de gorduras:

  • Saturada
    • encontradas em carne gorda, aves com pele, manteiga, laticínios com leite integral e óleos de coco
  • Insaturada
    • Monoinsaturadas 
      • encontradas em nozes, sementes, abacate, peixe , canola e azeites
    • Poliinsaturadas
      • encontradas em óleo de milho gorduras ômega-3 (presentes em peixes gordurosos de alto-mar – como a cavala, o salmão e o atum) e as gorduras ômega-6, presentes nos óleos vegetais
  • Trans.
    • Todos fabricados artificialmente e usados na fabricação de alimentos industrializados fritos e assados:
      • encontradas em bolachas, biscoitos, roscas, batatas fritas, entre outros.

As gorduras trans são as maiores vilãs para nossas veias, o ideal seria realmente não consumi-las, não traz nada de bom e ainda aumenta os níveis de colesterol ruim e abaixa os níveis de colesterol bom.

Qual média de consumo de gordura saudável?

uma média de consumo diário adequado de gorduras saudáveis é de no máximo 30% do total das calorias diárias. Sendo que as Gorduras saturadas devem corresponder a menos de 7% do consumo total de calorias do dia, lembrando que gorduras são muito calóricas, então pequenas quantidades já podem ocupar uma boa parte da cota diária de calorias. 

Vitaminas e sais minerais

Vitaminas e sais minerais regulam todos os processos metabólicos de nosso corpo,  pessoas vivendo com HIV, precisam de dose adicional deles para  ajudar a reparar e curar as células danificadas.

  • Vitamina A e beta-caroteno:
    • vegetais e frutas verdes escuros, amarelos, laranja ou vermelhos; fígado; ovos inteiros; leite
  • Vitamina C:
    • frutas cítricas
  • Vitamina E:
    • vegetais de folhas verdes, amendoim e óleos vegetais
  • Selênio:
    • grãos integrais, nozes, aves, peixes, ovos e manteiga de amendoim
  • Zinco:
    • carne, aves, peixe, feijão, amendoim e leite e outros produtos lácteos

=> Vale pontuar que não existe nenhum estudo comprovando a eficácia na suplementação geral e irrestrita de polivitamínicos. Eu particularmente não gosto deles, mais vale medir as suas vitaminas, avaliar sua rotina de alimentação, características que podem interferir em sua absorção e a partir daí avaliar se existem e quais seriam as vitaminas que valeria a pena suplementar. Muitas vezes esta suplementação será para a vida toda pois terá benefício apenas enquanto ingeri-la, em outras as condições mudam e a suplementação não será mais necessária. 

Injeção de vitaminas são raramente necessários. Eles são indicados principalmente em caso de má absorção como pacientes com histórico de cirurgia bariátricas ou doenças gastrintestinais confirmadas com doença de chron, anemia perniciosa. etc.. De forma geral, a ingestão da vitamina adequada com a dose correta é mais do que suficiente para suprir as necessidades.

 

Fonte

https://www.health.ny.gov/publications/0151.pdf

https://www.webmd.com/hiv-aids/nutrition-hiv-aids-enhancing-quality-life

.


Compartilhe

Não tenha vergonha da HIV!

'Reserve a sua Consulta Hoje.

Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe um comentário

Top