Você está aqui
Home > Infecção Bacteriana > Quando a bactéria na urina não é infecção

Quando a bactéria na urina não é infecção

Infectologista - Quando a bactéria na urina não é infecção
Compartilhe

Quando a bactéria na urina não é infecção

Nem toda bactéria na urina é uma Infecção Urinária.

A urina é normalmente estéril. Ou seja, não possui bactérias.

Contudo, pode ser um bom meio para o crescimento de bactérias que nela chegam. (Veja como as bactérias podem chegar na urina aqui)

Pode aparecer bactéria no exame de cultura de urina por 3 motivos:

Bacteriúria assintomática:

Bacteriúria assintomática é basicamente a presença de bactérias na urina sem sinais ou sintomas de infecção

A incidência de bacteriúria assintomática aumenta de acordo com a idade e gênero:

  • Nas mulheres corresponde a 1% das garotas jovens e mais de 20% nas idosas acima de 80 anos
  • Em homens maiores de 75 anos, a incidência varia de 6 a 15%

Fatores que aumentam a incidência de bacteriúria assintomática:

  • Idade avançada
  • Diabetes mellitus
  • Uso de Sonda vesical de demora (aumenta também o risco de infecção)

Como diagnosticar uma bacteriúria assintomática?

  • Pessoa sem sinais ou sintomas de infecção do trato urinário. Veja quais são eles aqui.
  • Amostra de urina coletada de forma adequada (ver abaixo)
  • ≥ 100.000 UFC/ml (Maior ou igual a 100.0000 Unidades Formadora de Colônia por mililitro)
  • 2 resultados consecutivos de amostras diferentes com identificação do mesmo agente em mulheres ou 1 único resultado positivo em homens.
  • Para urina coletada via sonda vesical, é apenas 1 coleta com mais de 100 UFC/ml, tanto para mulheres quanto para homens
  • A pessoa não pode apresentar nenhum sinal ou sintoma sugestivo de infecção urinária.
  • A presença de piúria (leucócitos ou glóbulos brancos na urina ≥10 leucócitos/mm³) não confirma bactéria na urina.
  • 60% das amostras de urina em idosos podem apresentar piuria sem ter bactéria.
  • As causas de piúria devem ser investigadas, mas se não há bactéria, o tratamento não será com antibiótico.

As bactérias presentes em bacteriúrias assintomáticas, são cepas menos patogênicas e podem ficar muito tempo sem produzir infecção.

Elas acabam funcionando então como protetoras contra infecções por microrganismo mãos invasivos

Quando tratar bacteriúria assintomática:

  • Gestantes
  • Intervenções urológicas como exames urológicos invasivos
  • Pacientes na fila de transplante renal

 

Quando NÃO tratar a bacteriúria assintomática:

  • Não tratar mulheres jovens não gestantes
  • Não tratar pacientes com diabetes
  • Não tratar pacientes com lesões de coluna
  • Não tratar pacientes com cateteres vesicais permanentes
  • Idosos
  • Não tratar pacientes com prótese ortopédicas
  • Não tratar pacientes que vivem em casa de repouso

Bacteriúria assintomática sem tratamento não está associada a aumento de mortalidade ou outras complicações como doença renal crônica

Tratar bacteriúria assintomática não previne o aparecimento de infecção urinária

 

A importância de se coletar a urina adequadamente:

coleta-de-urina-adequada

  • Uma coleta adequada da urina é fundamental para que possamos confiar em seu resultado
  • Uma amostra contaminada pode facilitar o aparecimento de bactérias que não se encontram no trato urinário.
  • Bactérias contaminantes pode levar a um tratamento errado ou desnecessário.

Como deve ser feita a coleta de urina para evitar contaminação:

  • Idealmente deve ser coletada a primeira urina da manhã ou 2 horas após a última micção.
  • Utilizar o frasquinho fornecido pelo laboratório que deve estar limpo e retirado da embalagem apenas no momento da coleta
  • Fazer uma higiene íntima rigorosa ainda em casa, usando sabonete e água
  • Enxaguar bem com água abundante e secar bem com uma toalha limpa.
  • Separar os pequenos labios com os dedos antes de começar a urinar para o jato não encostar na pele.
  • Desprezar o primeiro jato da urina no vaso sanitário
  • Coletar o jato médio direto no frasco ( até a metade do frasco)
  • Desprezar o restante da micção no vaso sanitário.
  • Caso não seja possível garantir a adequada higienização para coleta da urina, ela deverá ser coletada por passagem de sonde vesical
  • A amostra deve ser coletada preferencialmente já no laboratório
  • Caso seja coletada em casa, deve-se levar ao laboratório o mais rápido possível ou guardar a amostra na geladeira.

Fonte:


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

73 thoughts on “Quando a bactéria na urina não é infecção

  1. Olá Dra. fiz meu primeiro exame Urina tipo 1 e deu hemoglobina presente, hemácias presente e leucócitos em 581 mil (assintomático) refiz o exame e baixou um pouco, o médico prescreveu levofloxacino por 7 dias e refiz o exame a ainda assim deu 14 mil de leucócitos quando a referência é 10 mil, a urocultura ainda não saiu o resultado, porém o antibiótico já acabou, corro o risco da infecção voltar?

  2. Boa noite! Comecei o antibiótico fasem 3 dias e os sintomas de ardência e cólica ainda não passaram. Hoje peguei o resultado da cultura deu superior a 100mil para E.Coli. Devo consultar com o urologista denovo? Já tive pielonefrite a 3 anos, posso voltar a ter com mais facilidade do que alguém que nunca teve?

    1. só pelo fato de ter tido pielonefrite não aumenta as chances de ter uma outra. Você precisa levar seu resultado para um médico avaliar se a bactéria é sensível ao tratamento feito. além disso, novo exame pós tratamento é importante para confirmar a resolução da infecção.

  3. Olá estou grávida e meu exame de urina deu aproximadamente 100.000 UFC para klebsiella pneumoniae, será que estou infectada não tenho nenhum sintoma.

  4. Dra. Leio muitos comentários seus dizendo que a colonização de bactéria sem infecção , não quer dizer que deva ser tratada. Bem, meu filho está com 30 mil ufc/ml no exame dele de urina. Se ele não tratar, pois não há sintomas de infecção, como as bactérias vão “desaparecer” a tendência não é aumentar a proliferação sem um tratamento? Ou elas simplesmente continuaram ali?

  5. Ao ler o título, e antes de ver o conteúdo, a impressão que tive, principalmente ao mencionar 100mil colônias é que a conclusão que se chegaria é que abaixo de 100mil não há necessidade de tratamento. Enfim, isso procede, ou depende da bactéria? Já ouvi relato de urologista que menos do que essa quantidade não precisa de antibiótico. No caso especifico foi staphiloccoccus sp.

  6. Estou bactéria kebsiella pneu Colônia 60.000
    Só que n exames de urina e sangue estão normais, nada de infecção.
    Você acha que é bom fazer outro exame?
    Ou à perigo De não ter apresentado infecção

  7. Dr minha filha tem infecção urinária desde os 10 meses com vários tipos de bactérias, hj ela esta com 8 anos já fez urodinamica, cistografia…enfim não tem nada na parte fisiológica, ficou um bom tempo sem ter infecção, mas já faz 1 ano q ela está com a e.coli e nenhum antibiótico parece fazer efeito.na urucultura da 100.ooo colônias e ela sente ardor ,o q posso fazer ao i ver de tratar com urologista trato disso com infectologista? Obrigada

  8. Bom dia,
    meu exame de urina deu:
    20.000 UFC/mL
    Klebsiella pneumoniae “grupo”

    Estou preocupada. É perigoso? O que devo fazer?

    Obrigada.

    1. Você precisa levar o seu exame para um infectologista de confiança. assim ele não apenas interpretará o exame como te avaliará pessoalmente e tomará a conduta pertinente específica para o seu caso.

  9. Boa noite dr. Queria saber a um ano tive aborto espontáneo eu tinha escheria coli na urina. Depois fiz tratamento com antibióticos de 5mes ai fiz um novo inzame. Deu que tem ainda a Bacteria escheria coli, oque vc me endica?

    1. Essa condição não é critério para tratamento de bactéria na urina caso não esteja apresentando sintomas de infecção.
      Sugiro que consulte um médico infectologista de sua confiança, para primeiramente avaliar a causa dessa colonização e avaliar a necessidade de tratamento. Na maioria das vezes, bactérias que não estão causando infecções não devem ser tratadas. Isso deve ser avaliado junto ao médico se é o caso dela.

    1. Todo e qualquer resultado de exame deve ser interpretado pelo médico do paciente que considerará não apenas um exame. mas vários outros além da clinica do paciente. (seus sintomas e estado de saúde).

Deixe uma resposta

Top