Você está aqui
Home > Infecção Bacteriana > Exame de Cultura – Para que Serve?

Exame de Cultura – Para que Serve?

Exame de Cultura
Compartilhe

Exame de Cultura. O termo “cultura” na área médica se refere a uma das técnicas mais utilizadas para confirmar o diagnóstico, identificar o agente causal e guiar tratamentos das mais diversas infecções.

Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre para que serve o exame de cultura, sua importância e métodos utilizados para a coleta.

A Cultura

A cultura é um exame utilizado por profissionais que necessitam confirmar a presença de micro-organismos vivos nos mais diversos locais. Ao cultivar as colônias em ambiente controlado, fica mais fácil identificar não apenas o nome dos micro-organismos como também outras individualidades como o seu perfil de sensibilidade

Existem diversos meios de culturas, nos mais diferentes estados como por exemplo, líquido e gaseificado, para os mais diferentes micro-organismos e que podem ser feitos a partir dos mais diferentes tipos de materiais. A escolha do método de cultura pode variar de acordo com a utilização ou composição presente no material analisado.

Exame de Cultura

Os exames de cultura na prática médica tem como finalidade identificar com precisão algum agente causador de um determinado problema no organismo humano. Quando realizados juntamente com o perfil de sensibilidade, ajudam a determinar quais medicamentos podem ser eficazes para combatê-los.

A cultura pode ser realizada a partir de amostras de sangue, pele, urina, fezes, secreção ou qualquer outro material presente no corpo da pessoa doente onde a infecção possa estar localizada. Após retirar a amostra, ela deve ser depositada em local próprio para aquele material e tipo de cultura enviada rapidamente para ser analisada por um profissional capacitado que irá cultivar essa amostra pelo tempo necessário para o crescimento de colônias do micro-organismo.

As Amostras

A localização de onde será coletada a amostra pode influenciar diretamente no tipo de cultura para o diagnóstico da condição.

A coleta do material é um momento muito sensível e deve ser feita de forma adequada para não acabar contaminando a amostra ou sendo feito a partir de locais que longe de determinar o verdadeiro agente causador pode atrapalhar a escolha do tratamento ao desviar as atenções para agentes que não estão causando a infecção de fato.

Outra coisa importante é o momento da coleta. Idealmente ela deve ser feita ANTES do início do tratamento antibiótico pois a principal causa de resultados de cultura falso negativos, ou seja, a cultura não isola nenhum agente mesmo em vigência de infecção é o uso recente ou concomitante de antibióticos. Mesmo que não sejam os mais indicados para o tratamento daquela infecção

Alguns exemplo de material muito utilizados na prática clínica são:

Cultura da Garganta

Um profissional capacitado utiliza um tipo de haste flexível especial para coletar uma amostra salivar da parte de trás da garganta e das amígdalas. Geralmente é utilizado para descartar ou diagnosticar quadros de faringite estreptocócica.

Cultura de Escarro

Ao contrário do que muitos pensam, o escarro é uma substância diferente do cuspe ou saliva. O muco espesso é expelido dos pulmões, geralmente ao tossir. Em alguns casos, a amostra é colocada em um copo especial após o paciente expeli-lo, no entanto em outros casos é necessário a realização de uma broncoscopia, procedimento que utiliza a inserção de um tubo flexível por meio do nariz ou boca até os pulmões.

Essa cultura pode ser decisiva para ajudar no diagnóstico de infecções fúngicas e bacterianas que acometem o trato respiratório de uma pessoa como por exemplo a pneumonia bacteriana, bronquiectasia, histoplasmose e tuberculose.

Cultura de Urina e Fezes

Com certeza você já realizou esse tipo de cultura alguma vez na vida. A coleta de urina ou fezes é realizada em potes estéreis podendo ser em casa ou em um ambiente hospitalar. Esse tipo de abordagem é muito utilizada para identificar bactérias que possam causar infecções urinárias, intoxicação alimentar e outras doenças digestivas.

Cultura de secreção

Para o tratamento de focos infecciosos fechados como abscessos ou outros tipos de coleções, muitas vezes não basta o tratamento antibiótico adequado. É necessário a drenagem da coleção. Este procedimento faz parte do tratamento curativo como eliminação mecânica de foco infeccioso e da identificação do agente etiológico, fundamental para guiar a escolha do esquema antibiótico mais adequado. A coleta desse material geralmente é feita por profissional médico através de uma seringa após adequada assepsia do local. Dependendo do local pode ser guiada por exame de imagem como Ultrassonografia ou tomografia.

Profissionais de saúde não médicos podem estar capacitados para a coleta de secreção para culturas em algumas situações, como no caso de secreção uretral no qual o exame é realizado a partir de swab (haste parecendo cotonete), ou mesmo feridas fechadas com saída de secreção nas quais a coleta deve ser feita com preferencialmente com seringa, pois a amostra deve ser coleta de dentro, sem ter tido contato com a parte externa da ferida.

Cultura de Sangue

Realizada a partir de uma amostra sanguínea retirada geralmente das veias através de punções realizadas diretamente na pele ou de cateteres previamente inseridos nas veias, a cultura de sangue é capaz de gerar informações sobre infecções de várias etiologias presentes na corrente sanguínea de uma pessoa.

Os Resultados

O tempo para obtenção dos resultados varia de alguns dias a várias semanas e depende do meio de cultura utilizado e tipo de micro-organismo que se pretende encontrar.

É como plantar uma semente na terra e esperar germinar e crescer.

Alguns laboratórios que utilizam técnicas mais modernas de culturas, para alguns micro-organismos conseguem ter o resultado parcial mais rápido que a média.

Nos resultados parciais, podemos ter o nome do grupo ou família do micro-organismo ou mesmo nome e sobrenome dele, mas ainda não temos o perfil de sensibilidade.

Até o total fechamento da cultura ainda podem ser isolados outros agentes. Ou seja, é possível haver mais de 1 agente causador da infecção

Uma vez que se consegue isolar o agente é questão de tempo até termos o perfil de sensibilidade que nos dará uma relação dos antimicrobianos aos quais esse micro-organismo é sensível ou resistente.

A partir daí, o esquema de tratamento pode ser ajustado.

Resultados Falso negativos

Culturas negativas de maneira alguma são capazes de descartar o diagnóstico de infecção.

Todo mundo que já tentou praticar jardinagem ou mesmo plantar alguma outra coisa, sabe que muitas vezes aquela semente não se desenvolve sem nem conseguirmos identificar o motivo. E isso não significa que não plantamos a semente ali.

Da mesma forma existe uma série de questões que podem atrapalhar os resultados da cultura. A mais comum delas é o uso de antibióticos recente ou mesmo no momento da coleta da amostra.

Quando não temos um resultado positivo da cultura, precisamos seguir com o tratamento empírico e avaliar o esquema conforme a resposta terapêutica.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top