Você está aqui
Home > Vídeos > Infecções urinarias > Cistite Intersticial ou Síndrome da Bexiga Dolorosa

Cistite Intersticial ou Síndrome da Bexiga Dolorosa

Cistite Intersticial
Compartilhe

Cistite Intersticial. Sensibilidade na região inferior do abdome e pélvis são frequentemente associados a condições como a infecção urinária. No entanto, existem outras doenças responsáveis por afetar a mesma região e causar sintomas parecidos, tornando um pouco mais difícil estabelecer um diagnóstico assertivo sem a utilização de alguns exames físicos.

A chamada Cistite intersticial, por exemplo, é uma condição crônica que causa ao paciente sintomas urinários dolorosos. Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre o que é essa condição, seus sintomas e meios de tratamento.

O Que É Cistite Intersticial

A Cistite Intersticial, também chamada de síndrome da bexiga dolorosa, é uma doença crônica, ou seja, de longa duração, que habitualmente é confundida com quadros de infecção urinária ou infecção urinária de repetição.

Apesar de não apresentar nenhum tipo de bactéria na urocultura, a condição leva a um quadro de disúria ou dor abdominal que não melhora nem com a ajuda de medicamentos antibióticos.

O Que Causa a Cistite Intersticial

Fatores agressores como substâncias tóxicas da urina, ou as células de defesa do próprio corpo, no caso de doenças auto-imunes, causam uma irritação ou inflamação na parede da bexiga, com a formação de cicatriz, espessamento e até pontos de sangramento.

Tudo isso provoca um espessamento da parede, diminuindo a capacidade de armazenamento de urina. As mulheres com mais de 40 anos são as mais afetadas, com 90% dos casos.

Principais Sintomas da Cistite Intersticial

Os sintomas dessa condição podem se iniciar após um evento de infecção urinária, trauma sacral, procedimento urológico ou sem um gatilho definido, sendo que os principais são:

  • Os sintomas em geral começam de forma discreta e vão piorando ao longo do tempo (semanas ou meses);
  • Urinar várias vezes ao dia (em média 8 vezes, mas em casos mais severos pode chegar a 60);
  • Urinar várias vezes a noite;
  • Urgência miccional;
  • Disúria (Dor para urinar);
  • Dor no canal da urina;
  • Dor no baixo ventre (suprapúbica) que pode variar de leve até incapacitante;
  • Sensação de pressão ou sensibilidade aumentada ao redor do ânus e genitais;
  • Dispareunia (dor durante o ato sexual);
  • Desconforto ou dor no pênis e/ou testículos;
  • Dor crônica em vulva;
  • Hematúria (sangue na urina);
  • Os sintomas podem piorar durante a menstruação.

O que pode piorar os sintomas:

  • Bebida alcoólica;
  • Bebidas gasosas;
  • Alimentos ácidos (laranja, limão, abacaxi, etc);
  • Café;
  • Chá preto;
  • Adoçante artificial;
  • Pimenta;
  • Relações sexuais;
  • Ficar muito tempo sentado;
  • Atividade física;
  • Estresse.

As Complicações

O atraso no diagnóstico pode levar a outros problemas não diretamente relacionados:

  • Perda da qualidade de vida;
  • Problemas conjugais;
  • Depressão;
  • Estresse;
  • Insônia;
  • Sonolência durante o dia;
  • Cansaço excessivo;
  • Baixa produtividade;
  • Baixa da imunidade;
  • Uso excessivo de antibióticos que podem levar ao aumento dos efeitos colaterais e infecções vaginais e urinárias por fungos.

O Diagnóstico

Apesar de não haver exames clínicos confirmatórios para a cistite intersticial, o diagnóstico da condição é feito através de uma história clínica sugestiva e exclusão de outras causas a partir de exames como:

  • Urina 1 (ou de rotina);
  • Cultura da urina (Urocultura);
  • Estudos urodinâmicos;
  • Cistoscopia.

Condições Associadas à Doença

Quadro clínico sugestivo de cistite intersticial em pessoas que já possuem os diagnósticos abaixo, tornam o diagnóstico ainda mais provável.

  • Endometriose;
  • Síndrome do intestino irritável;
  • Fibromialgia;

Como É Feito o Tratamento

Existem três vertentes de tratamento para a cistite intersticial, sendo elas:

  • Conservadores não invasivos;
  • Invasivos;
  • Cirúrgicos.

Tratamento Conservadores não invasivos

  • Acompanhamento psicológico;
  • Tratamento da depressão e/ou ansiedade;
  • Mudança de estilo de vida (evitando fatores que pioram os sintomas);
  • Reabilitação física;
  • Analgésicos;
  • Anti-inflamatórios;
  • Anti-histamínicos (hidroxizine);
  • Amitriptilina;
  • Pentosan;
  • Ciclosporina;
  • Sildenafil.

Tratamento invasivo (intra-vesical)

  • Dimetil sulfóxido (DMSO);
  • BCG;
  • Ácido hialurônico.

Tratamento cirúrgico

  • Aplicação de Toxina botulínica;
  • Hidrodistensão;
  • Derivação urinária;
  • Neuromodulação sacral;
  • Cistoplastia para aumento vesical.

O que fazer para melhorar os sintomas

Após o diagnóstico e o início do tratamento, algumas medidas extras podem ajudar a melhorar os sintomas causados pela cistite intersticial, tais como evitar o consumo de alimentos ou bebidas que pioram o quadro, ingerir muita água e urinar várias vezes ao dia, sempre que sentir vontade.

Para mais informações sobre o diagnóstico e tratamento de infecções que afetam o trato urinário, busque ajuda de seu médico infectologista de confiança.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 1 de abr de 2017 e Atualizado em: 5 de julho de 2022


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

14 thoughts on “Cistite Intersticial ou Síndrome da Bexiga Dolorosa

    1. Sim, é uma das causas mais frequentes para sangue na urina.
      Você precisa se consultar com um médico infectologista de sua confiança para te avaliar pessoalmente e pedir os exames necessários.

  1. tenho cistite intersticial ha 7 anos minha vida mudou para pior . ja fui em varios medicos do rio de janeiro e minas gerais.tem dia que eu quero morrer..meu casamento minha vida social a cabou.pois virei prisioneira dentro da minha casa a te remedios importados ja tomei .e nada..me ajude por favor….

  2. Dra Keilla, quem tem cistite intersticial vai sentir urgência urinária todos os dias, para o resto da vida? Ou existem períodos em que a pessoa está normal, urinando normalmente, sem essa urgência?

  3. Olá. Sofro com esse problema a uns 15 anos ja ..estou correndo em.medicos tds esses anos …e nao aparece nada nos exames de sangue…..cultura…ecografia ….tenho milhares de exames estou exausta de td isso…nunca ta nada …e a cada dia esta piorando mais …hj estou limitada pq a dor e terrivel dor pelvica …ardencia na uretra na vagina ….dores lombar sangue Na urina ….peso pressão….dores…medicos dizem que nao tenho nada ..que estou loUca …..preciso de ajuda ……estou

    1. Cris procura no Facebook cistite intersticial tem muitas pessoas relatando experiências que poderão te ajudar. Cuida da alimentação que ajuda muito. Outro fator e o emocional.

  4. Vocês poderiam acrescentar que glúten e lactose pioram muito também os sintomas dos portadores de CI.
    Depois de 3 anos sofrendo de CI. 1 ano e 2 meses para ter diagnóstico e depois de tentar tirar alimentos ácidos e ainda assim não ter sucesso. Encontrei um grupo no facebook que orienta experimentar tirar o glúten e lactose estou melhor. Tive muitas recaídas, pois não é fácil, mas a alimentação funcional é uma boa opção.

    1. Com certeza. Eu praticamente me curei dessa doença indo numa boa nutricionista funcional. Tomo probiotico, zero glúten, zero açúcar e zero leite e derivados. Muita, fruta, verdura, raízes. Infelizmente os médicos pouco falam da alimentação. Essa CI nada mais é do que um corpo mega inflamado, um intestino cheio de bactérias ruins, microbiota destruída.

Deixe uma resposta

Top