Você está aqui
Home > Notícias > Coronavírus > Variante Delta do Coronavírus – Compreenda os Motivos para a Preocupação

Variante Delta do Coronavírus – Compreenda os Motivos para a Preocupação

Variante Delta do Coronavírus
Compartilhe

Variante Delta do Coronavírus. Apesar da pandemia do novo coronavírus começar a ser controlada em alguns países, o surgimento de novas variantes acende um novo sinal de alerta para a população. Nomeada como delta, a cepa indiana tem se tornado cada vez mais dominante.

Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre a variante delta do coronavírus e por qual motivo devemos nos preocupar com sua circulação.

Coronavírus

Desde o final de 2019, o mundo vem enfrentando casos de covid-19, uma condição que afeta principalmente o sistema respiratório e tem feito milhares de vítimas fatais diariamente.

Tosse, febre, dificuldade respiratória, dores de cabeça, sensação de fraqueza generalizada, dor de garganta e perda de olfato e/ou paladar podem estar presentes nos quadros mais leves da condição.

Você Suspeita Estar com Alguma Infecção?

Agende Hoje mesmo uma Consulta com infectologista.

Nos casos mais graves, os pacientes podem desenvolver complicações respiratórias e cardíacas como pneumonia, síndrome respiratória aguda, arritmias e lesões cardíacas, infarto e paradas cardíacas. Além disso, infecções secundárias, sepse, insuficiência renal e falência múltipla de sistemas podem levar o paciente a óbito.

Variantes

Com as transmissões feitas por meio de partículas de saliva ou gotículas em superfícies infectadas, o vírus original da covid-19 pode se modificar e tornar-se mais perigoso. Um exemplo disso é a cepa originada no Reino Unido com aproximadamente 70% a mais de transmissibilidade do que o vírus encontrado na China.

Não só o Sars-CoV-2 (vírus causador da COVID-19) mas todos os outros vírus, podem apresentar mutações com o passar do tempo, é o que diz a Organização Mundial da Saúde. Além disso, estima-se que no brasil haja mais de 20 variantes com pequenas diferenças genéticas do novo coronavírus circulando pelos diversos estados.

Variante Delta do Coronavírus

A variante Delta teve origem na Índia e está presente em mais de 10 países, incluindo o Brasil. A nova cepa apresenta múltiplas mutações genéticas capazes de tornar o vírus mais perigoso.

Estados como Maranhão, Rio de Janeiro, Paraná, Goiás, Minas Gerais, Pernambuco e São Paulo já registraram casos de covid-19 desencadeados pela variante indiana. Os pacientes acometidos pela condição descreverem os sintomas como os de um resfriado comum. Febre, coriza, dor de cabeça e garganta foram os mais citados. Já a tosse e a perda de olfato e/ou paladar tiveram menor ocorrência.

Por que devemos nos Preocupar?

Desde que migrou para diversos países, a variante Delta vem sendo estudada constantemente por pesquisadores. A cepa foi considerada a variante mais transmissível do novo coronavírus chegando a ser de 50% a 100% de maior transmissibilidade do que as primeiras cepas descobertas no país.

Segundo dados da OMS, a variante indiana torna-se mais perigosa pela possibilidade de gerar uma reinfecção em pacientes que já tiveram a doença. As mutações na região do genoma, responsável pela produção da proteína spike, tornam o vírus mais transmissível.

Devo me Vacinar Mesmo Assim?

Por ser relativamente nova, a variante Delta tem feito muitas pessoas questionarem a eficácia das vacinas. No entanto, todas as vacinas disponíveis para a população brasileira são capazes de reduzir os casos mais graves de covid-19 também causados pela variante indiana.

Com exceção da Janssen, todos os outros imunizantes precisam da aplicação da segunda dose para completarem a proteção adequada contra o vírus.

Os cuidados tomados para evitar o contágio da variante delta permanecem sendo os mesmos já praticados anteriormente. Higienizar as mãos com frequência, manter o distanciamento social de 1,5M e usar máscaras faciais para a proteção das vias respiratórias devem continuar sendo parte da nossa rotina.


Compartilhe

Não tenha vergonha do HIV!

'Reserve a sua Consulta Hoje.

Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe um comentário

Top