Você está aqui
Home > Coronavírus > Variantes do Coronavírus: O que Muda? Precisamos nos Preocupar?

Variantes do Coronavírus: O que Muda? Precisamos nos Preocupar?

Variantes do Coronavírus
Compartilhe

Variantes do Coronavírus. Atualmente, diversas notícias sobre uma nova variante do coronavírus têm circulado na mídia. Muitos estudiosos se viram preocupados com a situação atual da pandemia, uma vez que mutações de vírus costumam se tornar mais agressivas.

Localizada pela primeira vez no sudeste da Inglaterra, a nova variante do coronavírus chamada de B.1.1.7 carrega aproximadamente 17 mutações em seu código genético. Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre essa nova variante e se devemos ou não nos preocuparmos.

Variantes do Coronavírus

Conhecida como Covid-19 ou novo coronavírus, a doença que causa problemas respiratórios foi descoberta no final do ano de 2019 na China e já afetou mais de 3 milhões de pessoas no mundo todo.

Sua transmissão se dá por meio de gotículas de saliva contaminadas expelidas por espirros, tosse ou fala. Uma pessoa que porte o vírus pode disseminá-lo para até três pessoas segundo estudos de virulência.

Sintomas do Novo Coronavírus

A COVID-19, também conhecida como o novo Coronavírus, não apresenta apenas um sintoma específico e sim um conjunto de fatores que associados podem ser fundamentais para o diagnóstico positivo da condição. As principais manifestações da infecção são a tosse seca e persistente, acompanhada de febre alta e cansaço extremo.

Além dos fatores citados acima, foram observados em diversos pacientes, ao redor do mundo, outros sintomas como:

  • Tremores,
  • Calafrios,
  • Dores musculares,
  • Dor de cabeça,
  • Dor de garganta,
  • Diarreia,
  • Perda de olfato e/ou paladar.

Além dos sintomas gripais comuns como congestão, coriza e falta de ar.

A Nova Mutação

Levando em consideração os perfis mutacionais e os avanços dos casos de Covid no Reino Unido, autoridades locais estimam que a nova variante pode ser até 70% mais transmissível do que a versão original do vírus encontrado na China. Por não serem dados concretos, ainda não é possível confirmar a velocidade dessa transmissão.

A Organização Mundial da Saúde, também conhecida como OMS, alerta que todos os vírus, incluindo o Sars-CoV-2 (Covid-19), podem sofrer mutações com o passar do tempo. Estima-se que somente no Brasil existam outras 20 variações do novo coronavírus circulando com pequenas diferenças genéticas entre elas.

A Vacina

O maior medo das pessoas em relação a nova mutação é em função das vacinas que já estão sendo produzidas e são eficazes contra os primeiros históricos do vírus. Segundo estudiosos da área, as alterações do novo coronavírus não parecem ser tão importantes a ponto de exigir uma nova revisão das vacinas, no entanto, deve ser mantido um monitoramento para assegurar que a decisão permaneça a mesma.

O Governo Brasileiro possui três acordos de compra de vacinas que juntos garantem mais de 300 milhões de doses de imunização ao longo deste ano de 2021. Sendo que destas, 102,4 milhões são pertencentes à vacina Fiocruz (AstraZeneca) que serão entregues até julho deste ano, somadas a outras 110 milhões de doses previstas para o segundo semestre que serão fabricadas diretamente no Brasil. A CoronaVac e o consórcio internacional Covax Facility completam a lista de compras do Brasil.

Mais Informações sobre Variantes do Coronavírus na Internet:

Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top