Você está aqui
Home > Vídeos > Vacinas > Quando os adultos devem ser vacinados

Quando os adultos devem ser vacinados

Quando os adultos devem ser vacinados
Compartilhe
  • 13
    Shares

Quando os adultos devem ser vacinados?

Esta é uma pergunta que não passa pela cabeça da maiorias das pessoas, pois associa-se muito a vacinação a crianças
Quando muito sabe-se que algumas vezes, os adultos precisam tomar a vacina contra a gripe e contra a Febre Amarela. Mas a vacinação dos adultos vai muito além disso.

A vacina da hepatite B, por exemplo, que hoje já faze parte do calendário vacinal das crianças, há alguns anos atrás era dada apenas para adultos com risco aumentado de infecção por esse vírus, como os trabalhadores da área da saúde.

Com isso temos hoje muitos adultos suscetíveis a infecção, e muitos adultos já infectados.
Qualquer adulto que nunca recebeu a vacina da hepatite B e nunca teve contato com vírus deve tomar a vacinas
Além disso existem situações especiais nas quais uma pessoa pode ter uma condição que a deixa mais suscetível ao risco de infecção ou ao risco de desenvolver complicações caso se infecte.

Nestas situações, outras vacinas que não são usadas para a população em geral, devem ser indicadas.

Algumas oportunidades de completar o calendário vacinal do adulto não podem ser desperdiçadas:

Todo o adulto pode procurar o médico infectologista para avaliar quais as vacinas estão indicadas para a sua situação.

 


Compartilhe
  • 13
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top