Você está aqui
Home > Medicina Tropical > Leishmaniose Visceral

Leishmaniose Visceral

Infectologista - Leishmaniose Visceral
Compartilhe

Trata-se de uma zoonose, doença infecciosa que afeta principalmente os animais e o homem é um hospedeiro acidental.

É uma doença grave e o atraso no diagnóstico e tratamento aumenta as chances de morte.

É endêmica em 65 países e, no continente americano, está descrita em pelo menos 12.

Dos casos registrados na América Latina, 90% ocorrem no Brasil.

A doença pode ocorrer como infecção oportunista em pacientes com aids, contudo, não é preciso ter HIV para adoecer

Quem causa

Protozoários Leishmania chagasi

Como se transmite?

A Leishmaniose não se transmite de pessoa para pessoa.

Para que ocorra a transmissão é necessária uma cadeia.

A transmissão ocorre através da picada de insetos transmissores infectados.

Vetores

Os vetores  transmissores da Leishmaniose são mosquitos flebotomíneos conhecidos como mosquito-palha, tatuquira, birigui, entre outros

Hospedeiros

Os reservatórios da Leishmaniose são os animais que permitem a manutenção e circulação do parasita na natureza.

A principal fonte de infecção na área urbana é o cachorro.

Já no ambiente silvestre as fontes são as raposas e os marsupiais

Fatores que aumentam o risco de morte

  • Pessoa portadora de HIV/AIDS
  • Menores que 1 ano
  • Maiores que 40 anos
  • Dispneia (falta de ar)
  • Icterícia (pele amarelada)
  • Queda das plaquetas no sangue
  • Sangramentos
  • Sepse (infecção generalizada)
  • Necessidade de hemotransfusões
  • Desnutrição grave
  • Infecção bacteriana associada
  • Presença de diarreia e vômitos
  • Edema (inchaço no corpo)
  • Febre há mais de 60 dias
  • Piora da função renal
  • Lesão hepática importante

Período de incubação

10 dias a 24 meses, com média entre 2 a 6 meses.

Sintomas

A Leishmania se multiplica dentro dos macrófagos, células importantes no nosso sistema imune.

Assim os macrófagos vão sendo destruídos enfraquecendo a imunidade do doente

Grande parte dos infectados não apresentam sintomas da doença

Período inicial

  • Sem comprometimento do estado geral
  • Febre com duração inferior a quatro semanas
  • Palidez cutâneo-mucosa
  • Hepatoesplenomegalia discreta
  • Diarreia
  • Tosse seca
  • Anemia discreta

Período de estado

  • Quadro arrastado com mais de 2 meses de evolução
  • Comprometimento do estado geral
  • Febre irregular associada a emagrecimento progressivo
  • Palidez cutâneo-mucosa
  • Aumento da Hepatoesplenomegalia
  • Anemia, trombocitopenia (queda de plaquetas) e leucopenia (células brancas)

Período final

  • Febre contínua
  • Comprometimento mais intenso do estado geral
  • Desnutrição (cabelos quebradiços, cílios alongados e pele seca)
  • Edema (inchaço) dos membros inferiores que pode evoluir para anasarca (edema generalizado)
  • Sangramentos (epistaxe – sangramento do nariz, gengivorragia – sangramento da gengiva e petéquias – manchas na pele por sangramento dos pequenos vasos sanguíneos)
  • Icterícia (pele e olhos amarelados)
  • Ascite (água no abdome)

Diagnóstico

  • Testes sorológicos (como imunofluorescência indireta-IFI ou e Ensaio Imunoenzimático – ELISA)
  • Intradermorreação de Montenegro reativa – IDRM
  • Aspirado de medula óssea, baço, fígado ou linfonodos mostrando a presença do parasita
  • Culturas
  • Teste moleculares

Tratamento

  • Antimoniais
  • Anfotericina B

 

Fonte:


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top