Você está aqui
Home > Coronavírus > Covid-19 Persistente – Por Que os Sintomas Podem Permanecer?

Covid-19 Persistente – Por Que os Sintomas Podem Permanecer?

Infectologista - Covid-19 Persistente – Por Que os Sintomas Podem Permanecer?
Compartilhe

Covid-19 Persistente. A pandemia de Covid-19 já ultrapassa 10 meses, no entanto, ainda se sabe muito pouco sobre o vírus. Muitas pessoas infectadas pelo novo coronavírus relatam a presença dos sintomas mesmo após a recuperação inicial da condição.

Por ser considerada uma doença respiratória, o vírus da Covid pode causar danos leves ou graves aos pulmões do paciente. Além disso, outros órgãos como coração e cérebro podem ser afetados pela condição, aumentando assim os riscos para outros problemas que podem surgir a longo prazo. Continue a leitura deste artigo e saiba porque os sintomas do novo coronavírus podem permanecer mesmo após a recuperação do paciente.

Compreenda o Conceito de Covid-19 Persistente

Saiba Mais sobre a Covid-19

Causada pelo vírus SARS-CoV-2, a doença que causa problemas respiratórios de leves a graves já atingiu mais de 3,08 milhões de pessoas ao redor do mundo. Especialistas da OMS apontam que aproximadamente 80% das pessoas infectadas pelo vírus podem ser assintomáticos ou oligossintomáticos (que apresentam poucos sintomas).

Sua transmissão ocorre por meio do contato direto com gotículas de saliva ou superfícies contaminadas. Uma pessoa contaminada pode disseminar o vírus por meio de apertos de mão e gotículas de saliva expelidas ao falar, tossir ou espirrar.

Sintomas da Covid-19

Os sintomas causados pelo novo coronavírus podem variar de pessoa para pessoa. Algumas podem relatar um leve resfriado, já outras são afetadas pela Síndrome Gripal-SG ou por quadros de pneumonia, além de outras complicações.

Tosse, febre, coriza, dor de garganta, diminuição do apetite, perda de olfato e/ou paladar, dificuldades para respirar e falta de ar foram os principais sintomas relacionados à doença que pode ser facilmente confundida com uma gripe comum. Por isso, é necessário o monitoramento, isolamento e auxílio médico caso os sintomas apresentados acima se tornem persistentes por mais de 7 dias.

Sintomas Persistentes – Longo Prazo

A maioria dos infectados pelo novo coronavírus se recupera completamente dentro de poucas semanas. No entanto, existe uma pequena parcela de pacientes que, mesmo desenvolvendo a versão leve da doença, continuam sentindo alguns sintomas após a recuperação inicial.

A chamada “Síndrome pós-Covid-19” atinge mais frequentemente pessoas com idade avançada ou com condições médicas graves. No entanto, nada impede que pessoas mais jovens com sintomas leves desenvolvam um quadro de síndrome pós-Covid-19.

Os sintomas e sinais mais comuns que perduram durante longos períodos após a recuperação inicial da Covid, são:

  • Falta de ar;
  • Tosse;
  • Dor no peito;
  • Fadiga;
  • Dor nas articulações.

Além desses fatores, outros sintomas de longo prazo podem incluir:

  • Dores musculares;
  • Dores de cabeça;
  • Perda de paladar e olfato;
  • Batimentos cardíacos acelerados;
  • Erupções cutânea;
  • Queda de cabelo;
  • Problemas de concentração, memória e sono.

Por se tratar de uma infecção relativamente nova, ainda não se sabe ao certo como a Covid-19 afetará as pessoas a longo prazo. No entanto, pesquisadores afirmam que a infecção pelo novo coronavírus pode atingir outros órgãos além do pulmão. Existe a possibilidade da doença causar danos no coração e cérebro. A lesão desses órgãos podem aumentar ainda mais o risco de novos problemas de saúde a longo prazo.

Referência: CDC


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top