Você está aqui
Home > Hepatites Virais > Hepatite B: o que você precisa saber

Hepatite B: o que você precisa saber

Last updated on novembro 5th, 2017 at 11:24 am

Hepatite B: o que você precisa saber

Hepatite B é um problema de saúde no mundo, principalmente em países em desenvolvimento.

Mesmo tendo uma vacina bastante eficaz, estima-se que 1/3 da população mundial já foi infectado pelo vírus da hepatite B.

Hepatite B no mundo:

Fonte: CDC

Modo de transmissão

A hepatite B é considerada uma Infecção Sexualmente Transmissível – IST, mas não é apenas pela relação sexual que ela se transmite.

  • Relação sexual sem o uso adequado do preservativo (principal via de transmissão)
  • De mãe para filho pela transmissão Vertical
  • Aleitamento materno
  • Compartilhamento de agulhas, seringas,
  • Material de manicure e pedicure, lâminas de barbear e depilar,
  • Colocação de Tatuagens, Piercings,
  • Procedimentos odontológicos ou cirúrgicos com materiais não devidamente esterilizados.

Diagnóstico da Hepatite B

O Diagnóstico da hepatite B pode ser feito apenas por exames específicos.

Exames de rotina como hemograma se alteram apenas em fase aguda (transitoriamente) ou quando existem as complicações

O mesmo raciocínio serve para os sintomas. Não podemos esperar pelos sintomas para podermos solicitar exames específicos.

Existem vários testes no sangue para diagnóstico da hepatite B e cada um deles nos dá uma informação diferente.

  • HBsAg = Antígeno de superfície da hepatite B
  • HBeAg = Antígeno da Hepatite B
  • Anti-HBc = Anticorpo core da Hepatite B (Anti HBc Tota, Anti HBc IgM, Anti HBc IgG)
  • Anti-HBe = Anticorpo Hepatite B
  • HBV-DNA = Teste Molecular para Hepatite B (Identifica a presença do material genético do vírus)

Fases da Infecção pela Hepatite B

O vírus da hepatite B tem uma grande atração pelas células do fígado.

  • Fase Imunotolerante
  • Fase Imunorreativa
  • Estado de Portador Inativo
  • Fase de Reativação
  • Fase HBsAg Negativa (Não reagente)

Fase Imunotolerante

O sistema imune tenta combater a infecção.

Há elevada multiplicação do vírus no sangue mas não há evidencia de lesão ao fígado (enzimas hepáticas são pouco alteradas ou normais)

A progressão para fibrose é lenta.

Essa fase pode durar muitos anos, especialmente em pessoas com transmissão vertical (foram infectadas durante a gestação)

Como há maior quantidade de vírus no sangue, estas pessoas transmitem o vírus mais facilmente, mesmo sem ter sintomas e doença.

  • Exames específicos: HBeAg (-), HBV-DNA (>20.000 UI/ml)

Fase Imunorreativa

O sistema imune não consegue mais combater o vírus

O nível de vírus no sangue começa a abaixar, as enzimas hepáticas são flutuantes

A evolução para a fibrose é acelerada

Essa fase pode durar de várias semanas a vários anos

  • Exames específicos: HBeAg (+), HBV-DNA (<20.000 UI/ml)

Estado de Portador Inativo

Aqui, o sistema imune conseguiu reprimir a replicação viral.

Os níveis de vírus no sangue são muito baixos ou mesmo indetectáveis, enzimas hepáticas normais.

  • Exames específicos: Anti-HBe (+), HBV-DNA (baixo ou indetectável)

Fase de Reativação

Os níveis de vírus no sangue voltam a aumentar. As enzimas hepáticas podem voltar a subir

Lesão hepática e evolução para a Fibrose persistem nessa fase.

  • Exames específicos: HBV-DNA (alto)

Fase HBsAg Negativa (Não reagente)

Indivíduos com HBsAg negativos geralmente não possuem replicação viral ou ela está muito baixa.

Em pessoas com imunidade baixa, o HBsAg positivo, mesmo com anti-HBs positivo pode significar replicação viral e um acompanhamento deve ser feito de perto.

  • Exames específicos: Anti-HBs (+) OU Anti-HBs (-), HBV-DNA (+)

 

Hepatite B aguda

Apenas 25% das pessoas infectadas apresentam algum sintoma de fase aguda.

Mesmo nas que apresentam sintomas, estes podem ser muito inespecíficos e se resolvem mesmo sem tratamento específico.

Os sintomas de fase aguda desaparecem, mesmo que o vírus ainda permaneça no organismo.

Sintomas da infecção aguda

Sintomas típicos:

  • Colúria (urina escura)
  • Acolia (fezes claras)
  • Icterícia (pele e olhos amarelados)

Estes sinais e sintomas não são específicos da hepatite C. Na verdade, podem estar presentes em qualquer processo de lesão aguda intensa ao fígado.

Sintomas inespecíficos de hepatite aguda:

  • Prurido (secundário à icterícia ou às lesões de pele)
  • Mal estar geral
  • Vômitos
  • Diarreia
  • Febre
  • Rash (lesões vermelhas na pele)

Não ter sintomas não exclui o diagnóstico de hepatite aguda, mas na presença deles, o diagnóstico deve ser descartado.

Hepatite B crônica

São pessoas que permanecem com o vírus da hepatite B circulando no sangue após 6 meses do contato.

Risco de evolução para hepatite B crônica

Quanto menos desenvolvido o sistema imune, menor as chances de cura espontânea do vírus da hepatite B.

Entre os recém nascidos infectados, como aqueles que pegaram hepatite B de suas mães, 90% evoluem para a cronicidade.

Entre as crianças que se infectam entre 1 e 5 anos, de 30 a 50% evoluem para a cronicidade

Apenas 4% das pessoas imunocompetentes que se infectam na vida adulta evoluem para a hepatite B crônica.

Adultos com deficiência da imunidade ou coinfectados com outros infecções como Hepatite C ou HIV possuem maior risco de evolução para a cronicidade.

Evolução da hepatite B crônica

De 15 a 30% das pessoas com hepatite B crônica desenvolverão complicações associadas à doença que podem ser:

  • Carcinoma Hepatocelular ( Câncer do fígado)
  • Cirrose hepática
  • Complicações extra-hepáticas

Avaliação do paciente com Hepatite B

Exames gerais de sangue

Testes que avaliam:

  • Rim
  • Fígado
  • Tireoide
  • Glicemia e diagnóstico de diabetes mellitus
  • Alterações do colesterol
  • Rastreio de neoplasias
  • Níveis de vitamina D
  • Identificação de doenças associadas como HIV, Sífilis ou outras ISTs
  • Testes de gravidez (os esquemas de tratamento não são testados em gestantes)
  • Identificação de suscetibilidade a outras infecções do fígado preveníveis por vacinas (hepatite A e B)

Endoscopia Digestiva

Ajudam a identificar varizes esofagianas – sinais de hipertensão do sistema portal

Densitometria óssea

Especialmente em pacientes em tratamento com Tenofovir.

Ultrassonografias, Tomografias ou Ressonâncias Magnéticas

Ajudam a identificar:

  • Alterações agudas do fígado (como inchaço do órgão)
  • Alterações crônicas do fígado (como sinais sugestivos de cirrose)
  • Presença de lesões sugestivas de abscesso, câncer, entre outros.

Exames de urina

  • Identificam lesões agudas do rim e outros problemas como descompensação da diabetes.

Biópsia hepática

Este exame determina o grau de inflamação e fibrose do fígado (cicatrização do fígado), além de descartar outros problemas associados, como câncer.

Ele é feito coletando-se um pedaço do fígado através de uma agulha guiada por ultrassonografia ou outro exame de imagem.

Elastografia

A elastografia hepática possui níveis de sensibilidade e especificidade significativas, com a vantagem de ser indolor e não invasiva

Além disso, é uma boa opção para pessoas que não podem realizar a biopsia, como aquelas com plaquetas baixas.

O maior problema desse exame é ser examinador dependente.

Tratamento da hepatite B

O tratamanento da hepatite B é muito diferente daquele feito na Hepatite C

A resposta ao tratamento é ótima, cerca de 95% das pessoas já alcançam a supressão viral com o primeiro esquema.

Quem deve tomar remédios para tratar a hepatite B?

  • Pessoas com Carga viral para a hepatite B detectável no sangue
  • Qualquer HBeAg + PCR-HBV > 2.000 UI/ml + Qualquer valor de ALT acima do nível normal + qualquer sinal de necro-inflamação do fígado
  • Todos os pacientes com cirrose compensada ou não
  • PCR-HBV > 20.000 + ALT > 2 vezes o limite superior
  • HBeAg (+) + 30 anos de idade
  • História familiar de câncer no fígado
  • Pessoas com manifestações extra hepáticas da doença

Opções de tratamento:

  • AlfaPegInferferona
  • Tenofovir
  • Entecavir

Carcinoma hepatocelular

Fatores que aumento o risco de evolução para câncer do fígado:

  • Presença de cirrose
  • Esteatose hepática (Fígado gorduroso)
  • Extremos de idade
  • Coinfecção com Hepatite C
  • Coinfecção com HIV
  • Subtipos do vírus da hepatite B
  • Etilismo
  • Tabagismo

Cirrose hepática

Cerca de 20% das pessoas com hepatite C crônica chegam à fase de cirrose hepática em 20 a 30 anos de infecção.

O fígado possui uma grande capacidade de regeneração quando machucado.

A cirrose ocorre quando a agressão aos hepatócitos (células do fígado) é muito intensa ou por um longo período ao ponto de superar sua capacidade de regeneração.

A degeneração dos hepatócitos altera a arquitetura do fígado, prejudicando a irrigação sanguínea e a síntese de proteína, levando a uma cicatrização do órgão.

Essas cicatrizes são compostas por fibras, a chamada fibrose hepática.

A pessoa pode permanecer sem sintomas por muitos anos até começar a apresentar sintomas das complicações da hepatite.

Por outro lado, uma pessoa pode ter cirrose hepática sem apresentar nenhum sinal ou sintoma (cirrose hepática compensada)

Sintomas de cirrose hepática

  • Icterícia
  • Prurido
  • Eritema palmar (palmas das mãos avermelhadas)
  • Sangramento digestivo alto
  • Melena (saída de sangue digerido pelas fezes)
  • Enterorragia (saída de sangue vivo pelas fezes)
  • Perda de massa muscular
  • Ascite (liquido abdominal)
  • Anasarca (inchaço generalizado) / Edema (inchaço localizado)
  • Derrame pleural (liquido no pulmão)
  • Encefalopatia hepática (delirium) – quadro grave e rápido de alteração da consciência
  • Falência do rim
  • Aumento das mamas (ginecomastia)
  • Atrofia (redução do tamanho) dos testículos
  • Varizes em cabeça de medusa

Dieta do paciente cirrótico:

Pessoas com cirrose descompensada, como aqueles que já apresentaram sangramento digestivo, devem ter cuidados especiais com a dieta:

  • Diminuição da ingesta de sódio (sal) – até 1,5 g /dia
  • Dieta rica em carne branca (peixe, peru, frango)
  • Restrição de líquidos (alguns casos, apenas 1,5 litro/dia)

O que deve ser considerado para a realizar a orientação dietética no paciente cirrótico:

  • Gravidade de doença
  • Presença de doença descompensada (água na barriga, água no pulmão, sangramento do intestino, confusão mental, etc)
  • Níveis de sódio no sangue
  • Níveis de proteína no sangue
  • Funcionamento do rim

Fatores que aceleram a progressão para cirrose hepática:

  • Idade superior a 40 anos no momento da infecção
  • Sexo masculino
  • Etilismo
  • Outras infecções associadas como hepatite B ou HIV
  • Outras comorbidades associadas como imunossupressão; esteatose hepática; resistência à insulina

Transplante hepático

A cirrose hepática em si, não tem tratamento específico. Existe apenas controle dos sintomas.

O tratamento do vírus da hepatite B no paciente com cirrose evita piora do quadro mas não diminui os sintomas.

O tratamento do vírus, quando ele ainda está circulando no sangue, melhora as condições do fígado e os sintomas podem melhorar.

Contudo, um fígado já em cirrose não volta ao normal naturalmente apenas com a cura da hepatite.

Ou seja, o paciente melhora dos sintomas, mas não deixa de ter a indicação do transplante.

O tratamento da hepatite B no paciente que já está na fila do transplante pode assim acabar causando transtornos ao paciente, pois não resolve o seu problema, mas  atrasa o transplante, uma vez que as condições podem melhorar.

É por isso que a indicação atual do tratamento da hepatite B em pacientes em fila para trasplante, é aguardar o transplante do fígado, para depois tratar a hepatite.

Acompanhamento médico pós tratamento

Pessoas com lesões no fígado devido a hepatite B, possuem o risco de desenvolver câncer do fígado diminuído após a eliminação do vírus, mas ainda assim, permanecem com um risco maior dessa complicação que pessoas que nunca tiveram o vírus.

Sendo assim, o acompanhamento médico com o infectologista e/ou hepatologista deve ser realizado periodicamente mesmo após a eliminação do vírus.

Prevenção da hepatite B

  • Uso de preservativo nas relações sexuais
  • Diagnóstico precoce
  • Realização de sorologia em gestantes para definição de contato.
  • Vacinar gestantes suscetíveis
  • Tratamento das gestantes com altos níveis de vírus no sangue
  • Vacinação contra a hepatite B

 

Fonte:

 

 

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  • 17
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
    18
    Shares
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top