Você está aqui
Home > HIV/AIDS > Novo medicamento para Tratamento do colesterol em pacientes HIV

Novo medicamento para Tratamento do colesterol em pacientes HIV

Novo medicamento para Tratamento do colesterol em pacientes HIV
Compartilhe
  • 12
    Shares

Novo medicamento para tratamento do colesterol em pacientes HIV

Pesquisa avalia eficácia do novo medicamento do colesterol em pacientes vivendo com HIV.

A Pitavastatina já é liberada pelo Foods and Drugs administrationFDA /EUA e pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária-ANVISA/Brasil.

Ela é usada no tratamento contra alterações do metabolismo do colesterol e pode contribuir muito na redução do risco cardiovascular de pacientes vivendo com HIV.

REPRIEVE é o primeiro estudo em grande escala que busca estratégia para reduzir risco de doenças cardiovasculares especificamente em pacientes com HIV.

Importância do estudo:

As estatinas são medicamentos que reduzem os níveis de colesterol no sangue, mas que também demonstraram ter efeitos anti-inflamatórios.

As estatinas são usadas para reduzir o risco de doença cardíaca na população em geral, em indivíduos com alto fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Sabemos que os pacientes vivendo com HIV, possuem maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

O tratamento do vírus deixando-o indetectável no sangue diminui muito este risco mas não o deixa igual ao da população sem HIV.

Além disso, não apenas o vírus circulando no sangue, como também os antirretrovirais  podem aumentar este risco em alguns casos. Veja mais detalhes aqui.

Parece que ela possui menor interação com os antirretrovirais (tratamento usado no HIV) que outros remédios.

interacoes-entre-remedios-do-coletesterol-e-os-do-hiv

Como é o desenho do estudo:

Países que farão parte do estudo:

O estudo será realizado em mais de 100 centros dos seguintes países:

África do Sul, Brasil, Canadá, Estados Unidos, Haiti, Índia, Peru, Tailândia

Seleção dos voluntários:

O estudo ainda está em fase de recrutamento.

Serão selecionados 6.500 voluntários portadores de HIV

Os voluntários devem ter entre 40 e 75 anos

Em uso de tratamento antirretroviral há 6 meses.

Sem história prévia de doenças cardiovasculares (veja quais são aqui)

Sem uso atual de estatinas

Os voluntários serão divididos em 2 grupos:

  • Grupo usando Pitavastatina – 4 mg 1 vez ao dia
  • Grupo usando placebo

Seguimentos dos voluntários:

Os voluntários avaliados a cada 4 meses

Os pacientes serão acompanhados de 4 anos.

Objetivo do estudo:

Objetivo principal:

  • Determinar se o tratamento com estatinas (Pitavastatina) reduz o risco de doença cardíaca entre indivíduos infectados pelo HIV com fatores de risco tradicionais relativamente baixos e para quem as estatinas não seriam recomendadas de acordo com as diretrizes de tratamento do colesterol dos Estados Unidos.

Objetivos secundários:

  • Diminuir os níveis de colesterol,
  • Diminuir o grau de inflamação,
  • Estabilizar placas gordurosas nos vasos sanguíneos que cercam o coração, impedindo que estas placas de ruptura

 

Fonte:


Compartilhe
  • 12
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top