Você está aqui
Home > Vídeos > Campanhas > Saiba Se o Tratamento do HIV Está Sendo Eficaz

Saiba Se o Tratamento do HIV Está Sendo Eficaz

Infectologista - Saiba Se o Tratamento do HIV Está Sendo Eficaz
Compartilhe

A única forma de saber se o tratamento do HIV está fazendo efeito é realizando os exames de sangue necessários.

Mais especificamente o exame da carga viral, que é o exame responsável por identificar a quantidade de vírus circulando no organismo.

Objetivo Principal do Tratamento do HIV

É essencial entender que o objetivo principal do tratamento do HIV não é aumentar as células de defesa (ou seja, os linfócitos de tipo CD4).

Quando estes linfócitos são atacados pelo vírus, eles diminuem em quantidade e é isso que enfraquece o sistema imune da pessoa.

Aqueles que começam o tratamento com baixos níveis de CD4, vão apresentar um aumento destas células. Entretanto, isso é uma consequência secundária do tratamento, e não o seu objetivo principal.

É importante compreender isso, já que muitas vezes o tratamento com o CD4 se inicia em níveis considerados normais, até mesmo para uma pessoa que não tem o vírus.

Se existe carga viral detectável do HIV no sangue, o tratamento está indicado independente do nível de CD4 que a pessoa tem.

Se uma pessoa iniciar o tratamento e sua carga viral, por ventura, não abaixar ou não alcançar o alvo do tratamento (ou seja não chegar a níveis indetectáveis no sangue), é considerado uma falha no tratamento, mesmo que o CD4 esteja em níveis bons.

Isso justifica-se porque ainda há presença do vírus circulando no sangue, logo, o esquema de tratamento tem que ser mudado ou deve-se investigar o que pode estar ocasionando essa falha.

Então para saber se a resposta do tratamento está adequada, fazer estes exames é o mais indicado.

Em alguns casos, o exame é feito após um mês do início do tratamento, sabendo que neste tempo a carga pode não estar indetectável ainda, dependendo do número inicial da carga viral.

Esse tempo pode variar até 6 meses para alcançar o alvo principal, que é a carga viral suprimida no sangue.

Mas somente através de exames moleculares (que são os exames de PCR ou carga viral) será possível definir o alvo terapêutico, e descobrir se o tratamento está sendo eficaz ou não.


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

12 thoughts on “Saiba Se o Tratamento do HIV Está Sendo Eficaz

  1. Olá Dra Keila,

    Iniciei tratamento (Dolutegravir) em março com CV 109.000 e CD4 280. Em maio, estava CV 70 e CD4 371. Agora, em setembro, CD4 629, mas a carga segue detectável em 58, mesmo após 6 meses. Significa falha no tratamento? Ainda pode ficar indetectável? Existem pessoas que não ficam indetectáveis? Já marquei consulta mas só consegui pra novembro. Gostaria de tirar essa dúvida para ficar mais tranquilo por enquanto.

    1. Carga Viral indetectável é a carga viral (PCR-HIV) abaixo dos limites detectáveis pelo exame. No Brasil, consideramos indetectável uma taxa menor que 40 cópias/ml, mas alguns exames mais sensíveis, conseguem identificar níveis ainda menores.

      O seu caso é supressão viral, que nada mais é que uma carga viral (PCR-HIV) abaixo de 200 copias/ml.

      Pessoas vivendo com HIV, com Carga Viral persistentemente suprimida, são incapazes de transmitir o vírus por relação sexual, mesmo sem preservativo.

      Para entender melhor, sugiro a leitura deste artigo: https://www.drakeillafreitas.com.br/hiv-indetectavel-e-intransmissivel/

  2. Gostaria de explicar meu caso clínico para quem descobriu recentemente e esteja preocupado:
    Minha carga viral estava acima de 100 mil cópias, antes de iniciar o tratamento.
    Iniciei o esquema com Dolutegravir e em um mês e meio minha carga viral ficou indetectável, no caso do meu exame, menos de vinte cópias…
    Sem efeitos colaterais.
    Como a Dra. sempre diz aqui, é melhor diagnosticar e tratar do que esconder de si mesmo a situação.

  3. Dra. fui diagnosticado com HIV estando cm 198 de CD4 iniciei tratamento cm 3 em 1 mais dolutegravir e bactrim para solução da diarreia. Estou no quarto mês de trtamento e estou internado por pneumonia. Sentia que estava numa falha terapêutica. Saiu o resultado hj e a doutora disse que estou cm CD4 124 CV ela disse q nao lembra.

    Sinto-me muito cansado. Pra me vestir, tomar banho. E isso tira minha qualidade de vida. Esse cansaço vc ver cm sintoma da pneumonia ou da SIDA? É crônico?

  4. hiv positivo a 15 anos … inicie com 3em 1 …sempre indetectável… a 2 anos troquei o 3em1 por atazananavir e ritonavir tomei por 6 meses também indetectável, tive varias reações e esse foi substituído por dolutegravir e o 2em1 após 6 meses continuei indetectável…só que a 6 meses em fevereiro minha carga viral veio com 30 cópias ml , repeti o exame novamente seis meses após dia 10/07 e minha carga viral veio 100 cópias ml… vc acha que deu falha ou resistência?

    1. Existem várias causas para que a carga viral previamente indetectável, volte a ficar detectável. A resistência é uma das causas de falha terapêutica mas a falha terapêutica pode ser por vários outros motivos, você deve ver junto ao seu médico infectologista para avaliar qual poderia o ser o seu caso e se há indicação de exame para avaliar existência de resistência.

  5. Uma cv 30 cópias seis meses atrás e agora com 100 cópias… já se caracteriza uma falha? Ou um blip? Lembrando que antes de 30 cópias sempre foi indetectável! As falhas sempre ocorrem com pequeno aumento da CV ? Quais são as outras alternativas ou já é uma falha esse aumento? Grata.

  6. Boa tarde Dra.! Fiz 4 exames de carga viral, e em 3 exames apareceu que eu estava indetectável, mas nesse último o resultado foi 45 cópias/ml. Tomo os remédios religiosamente todos os dias no mesmo horário, nunca fiquei sem tomar nenhum dia. Talvez no dia em que fiz o exame, eu estava resfriado. É normal esse aumento, ou posso me preocupar? Meu maior medo é de transmitir o vírus a minha namorada.

Deixe uma resposta

Top