Você está aqui
Home > Infecção Viral > Parvovírus B 19

Parvovírus B 19

Infectologista - Parvovírus B 19
Compartilhe

Parvovírus B 19 pode é um vírus da família Parvoviridae e gênero eritrovírus

É um vírus bastante comum em todo o mundo. De 5 a 10% de crianças entre 2 e 5 anos já tiveram contato.

esta prevalência vai subindo ao longo dos anos chegando a 60% em pessoas com 30 anos de idade

Transmissão

  • Contato direto com secreções respiratórias de pessoa a pessoa.
  • Contato indireto por fômites infectados
  • Transmissão vertical (de mãe para filho durante a gestação)
  • Transfusão de sangue e seus derivados

Período de transmissão

A transmissão começa a partir de 5 a 10 dias após a exposição e dura por até uma semana em pessoas imunocompetentes.

Formas de apresentação do Parvovírus B 19

25% das pessoas infectadas pelo parvovírus B 19 não apresentam nenhum sintoma

50% das pessoas infectadas apresentam apenas sintomas virais inespecíficos

  • Eritema Infeccioso
  • Artropatia
  • Crise aplástica transitória
  • Infecção fetal
  • Aplasia pura de glóbulos vermelhos
  • Alterações cardíacas
  • Vasculite
  • Glomerulonefrite
  • Meningite
  • Encefalite

Artropatia

O Parvovírus B 19 pode causar artralgia e/ou artrite (dor e/ou inflamação das articulações) e rigidez das articulações.

Pode vir associado ao exantema em 75% dos casos, mas na da forma típica de ‘face esbofeteada” visto no eritema infeccioso

Esta apresentação é mais comum em adultos doentes, especialmente mulheres

O acometimento costuma ser simétrico (afeta os 2 lados),  das pequenas articulações ( mãos, punhos, joelhos e pés)

O quadro costuma durar até 3 semanas, mas em raros casos pode desenvolver artropatia recorrente ou persistente

Esta artropatia não causa destruição articular

Crise aplástica transitória

Anemia severa

Afeta pacientes que já possuem doenças hematológicas crônicas (doenças do sangue)

  • Palidez
  • Fraqueza
  • Letargia secundária a anemia intensa

A maioria destes pacientes não apresenta exantema

Complicações
  • Falência cardíaca congestiva
  • Acidente vascular cerebral
  • Sequestro esplênico agudo

Alterações cardíacas

  • Miocardite
  • Cardiomiopatia dilatada
  • Disfunção sistólica ventricular esquerda isolada

Parvovírus B 19 na gestação

Quando a gestante se infecta durante a gestação, o vírus pode ser transmitido ao bebê em formação]

O risco de complicação é maior quando a infecção ocorre nas primeiras 20 semanas de gestação

Infecção fetal

  • Derrame pleural fetal
  • Derrame pericárdico fetal
  • Atraso no desenvolvimento neurocognitivo
  • Aborto espontâneo
  • Morte intrauterina
  • Hidropsia fetal não imune

Parvovírus B 19 em Imunodeprimidos

Pessoas com imunidade baixa podem apresentar tanto infecção aguda (primeiro contato) quanto reativação do vírus.

Nessa população o quadro mais visto é anemia aguda ou crônica intensa ou trombocitopenia (queda de plaquetas)

Diagnóstico

  • Avaliação clínica
  • Teste moleculares com detecção do vírus Parvovírus B 19 (mais usado em pacientes imunodeprimidos)
  • Sorologia evidenciando anticorpos específicos contra o Parvovírus B 19

Sorologia IgM reagente (ELISA) em amostras de sangue de fase aguda

Incremento de títulos de IgG em sorologias de amostras pareadas (fase aguda e convalescente).

 

Prevenção

Não existe vacina, apenas controle dos sintomas.

Prevenção de contato com pessoas possivelmente infectadas.

Fonte:


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top