Você está aqui
Home > HIV/AIDS > Distribuição dos remédios para HIV no mundo

Distribuição dos remédios para HIV no mundo

Compartilhe
  • 5
    Shares

Distribuição dos remédios para HIV no mundo

A manutenção de uma carga viral do HIV suprimida no sangue é muito importante pois:

A Organização Mundial de Saúde (OMS) orienta que o Tratamento do HIV seja iniciado:

  • O mais rápido possível
  • Para todos que apresentem carga viral detectável no sangue
  • Independente dos valores de carga viral
  • Independente da imunidade.

Para que um país consiga implementar esta orientação, muitas coisas devem ser vistas:

  • Ampliar acesso de toda a população aos meios de fazer o diagnóstico
  • Disponibilizar tratamento e acompanhamento médico para TODAS as pessoas diagnosticadas.

Tudo isso exige muito investimento e organização para garantir e gerir toda a logística necessária.

Metas de tratamento

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) estabeleceu a meta 90/90/90.

Esta meta consiste em:

  • 90% das pessoas portadoras de HIV diagnosticadas
  • 90% das pessoas diagnosticadas em tratamento contínuo com antirretrovirais
  • 90% das pessoas em tratamento com Carga Viral Indetectável persistente
  • Limitar a apenas 500.000 novas infecções por ano
  • 0% discriminação

A meta da OMS é de dobrar de forma sustentável o número de pessoas em tratamento, em todo o mundo.

Isso corresponderia em número a aumentar o tratamento de 19 milhões (de hoje) para 39 milhões, assegurando carga viral suprimida para toda esta população.

Esta meta não deve ser alcançada antes do ano 2030.

Fonte: WHO – 2016

 

Fonte: WHO – 2016

 

Fonte:


Compartilhe
  • 5
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top