Você está aqui
Home > Vídeos > Geral > Molusco Contagioso

Molusco Contagioso

Infectologista - Molusco Contagioso
Compartilhe

Molusco Contagioso

Molusco Contagioso é uma infecção viral que causa bolinhas na pele parecidas a verrugas.

O vírus é da família Poxviridae.

Existem 3 tipo de vírus causadores da infecção:

  • Orthopoxvirus
  • Parapoxvirus
  • Não classificado, intermediário.

Existem vários sub-tipos de vírus que vão do I ao IV.

O tipo mais comum na população em geral é o tipo I. Em paciente portadores do vírus HIV, o subtipo mais comum é o II.

No entanto, não há diferença da distribuição no corpo nem das características das lesões entre os diferentes tipos de vírus.

Como ocorre a transmissão:

  • Contato direto pele com pele com pessoa que possui lesões ativas
  • Contato direto de pele com objetos contaminados (fômites) como toalhas de banho, esponja, etc.
  • Auto-inoculação (a própria pessoa se infecta espalhando as lesões pelo corpo, por exemplo, ao manipular as lesões já presentes)

Período de incubação

O tempo entre contato e o aparecimento das lesões varia de 2 a 7 semanas.

As lesões podem ocorrer após este período ou o paciente pode entrar em um período de latência de até 6 meses.

Sintomas

O molusco pode ser inoculado ao longo de uma linha de menor trauma na pele (por exemplo, de barbear) resultando em lesões organizadas em um padrão linear

As pessoas geralmente não apresentam sintomas sistêmicos como febre ou mal estar, apenas as lesões

Características das lesões:

  • As lesões são superficiais, restritas à pele.
  • Podem ser pruriginosas ou não.
  • Pápulas em forma de cúpula de 2 a 5 mm de diâmetro
  • Cor clara
  • Umbilicadas
  • Algumas lesões podem confluir formando-se placas

 

A quantidade e distribuição das lesões mudam conforme a população afetada:

  • Crianças
  • Adultos
  • Adultos e crianças imunodeprimidas (com imunidade baixa)

Crianças:

A forma mais comum de transmissão em crianças é por:

  • contato direto pele a pele
  • indireto por objetos contaminados como compartilhamento de toalhas de banho, esponjas, piscinas, etc

É mais comum em crianças acima de 1 ano e abaixo de 5 anos

As lesões podem se manifestar em qualquer parte do corpo, inclusive em áreas de dobras como axilas e virilhas

Acometimento de mucosas como lábios e língua são raros e nas palmas das mãos não ocorrem

Pessoas com dermatite atópica podem desenvolver maior numero de lesões

Adultos:

A formas mais comum de transmissão em adultos é a sexual (Infecções Sexualmente Transmissíveis – ISTs)

Adultos saudáveis ​​tendem a ter poucas lesões.

Elas se limitam à pelve, genitais, parte inferior do abdome ou nádegas.

O molusco contagioso em crianças e adultos saudáveis ​​é geralmente uma doença autolimitada

Adultos e crianças imunodeprimidas:

Nessa população as lesões costumam ser mais espalhadas e serem persistentes, com pouca resposta ao tratamento.

Lesões em face são mais comuns em paciente com imunidade baixa

Evolução

As lesões costumam desaparecer mesmo sem tratamento em 6 a 9 meses.

Lesões mais isoladas costumam desaparecer sozinhas com menos de 2 meses.

Pacientes imunodeprimidos podem ter quadros persistentes com lesões que duram entre 3 e 4 anos.

Complicações

  • Inflamação
  • Irritação
  • Infecção secundária
  • Celulite

Tratamento

Exérese da lesão

  • crioterapia
  • curetagem
  • laser

Medicação tópica ou aplicação intra lesional

  • Tretinoina
  • Ácido blicloroacético
  • Ácido salicílico
  • Ácido lático
  • Ácido glicólico
  • Nitrato de prata
  • Hidróxido de potássio
  • Iodopovidona diluído
  • Cantaridina

Estimulação de resposta imune

  • Aplicação de interferon alfa intra lesional

Pode haver reinfecção se nova exposição, ou mesmo recorrência

Antivirais

  • Ritonavir (uso oral)
  • Zidovudina (uso oral)
  • Cidofovir (intra lesional)

Fonte:

Molusco Contagioso
Avalie este Artigo


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top