Você está aqui
Home > DSTs > Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2

Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2

Infectologista - Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2
Compartilhe

Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2

Estes vírus podem provocar lesões em qualquer parte do corpo. Contudo, há predomínio do tipo 2 nas lesões genitais e do tipo 1 nas lesões periorais.

Como se Transmite

  • Contato direto por relação sexual

Não é apenas uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST). Existem outras formas de transmissão do vírus, geralmente por contato direto com a lesão.

A pessoa pode ser portadora do vírus sem nunca ter desenvolvido lesões. Apesar da transmissão ser mais importante durante o contato direto com as lesões, relações sexuais sem preservativo com pessoas portadoras, mesmo sem lesões, também podem causar infecção.

O uso do preservativo evita a transmissão sexual sem as lesões, mas não previne a transmissão por relação se houver lesões visíveis.

  • Contato direto pelo beijo

Apenas se tiver lesões visíveis (a saliva em si não é um material infectante).

  • Contato indireto através do compartilhamento de objetos de uso comum

Como utensílios de cozinha sem lavar, beber na mesma garrafa ou usar o mesmo objeto. Esse tipo de transmissão ocorre apenas se houver lesões visíveis.

  • Transmissão vertical (de mãe para filho durante a gestação)

Não precisa de ter lesões visíveis, mas geralmente ocorre apenas quando a gestante tem a primeira infecção durante a gestação. Saiba mais sobre herpes gestacional e herpes neonatal aqui.

  • Transmissão perinatal

Ocorre de mãe para filho quando o bebê passa pelo canal do parto (parto normal), e a mãe possui lesões ativas neste momento.

Como Fazer o Diagnóstico

Apenas cerca de 13 a 37% dos portadores desenvolvem alguma lesão em algum momento da vida.

O diagnóstico da lesão não pode ser feito por exame de sangue.

Exames de sangue determinarão apenas que a pessoa teve contato com o vírus (exames sorológicos) ou que possui vírus circulando no sangue (testes moleculares).

Os anticorpos específicos contra o herpes costumam aparecer no sangue após 12 semanas do contato. Mas uma pessoa pode ter tido contato com o herpes há muitos anos, sem nunca ter apresentado lesões.

É por isso que a suspeita diagnóstica se faz pelo puro exame físico e a confirmação apenas por exame da lesão.

Tipos de Infecção:

  • Primária;
  • Não primária;
  • Recorrente.

Infecção Primária

Primeiro aparecimento de lesões em indivíduos que nunca tiveram contato com o herpes simples tipo 1 (HSV-1) ou herpes simples tipo 2 (HSV-2).

O período entre o contato com o vírus e os sintomas da primeira crise é de 4 dias em média (entre 2 e 12 dias).

Infecção Não Primária

Aparecimento de lesões referentes ao herpes tipo 1 em indivíduo que já possui anticorpos para herpes do tipo 2 ou vice-versa.

Suspeitamos do diagnóstico quando indivíduos com história prévia de lesões em orais aparece com lesões genitais ou vice-versa.

Infecção Recorrente

Novo aparecimento de lesões ou novo aumento de vírus no sangue após a primeira infecção, sendo o vírus de mesmo tipo que a infecção anterior.

Sintomas

Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2
Exemplos de lesões pelo Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2.

Apresentação Sub-clínica

87,4% das infecções pelo vírus herpes simples não apresentam sintomas. O número de vírus do herpes simples 1 e 2 aumenta no sangue sem a presença de lesões na pele.

O indivíduo pode não tomar conhecimento da infecção ativa, mas pode transmiti-la, principalmente em casos de relação sexual sem preservativo.

Infecção Primária (Primeira Infecção)

O quadro se inicia de 2 a 12 dias (no geral 4 dias) após o primeiro contato com vírus, podendo manifestar-se através de febre, mal-estar, dor de cabeça ou mialgia (dor muscular), disúria (dor para urinar) com ou sem retenção urinária (especialmente nas mulheres), dor e/ou coceira local que começam antes do aparecimento das lesões.

Linfadenopatias (ínguas ou aumento dos gânglios) aparecem em 50% dos casos, podendo aparecer de um só lado ou ambos. Elas rapidamente evoluem para vesículas (bolinhas) sobre base eritematosa (vermelhas), muito dolorosas e de localização variável. O conteúdo dessas vesículas é geralmente citrino (como água), raramente turvo.

Quando há acometimento do colo do útero, é comum o corrimento vaginal, que pode ser abundante. Entre os homens, o acometimento da uretra pode provocar corrimento uretral e raramente é acompanhado de lesões extragenitais.

O quadro pode durar de duas a três semanas. Após a infecção genital primária pelo Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2, o vírus ascende pelos nervos periféricos sensoriais, penetra nos núcleos das células dos gânglios sensitivos e entra em um estado de latência. A ocorrência de infecção do gânglio sensitivo não é reduzida por qualquer medida terapêutica.

Primeira Infecção em Portadores de HIV

Entre as pessoas com infecção pelo HIV, as manifestações tendem a ser dolorosas, atípicas e de maior duração. Em geral, é uma manifestação mais severa, caracterizada pelo surgimento de lesões eritemato-papulosas de um a três milímetros de diâmetro.

Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2
Exemplos de lesões pelo Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2.

Infecção Não Primária

Após a infecção genital primária por HSV-2 ou HSV-1, respectivamente, 90% e 60% dos pacientes desenvolvem novos episódios nos primeiros 12 meses, por reativação viral.

As infecções seguintes costumam apresentar menos sintomas gerais que a primária, basicamente locais e com menos lesões que a primeira. É comum iniciar com quadro de dor local antes do aparecimento das lesões.

Infecção Recorrente (Herpes Simples de Repetição)

Quantidade de lesões e quadro clínico são mais brandos que as primeiras. O tempo do quadro também é menor: em geral dura de 2 a 5 dias, mesmo sem tratamento específico.

Saiba como evitar as crises recorrentes aqui.

Outras Apresentações do Herpes Simples

O vírus da Herpes pode causar quadros bem variados, não apenas as vesículas que são tão típicas. Inclusive, quadros bastante graves, principalmente em imunodeprimidos (pessoas com imunidade baixa).

Tratamento

O vírus não tem cura, o tratamento é apenas da crise.

Lesões Herpéticas com Infecção Secundária

Lesões ativas do herpes são também uma porta aberta para a entrada de bactérias em nosso organismo. Bactérias próprias da pele entram na pela lesionada pelo herpes e causam quadros infecções que podem ser exuberantes.

O tratamento antibiótico nestes casos é mais importante que o próprio tratamento da crise herpética.

Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2
Exemplos de infecção bacteriana secundaria em pacientes com herpes simples.

Fontes:


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

254 thoughts on “Vírus Herpes Simples Tipo 1 e 2

  1. A Sra. já viu algum caso de alguém que tenha herps na uretra? pois
    parece ser meu caso, segundo os urologistas, uma vez que só tenho
    ardência, não tenho coceira e nem bolhas. meu IGG 1,20 reagente e IgM 0,5.

    1. IgG reagente apenas identifica o contato prévio com o herpes, para confirmar o diagnóstico de um quadro atípico, deve-se fazer exames específicos do material da região afetada quando estiver em crise.

  2. É possível uma pessoa nunca desenvolver os anticorpos para herpes, ou seja, ter o vírus no corpo mas mesmo depois de tempos não ter desenvolvido o anticorpo necessário para sair no exame sorologico?

  3. Dr. Meu igg deu negativo, igm reagente 3,5. Porém, o exame da minha parceira parceira o igg e o igm deu negativo. É provável eu ter Herpes? Ou seja, peguei Herpes de outra pessoa por bactéria e não por relação?

    1. herpes simples não é apenas de transmissão sexual, por outro lado este resultado não confirma o diagnóstico. pode ser falso positivo do IgM e ambos devem ser repetidos para verificar a reativação do IgG

  4. Boa noite Dra. É possível a pessoa ter herpes mas nunca desenvolver o anticorpo que aparece no igg e igm? Qual a confiabilidade desse exame?

  5. Bom dia, minha parceira fez um exame de herpes e deu IGG 30,0 e IGM 2,0 só que não tem os sintomas
    Ela está me culpando que passei pra ela recente, e eu não tenho nenhum sintoma, pode ser que seja o Herpes tipo 1 que dê esse resultado?

    1. Qualquer um dos tipos de herpes simples pode ser transmitido sem exatamente ter sintomas, mas a não ser que você tenha exame de sorologia negativo (neste caso afastaria a possibilidade de você ter transmitido para ela). se o seu exame for positivo para contato prévio, não dá para dizer com certeza que você transmitiu para ela.

  6. Boa tarde, doutora.
    Fiz meus exames recentes e meu igG deu 53,4 e o IgM foi negativo.
    Mas meu parceiro aparenta lesões, já fizemos o tratamento com aciclovir e ainda sim aparecem manchas nele, o que podemos fazer ??

    1. este resultados de exames indicam contato prévio com o vírus.
      Lesão de herpes não costumam sem manchas. sugiro procurar um médico infectologista de sua confiança durante a crise para avaliar e pedir os exames pertinentes.

  7. Boa tarde dra. sinto meu exame sorologico deu herps reagente, faz 5 meses,porém nunca apareceu bolhas, coceira, vermelhidão. É só dor e ardência a Sra acredita que realmente pode ser herps?

  8. Boa noite, gostaria de saber se pelo exame de sangue tem como se saber se temos o HSV-1 ou o HSV-2? Ou se o resultado apenas mostra que se teve contato com o HSV sem fazer a distinção do tipo?

  9. Boa tarde o meu exame para herpes simples 1 e 2 deu o igG 8,7 e o igM 0,5 a minha dúvida qual a relação do igG quando da alto ou baixo?

  10. Olá doutora fiz um exame de herpes tipo 1 e 2 e o IgG deu:11,5 e igm:1,4 o que quer dizer?.
    Obrigada pela sua atenção.

  11. Dra. Qual a janela imunologica para herpes? É possível dar dois falsos negativos no igg e igm após 5 meses de uma relação desprotegida? Até que ponto o exame sorologico é confiável?

  12. Olá! Tive contato sexual sem proteção há 15 dias. Hoje recebi exame herpes 1 e 2 Igm 3,1 (reagente) e ig g não reagente. Estou há 6 meses sem relação. Pode ser desse atual? Sem nenhuma lesão. Obrigada

  13. Tive lesões tanto orais quanto genitais pela primeira vez após uma queda de imunidade e meus resultados de IgG e IgM para tipo 1 e 2 foram negativos mesmo com o diagnóstico médico de herpes. Isso é possível?

    1. se o contato for muito recente, poderia ainda estar no período de janela. O ideal é repetir estas corologias posteriormente e se ainda tiver lesões, para confirmar o diagnóstico deve-se fazer exame da própria lesão.

  14. Tudo bem Doutora? Exames IgG e IgM não reagentes para Herpes I e II apos 54 dias de um contato sexual determinam que não fui infectado pelo vírus? Muito obrigado! Parabéns pelo site e seu trabalho.

Deixe uma resposta

Top