Você está aqui
Home > Notícias > Infectologista: o médico dos tempos difíceis

Infectologista: o médico dos tempos difíceis

Compartilhe
  • 15
    Shares

Infectologista: O médico que luta contra o invisível!

Sempre que houver uma doença ameaçando um segmento da sociedade, um país ou até mesmo a existência da humanidade, o médico infectologista estará lá para entendê-la. preveni-la e combatê-la.

Como tudo começou:

Doenças infecciosas existem desde que existe vida na terra e, ainda que a Infectologia como nome de especialidade só exista há poucos anos, a pessoa do infectologista está presente desde que o homem começou a tentar entender e combater os fenômenos que o levavam à morte.

O médico húngaro que criou e difundiu a lavagem de mãos entre os profissionais da saúde, Ignaz Semmelweis, conseguiu diminuir dramaticamente o número de mortes por infecção pós parto de mães, antes mesmo da invenção do microscópio.

Sempre que o ser humano se sentiu ameaçado por uma condição que não compreendia, todas as vezes que uma doença se alastrava na população  levando a deformidades, sofrimento e morte, o infectologista , mesmo que ainda não tivesse este nome, estava ali.

O medo do desconhecido sempre levou o homem a situações extremas, a uma histeria coletiva, a um “salve-se quem puder”, condenando os doentes a um sofrimento muitas vezes maior que a própria doença.

A humanidade já sofreu com varias epidemias, reduzindo população de forma assustadora  ou deixando grave sequelas como a Peste Negra, Febre Amarela, Poliomielite e a Varíola.

Outras, causaram grande sofrimento à população como a Lepra, muitas vezes vista como maldição de Deus, ou a Tuberculose, que para controlar a disseminação, afastavam os doentes de seus entes queridos, prendendo-as em sanatórios e deixando-as lá para morrer tossindo sangue.

A epidemia do HIV:

Há poucos anos, tivemos a epidemia do HIV. Jovens perdiam seus amigos um por um sem saber quem seria o próximo nem quando seria a sua vez.

No inicio, não se sabia que era um vírus ou quem poderia pegar, nem muito menos como se transmitia, observou-se apenas, que homens que faziam sexo com outros homens começaram a morrer por infecções que até então não eram capazes de causar doenças nem mesmo em um bebê, o que levou a um estigma ligando a doença à conduta de vida ou opção sexual que, por incrível que pareça, ainda persiste até hoje em algumas mentes.

Os doentes, ao receber o diagnóstico, sentiam o julgamento e o medo da sociedade como se eles pudessem transmitir a desgraça apenas pela presença, enquanto viam seu corpo definhando, sem nenhuma esperança.

Manchas escuras se alastravam pelo corpo cada vez mais fraco, sabendo que o final seria ainda mais sofrido com pneumonias graves, convulsões, loucura, dor, e o pior de tudo, muitas vezes sozinhos, pois sua família não sabia de sua condição de homossexual, ou não o aceitavam, seus poucos amigos estavam doentes ou com outros problemas, e, até mesmo a equipe de saúde os negligenciava pois, ainda não se sabia as formas de contágio e muitos tinham medo até de se aproximar dos pacientes.

Outros exemplos de epidemias:

Exemplos ainda mais recentes de situações similares são a epidemia pelo Vírus Ebola, Zika vírus e agora, o aumento dos casos do Vírus Influenza H1N1.

Situações de epidemia podem fazer pairar nuvens negras no céu. Tempos de medo e morte…

Em meio a toda essa situação, que ,dependendo do caso, pode parecer apocalíptica, quando o instinto de sobrevivência, ou o egoísmo natural do ser humano, levam muitas pessoas a dar as costas para quem foi atingido  e fugir do invisível, uma pessoa se levanta e caminha no sentido contrário, em direção ao olho do furacão e se expõe ao risco mais que qualquer um outro, com o intuito de descobrir o culpado, entendê-lo, encontrar suas fragilidades e definir estratégias de combate e tratamento, tanto para salvar os doentes, quanto para proteger os não doentes, prevenindo novos casos.

É claro que o médico infectologista não faz nada disso sozinho. Seu trabalho só é possível porque existem várias profissões que se unem para produzir conhecimento: cientistas, biomédicos, estatísticos, químicos, patologistas, farmacologista , entre outros.

O que faz um médico infectologista?

Ele reúne as descobertas de todas as áreas, as assimila e faz delas caminhos para a ação, divulgando a informação para os demais médicos, formadores de opinião e população em geral, controlando a histeria da população e a frustração geral quando as soluções da ciência não chegam tão rápido quanto a população quer ou precisa.

Testa tratamentos, dando esperança e uma nova vida às pessoas doentes.

Desenvolve, elabora, desenha e divulga vias de implantação de prevenção, enterrando aqueles dias sombrios no passado.

Sempre me perguntam porque escolhi ser infectologista, acontece que sempre gostei  dessa guerra infinita contra o invisível.

Tenho muito respeito por estes seres microscópicos tão complexos que nos causam tantos problemas, mesmo com todo o nosso conhecimento e tecnologia.

Mais que isso, eles mudam, se adaptam, e resistem a todas as nossas tentativas de destruí-los, além de aparecer cada dia mais seres que antes nem sabíamos que existiam.

A maioria das doenças crônicas, até mesmo as não transmissíveis, tem como desfecho final para a morte, complicações infecciosas.

Ser infectologista significa perder muitas e muitas vezes, isso faz parte de ser médico e até mesmo de ser humano.

Mas se fizermos nosso dever de casa direitinho e nos esforçarmos muito, podemos ganhar várias pequenas batalhas, e, se tivermos sorte e estivermos no lugar certo, com as pessoas certas, podemos eventualmente fazer parte de grandes vitórias.

Porque se comemora o dia do Infectologista em 11 de Abril?

Em 11 de Abril de 1862 nasceu Emílio Ribas. Veja algumas de suas conquistas:

  • Ele provou que a Febre Amarela não se transmitia por contato direto com pessoa doente e sim pela picada do mosquito
  • Exterminou o mosquito  Aedes aegyptii em varias cidades paulistas, combatendo a Febre Amarela
  • Fundou o Instituto Soroterápico do Butantã
  • Colaborou a Sanatório Campos do Jordão para tratamento de pessoas com Tuberculose

Saiba mais sobre a Infectologia aqui.

Dra Keilla Mara de Freitas – Médica Infectologista

CRM SP 161.392  / RQE55.156


Compartilhe
  • 15
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

101 thoughts on “Infectologista: o médico dos tempos difíceis

  1. Me impressiono todos os dias com a competência desta profissional. Dedicação é seu nome e respeito pela vida, seja ela qual for, é a sua melhor qualidade.
    Sucesso sempre Dra. Keilla

  2. Ola doutora keilla porque falam que tem que começar o tratamento com o pep em 2 hora mas as estimativa pode ser ate as 72

  3. Depois de todos sintomas,
    Fui a infectologista, expliquei minha historia. Me perguntou sobre situação de risco, falei que não tive NENHUMA relação sexual a mais de 3 meses. Desprotegida então deve ter mais de 10 anos.
    Ela me passou exame anti-hiv + PCR qualit, Cd4/8.
    Todos negativos, permaneço com o corpo debilitado, resfriado, gripado e com manchas a toda hora.
    Minha relação de cd4/cd8 é 0,8
    Quando leio que soronegativos tem 1,2 no minimo.
    Poderia me explicar essa relaçao cd4/8 pf?

    1. Existem muitas causas para queda da imunidade. se sua imunidade está baixa e o diagnóstico de HIV foi descartado, uma avaliação mais profunda sobre outras causas de imundiade deve ser realizada.
      a relação entre os valores de linfocitos mudam de acordo ao numero absoluto, dele, se algum deles está maior ou menor que o usual a relação muda.

  4. Tive um encontro com uma mulher e só aconteceram carícias, mas ao lamber os seios dela senti um gosto diferente e cuspi na mesma hora, não ingeri nada, só senti o gosto na língua e cuspi na mesma hora.
    Corro algum risco de contrair hiv ou outra doença?
    Desde já agradeço a atenção.

  5. Boa tarde!
    Dra. Keilla, tenho uma dúvida! Em uma suposta infecção pelo vírus do HIV, um paciente evolui para AIDS ao longo dos anos. Qual a chance de ter resultados negativos em teste rápido (ALERE), exame anti-hiv e teste nat? Essa condição afetaria a aferição dos testes? Obrigado!

  6. cestouom toxoplasmose meu resultado foi: 7,11 index. nao reagente: inferior a 0,50 index 0,50 a 0,50 index superior ou igual a 0,60 index. quero saber se esse resultado e perigoso, se pode afetar a formacao do meu nenem e causar risco para nos dois.. obg!

  7. Dr. boa noite.
    Tive um encontro com uma mulher, 31/08.
    Após 22 dias ambos realizamos teste rápidos imunocromatografia. (sangue), para os dois o resultado foi não reagente.
    Após 34 dias realizei novamente um teste de imunocromatografia, desta vez somente eu e novamente não reagente.
    Depois, ela realizou o teste com 54 dia novamente o mesmo teste de imunocromatografia e novamente não reagente.

    Posso encerrar o caso ?

  8. Olá boa tarde Dra, beijei uma pessoa e saiu sangue na minha boca, percebi pelo gosto de ferro, fiquei um minuto com esta sensação e fui ao banheiro e cuspi, e estava vermelho, apesar que a pessoa estava chupando uma bala halls cerja mas o gosto de ferro e q me chamou atenção, quando cuspi foi um vermelho escuro em fim, não sei se engoli… Estou fazendo pep 3 horas depois do fato , a médica do Emílio Ribas disse q a probabilidade é bem baixa, eu li os artigos e não vi nada sobre este assunto,

  9. Era uma pessoa supostamente soropositiva, se engoli o risco aumenta ? Ou fica na mesma? Não tinha nenhuma ferida na minha boca… muito obrigado pelo seu trabalho, so há comentário muito bons sobre vc na internet! Parabéns…

  10. Olá, fiz um exame de 4a geração 28 dias depois da exposição de risco e i resultado deu não reagente. Fiz também um exame rápido com 29 dias também não reagente. Um mês e duas semanas mais ou menos antes do exame entrei numa dieta muito restritiva para perda de peso, sendo que, passei a me alimentar mais saudável e com suplementação duas semanas antes do exame. Existe a possibilidade de por causa de um sistema imunitário abalado por causa da dieta ter favorecido um falso negativo!

  11. Na pergunta acima não era uma exclamação e sim uma pergunta, Existe a possibilidade de por causa de um sistema imunitário abalado por causa da dieta ter favorecido um falso negativo?

  12. Olá doutora, minha dúvida é sobre após o término dos 28 dias da pep, eu faço o teste do hiv, se der negativo, eu tenho que tomar os remédios por mais 28 dias novamente ou não?

  13. Oi tudo bem! Tive uma relação de risco em 05 de setembro! Fiz 4 exames! Um com 11 dias após de 4 geração pra detectar p24 é um de 32 dias após, além de um com 58 dias e um de 92 dias! Todos deram não reagente!
    Tenho hipotireoidismo, isso altera a janela definitiva de 90?
    Por favor me responda pois estou desesperado!

      1. Então posso encerrar o caso com esse exame de 92 dias de 4 geração não reagente ou preciso fazer outro de 120 dias pra ter certeza?
        Tive uma gripe com tosse seca, mas fui em um infecto e ele me disse que é pra esquecer os sintomas pois fiquei abalado psicologicamente e disse que é vida normal! Vc concorda ou sugere mais testes após 92 dias ?
        Obrigado

  14. Também tive suores noturnos e garganta inflamada é uma certa coceira no corpo! Minha situação de risco foi sexo oral com garota de programa( em 05 de setembro! Diz meu infectologista que até q diarreia e causada pelo medo do hiv e toda gripe após uma situação de risco gera ansiedade! Ele disse que é pra esquecer o ocorrido pois um exame de 4 geração com 92 dias não erra! Ainda existe soro conversão após 90 dias?

    1. Olá. Esse sintoma isolado não é considerado sintoma do HIV, se surgir novos sintoma você deverá procurar um médico para analisá-lo pessoalmente e solicitar os exames cabíveis.
      Para entender melhor sobre o risco de transmissão para cada tipo de exposição, sugiro a leitura do artigo: https://www.drakeillafreitas.com.br/risco-de-transmissao-do-hiv-de-acordo-a-exposicao/
      Para entender melhor sobre os sintomas de infecção do HIV, sugiro a leitura do artigo: https://www.drakeillafreitas.com.br/diagnostico-do-hiv-sintomas-de-infeccao-recente/

  15. Dra Keilla, recebi sexo oral de 3 garotas de programa sem camisinha, e apos 1 ano e meio fiz o teste de hiv 4ª geraçao, deu nao reagente, é confiavel ? Fico inseguro….

  16. Há 7 anos atrás fui ao barbeiro para cortar o cabelo e quando fui fazer o pé o barbeiro me cortou e passou o dedo no meu sangue,fiquei nervoso na hora e perguntei se ele tinha se cortado também pois vi um pouco de sangue no dedo dele ,e ele me respondeu que o sangue era meu e estava estancando.
    Posso ter contraído o vírus HIV ?
    Obrigado e continue sendo essa pessoa maravilhosa que vc é ajudando as pessoa

  17. Tive uma relação sem camisinha com uma mulher que conheci em uma festa, por coincidência ou não, tive uma amigdalite bacteriana com muita placa logo depois de 1 semana da relação, isso me deixou muito preocupado, aguardei 30 dias após a ultima relação de risco, e fiz os exames de laboratorio para hiv1 e hiv2, o resultado deu não reagente. Doutora, gostaria de saber se devo me preocupar em fazer outro exame, ou náo devo mais me preocupar.

  18. Boa noite, Dr Keilla. Primeiramente muito obrigado por disponibilizar conteúdo pra evitar pegar DSTs.
    Por gentileza, estou muito preocupado porque eu beijei um cara e fiz sexo oral sem camisinha nele, na quinta-feira, 13/02/2018. A partir da sexta feira eu senti uns formigamentos pelo corpo, e um pouco nos labios e na garganta. o ato foi por uns três minutos, e não teve mais nada. Por enquanto não surgiram bolhas, mas dentro da boca estou com aftas e um pouco de espinhas. labios estao secos.

    1. Boa tarde e obrigada por suas palavras.
      Estes sintomas começaram muito cedo para estar relacionado a HIV dessa exposição em especial. mas Você precisa ser avaliado pessoalmente por um médico infectologista de sua confiança para chegar a um diagnóstico.

  19. boa tarde!
    tive relaçao risco em dezembro de 2014 fiz 10 exames 4 geraçao todos negativos posso ainda positivar, estou muito preocupada.

    posso encerrar o caso

  20. Boa tarde Dra. Ha 91 dias de uma relação desprotegida fui a um CTA e fiz o t rápido (não reagente),tbm foi enviado material ao laboratório, resultado todos não reagente (hiv, sífilis e hepatites). No exame de hiv consta as seguintes informações: Sorologia hiv 1+2 -Método: Quimioluminescência
    Composição de ensaio: antígeno p24 do hiv e dos anticorpos dos vírus tipo 1, incluindo o grupo O e tipo 2. No laboratório me falaram que é 4 geração. Fiz outro t rápido com 125 dias. Posso encerrar?

  21. Bom dia Dra !
    Realizei um teste para Sifilis 15 dias após o contato de risco VPDR e outro após 90 dias CMIA,ambos negativos ,posso descartar a posso de contagio ,uma vez que não apresentei sintomas ? Obrigado .

    1. Bom dia. Não consigo emitir um parecer sem examiná-lo. Sugiro que procure um médico Infectologista de sua confiança para te avaliar pessoalmente e solicitar todos os exames cabíveis para o seu caso.

  22. Dr foi o seguinte estava no trabalho a cortar carne e o osso da carne ( porco ) perfurou o meu dedo… E considerado risco ? Obrigado e parabéns pelo deu trabalho .

  23. fiz sexo oral em um rapaz e ele ejaculou na minha boca. Ele fez o teste no cta com 75, 109 e 120 dias após o sexo oral, e todos deram negativo, hiv, sifilis e heptatites e me mandou foto de todos os exames. Eu fiz com 88 dias apos o sexo oral um teste de hiv de 4 geração no laboratorio, que deu negativo tb. Ainda corro o risco de ter pego hiv dele? tenho uma sinusite que não sara.. nao tive mais nenhum contato de risco de nenhum tipo depois desse sexo oral. Posso encerrar o caso?

  24. Trabalho em África e vivo agora num hotel. Esta manha vieram fazer limpeza do banheiro enquanto eu estava dormindo na cama. Quando levantei, cerca de 30m depois, usei sanita e estou mestruada. Depois tomei banho e quando terminei vi que tinha um pequeno papel com sangue no chao e eu pisei. Na hora deitei no lixo e nao dei importancia, andei sempre descalça, vesti-me e arranjei-me.Mas agora fiquei preocupada de nao ser meu e ser da empregada. Corro algum risco?

  25. Dra tive uma relaçao com uma mlr portadora do hiv ja fiz 4 exames o ultimo exame foi com 7 meses depois da minha exposiçao de risco e com 6 meses doei sangue no hemoce e todos os resultados deu n reagente. Ate o do hemoce chegou na minha kza tudo normal . Ja falei com uma medica infectoligista em um hospital aqui da cidade ela me disse que eu n corro mas risco entao eu posso encerra o caso?

  26. Olá no último dia 24 tive um relação sexual, o oral foi desprotegido, na qual eu pratiquei, sem ejaculação na boca e também não tinha nenhum corte ou ferida na boca, desde o dia 09 de junho venho sentindo minha garganta irritada, mas não doi pra engolir, no caso de infecção por hiv, pode manifestar apenas um sintoma.?

  27. Bom dia doutora fui ajudar uma pessoa na rua e ela estava sangrando ai espirrou um pouco de sangue no meu olho bem pouco queria saber qual resco desta exposicao para hiv e se com teste rapido com 42 dias e um de 4 geracao com 50 dias ja escluem as possibilidade de dar possitivo.

  28. Bom dia Dr. Keila! Eu gostaria de saber quais os primeiros sintomas do hiv . Se alguns a pessoa não sentir nenhum sintoma precisa se preocupar?

  29. DR .ADMIRO DEMAIS O SEU TRABALHO ,ME TIRA UMA DÚVIDA POR FAVOR QUANTO TEMPO O VÍRUS DO HIV SOBREVIVE FORA DO CORPO?
    EX:MANICURES QUE USAM O MESMO PALITO EM TODAS AS CLIENTES,ESMALTES CONTAMINADOS.

  30. Olá Dra.
    No mês de fevereiro desse ano apareceu próximo ao meu abdômen uma verruga que lembrava muito molusco contagioso após um tempo sumiu e não voltou mais de março pra cá realizei diversos teste rápidos e um Elisa de 4 geração na delboni, o último que fiz foi o do hemocentro o nat e outra sorologia todos negativos, com esses resultados posso descartar o hiv ?

  31. O Elisa de 4 geração foi feito no dia 25/04 o do hemocentro foi no dia 25/06 o resultado saiu no dia da 10/07, lembrando que foi feito teste rápido em todos os meses desde de março até o dia 02/08 todos negativos. Posso descartar com segurança o hiv ? Desde já grato

  32. Fui no dentista, sei que todo material é descartável. Mas aquele sugador ficava encostando numa superfície de ferro. Imaginuo que ele troque esse sugador, mas que ele não limpe a superfície e fique sujo de saliva , as vezes, saliva com sangue, como no meu caso, de outros pacientes, encostando na mesma superfície, e colocando nas bocas, possa ser porta de entrada para o hiv. Estou apreensiva.

  33. Dra, existe um tempo específico entre cada paciente ir ao seu médico? Por exemplo, todo soropositivo, ele tem que ir mensalmente, ou isso varia?
    Que livro me indicaria sobre casos de HIV, remédios e tratamentos para quem quer conhecer o assunto? Obrigado!

  34. Bom dia doutora
    Gostaria de tirar uma dúvida . Fiz sexo oral sem proteção nao tinha nenhuma ferida sangrando em minha boca mas tenho rachaduras na lingua e gengivas sensíveis quando escovo os dentes sangram. Apos uns dias surgiu umas manchinhas redondinha vermelha principalmente nas mãos mas elas aparecem e somem não coça parece que é interna podem ser o rasch do hiv? Nao tive febre . Se fizer aqueles teste rapido no centro de testagem com 19 dias ja da pra ver alguma coisa?

  35. Bom dia dr. Recebi sexo oral de uma travesti garota de programa sem preservativo, tem alguma possibilidade que eu esteja contaminado?

  36. Ola dotora a 1 anos atras tive relaçao desprotegida com uma mulher portadora do virus hiv. Eu ja fiz 7 exames 3 rapidos em um hospital muito conhecido e doe sangue no hemoce da cidade e fiz um de 3 geraçao que detecta so anticorpos e outro de 4 geraça que detecta antigenos p24 e anti hiv1ehiv2 veio um grafico dizendo 0.093 n entendi oq quer dizer isso? Mas logo abaicho veio dizeno conclusao Amostra n reagente para hiv . Lenbrano que essi ultimo exame eu fiz com 9 meses depois da minha exposiçao

    1. Boa noite. Com relação ao HIV, teste diagnósticos específicos realizados em locais de confiança (ou seja, aqueles locais nos quais você confia no resultado do teste) após o período máximo da janela imunológica (tempo entre contato com o vírus e o aparecimento de resultado positivo ou reagente pelo exame) descartam o diagnóstico de HIV. No caso do teste de 4 º geração, um resultado negativo a partir dos 90 dias após a última exposição de risco, já exclui o caso. No caso de teste de 3 geração, o tempo máximo é de 180 dias.

  37. Fiz testr de 3 geracão com 30 60 90,151 e 182 dias (em local de confiança) depois um rápido c/ 300 e poucos dias. A pessoa que tive contato fez com 152 dias. Tive 2 vezes manchinha no céu da boca. A infecto falou nao ser nada e encaminhou p/ quiatra. Fui no gineco, ele falou que o rapido nao serve pra nada e me recomendou fazer um novo teste. Além disso, disse que a culpa é toda minha e que se eu quiser ele me arranja uma pessoa soropositiva para eu me relacionar. Estou sem chão.

    1. Bom dia. Com relação ao HIV, testes diagnósticos específicos realizados em locais de confiança (ou seja, aqueles locais nos quais você confia no resultado do teste) após o período máximo da janela imunológica (tempo entre contato com o vírus e o aparecimento de resultado positivo ou reagente pelo exame) descartam o diagnóstico de HIV. No caso do teste de 4 º geração, um resultado negativo a partir dos 90 dias após a última exposição de risco, já exclui o caso. No caso de teste de 3 geração, o tempo máximo é de 180 dias.

  38. Bom dia.Após beber bastante, acabei conhecendo um travesti. Transamos a noite toda com o uso de preservativo, entretanto, após a última transa, o mesmo sentou em cima de mim minha e acabou liberando aquele líquido pré ejaculatorio, vindo a “molhar” grande parte da minha cueca e o meu pênis. No momento que eu senti o liquido molhar o meu pênis pedi para o mesmo sair de cima de mim, entretanto fui limpar meu penis que se encontrava amolecido e, se não me engano, arregaçado (Não lembro muito bem)

    1. Boa tarde. Ná dúvida se houve exposição ou não, ou mediante a certeza de uma exposição ao risco de se infectar, você deve procurar um médico infectologista de sua confiança para te avaliar pessoalmente e solicitar todos os exames cabíveis, não apenas os de HIV mas o de todas as demais infecções sexualmente transmissíveis e que podem ser transmitidas da mesma forma que o HIV, independente de ter sintomas ou não.

  39. Dra. Drakeila, toquei no genital de um parceiro, sobre sua calça por 3 vezes. Após uns 10 minutos, acho que me distraí e cocei um olho com a mão até então sem lavar.Fiquei com receio de ele ter líquido pré-seminal na calça. No momento que toquei não percebi nada, andei de bicicleta esses 10 minutos pegando bastante vento (creio que teria secado ou matado o vírus, além do vírus ter que passar sobre o tecido da calça e cueca. É risco desprezível? Muito obrigado

  40. Os sintomas da fase aguda duram quanto tempo? Realizei vários exames, 4g com 23d e uns 9 testes rápidos o último com 176 fias, todos não reagentes. Venho sentindo dores terríveis ( queimação nas pernas, dores nas articulações como: joelhos, tornozelos e ombro), estou com o pescoço do lado esquerdo doendo, minha está branca. O que pode ser ? O HIV está descartado?

    1. Boa tarde. Sintomas de fase aguda do HIV variam de acordo com cada pessoa, a maioria nem apresenta nenhum sintoma. O tempo que leva para os sintomas desaparecerem também varia de acordo com cada caso. Mas é “agudo”, ou seja, espera-se que não dure mais de 2 semanas, geralmente menos.
      Saiba mais aqui: https://www.drakeillafreitas.com.br/hiv-saiba-o-que-e-sindrome-retroviral-aguda/
      A janela imunológica dos testes rápidos é de no máximo 6 meses após a exposição de risco. A não ser que tenha tido outras exposições de risco e se o teste foi realizado de forma correta e em local de confiança, pode encerrar o caso.
      No entanto, sugiro que procure um médico para que investigue o sintomas que esta sentindo.

  41. Bom dia doutora!!
    Fiz uma depilação íntima no salão de beleza com cera quente e cera rollon ,mas percebi que a cera em rollon já estava acabando,ou seja ela já tinha usado em outra pessoa antes,nesse caso tem como ocorre a contaminação do HIV já que minha pele tava sensível e com feridinhas causada por a cera.

  42. BOM DIA!!
    DOUTORA FIZ UMA DEPILACAO INTIMA EM UM SALAO DE BELEZA E USEI A CERA QUENTE E A CERA ROLLON,PERCEBI NO FINAL DA DEPILACAO QUE A CERA ROLLON USADA EM MIM JA ESTAVA NA METADE,SENDO ASSIM ELA JA TINHA USADO EM OUTRA PESSOA,POSSO CONTRAIR O VIRUS HIV COM ESSA CERA EM ROLLON?
    SENDO QUE ELA PASSOU A CERA EM ROLLON EM LUGAR AONDE ESTAVA FERIDO POR CONTA DA CERA QUENTE?

  43. Então doutora posso continuar fazendo a depilação em salão de beleza sem me preocupar em ser contaminada?Ou e melhor descarta a depilação em salão?
    Pesquisei na internet e os resultados falaram que era de fácil contágio para o HIV e eu fiquei muito preocupada.

  44. BOM DIA DOUTOURA!
    FIZ MINHA UNHA ONTEM COM O ALICATE DA MINHA AMIGA E TIREI UM PEQUENO BIFE QUE NÃO CHEGOU A SANGRAR MAS QUANDO PASSEI ACETONA ARDEU ,POSSO CANTRAIR HIV CASO A MINHA AMIGA TENHA?SENDO QUE ELA TINHA USADO O ALICATE UNS TRINTA MINUTOS ANTES DE MIM.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top