Você está aqui
Home > Infecção Crônica > Conheça os Tipos de Tuberculose Extrapulmonar

Conheça os Tipos de Tuberculose Extrapulmonar

Compartilhe

Tuberculose Extrapulmonar

Ao contrario do que muita gente imagina, Tuberculose não é uma doença que afeta apenas o pulmão.

Além disso, não é uma doença que já não existe mais ou que afeta apena pessoas pobres.

Vamos aprender mais sobre Tuberculose?

 

Tuberculose – uma doença atual e prevalente

Estima-se que aproximadamente um terço da população mundial entrará em contato e se infectará com o bacilo da tuberculose ao longo da vida.

Apenas uma pequena parte das pessoas que entram em contato desenvolverão doença ativa.

Existem 2 tipos de doença ativa:

  • Pulmonar
  • Extra-pulmonar

Tuberculose 

Tuberculose: Saiba mais

Tuberculose Extrapulmonar

Podemos chamar de tuberculose extrapulmonar todos os casos nos quais o paciente desenvolve a doença em qualquer região do corpo, que não o pulmão.

Cerca de 20% dos quadros de Tuberculose ativa são de localização extra-pulmonar

Existem diferentes tipos de tuberculoses extrapulmonares, sendo nomeadas de acordo com a região ou órgão que afetam. Veja a seguir:

  • Pleural
  • Laríngea
  • Ocular
  • Cutânea
  • esquelética
  • Ganglionar
  • Sistema Nervoso central
  • Abdominal
  • Geniturinário

Tuberculose Pulmonar e HIV

O principal fator de risco para desenvolvimento de Tuberculose extrapulmonar é a infecção pelo virus HIV

Dentre todas as pessoas que apresentam a forma extra-pulmonar da Tuberculose, 50 % vivem com o vírus HIV

Enquanto que apenas de 10-15% das pessoas com tuberculose ativa e que não possuem o vírus HIV, desenvolvem a forma extra-pulmonar.

 

Saiba mais sobre os sintomas de cada tipo de Tuberculose aqui:

Sintomas da Tuberculose

 

 

Tratamento da Tuberculose

 

Para tratar a condição corretamente, é necessário buscar ajuda médica para obter a identificação e localização da tuberculose.

 

O tempo de duração do tratamento para a tuberculose dura em média 6 meses, por esse motivo muitos pacientes acabam abandonando o tratamento e tendo uma piora com graves consequências.

No entanto, uma vez que o tratamento é finalizado, a pessoa estará curada da infecção, mas isso não significa que ela está imune à doença, ou seja, pode haver reinfecção quando exposta novamente à bactéria. 

 

Para saber mais sobre sintomas e outros aspectos da Tuberculose pulmonar ou extra-pulmonar acesse:

 

 

 

 

 


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top