Você está aqui
Home > Vídeos > Campanhas > O Que Aumenta o Risco de Transmissão do HIV?

O Que Aumenta o Risco de Transmissão do HIV?

Infectologista - O Que Aumenta o Risco de Transmissão do HIV?
Compartilhe

O vírus do HIV pode despertar diversas dúvidas a respeito de como é feita sua transmissão e o que pode aumentar o risco de se infectar.

Para que ocorra a transmissão do vírus do HIV, é necessário que haja o contato do vírus de uma pessoa com o organismo de outra pessoa que ainda não tenha o vírus.

É muito importante questionar-se de que forma o vírus pode chegar no organismo dessa pessoa.

A pessoa pode se infectar a partir do contato direto do organismo com algum material potencialmente contaminante, através de feridas abertas, pele machucada e mucosas (que incluem a mucosa do olho, por dentro da boca, região genital e região anal).

Material potencialmente contaminado em pele íntegra não é considerado exposição ao vírus. No entanto, se a pele está íntegra e há uma perfuração da pele com o material contaminado (por exemplo, uma agulha contaminada com o sangue), aí sim é considerado o risco.

Isso é essencial no momento da avaliação pré profilaxia pós-exposição, porque a pessoa pode achar que sofreu exposição ao vírus quando, na verdade, isso não ocorreu de fato.

Deste modo, o indivíduo acaba se submetendo a uma reação adversa ou de toxicidade ocasionada pelos remédios da profilaxia do vírus, sem absorver nenhum benefício, uma vez que este sequer se expôs verdadeiramente ao vírus.

Outro fator igualmente importante é que muitas pessoas tem medo do contato com a saliva. Isto não é justificado, visto que este não é um material contaminante. A única situação na qual a saliva pode ser considerada um material contaminante para HIV é em ambiente odontológico.

Ainda assim, o que está contaminando na verdade é o sangue, e não a saliva em si. Logo, contato de genitais com saliva, por exemplo, não é uma situação de exposição ao risco para a pessoa que está recebendo o contato com a saliva. 

Clique aqui e saiba mais sobre o HIV vendo mais artigos em nosso site.


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

181 thoughts on “O Que Aumenta o Risco de Transmissão do HIV?

  1. Ao colocar a camisinha a GP toca na parte interna com seus dedos com pouca quantidade de fluidos vaginas. Esse risco se assemelha ao da tabela como sexo pênis vagina insertivo?

  2. Dr. Keilla quais risco de transmissao de hiv para quem trabalhar na segurança em relacao a algema , contato físico com soropositivo hiv, tive um.contato físico com a algema o preso era soropositivo, eu nao estava machucado e o preso tambem nao.

  3. Boa tarde, três testes rápidos, um Elisa 4° geração e um pcr quantitativo todos não reagentes durante 3 meses após relação de risco, são confiáveis? Pode haver uma soroconversão ou com o pcr posso encerrar?

  4. Boa noite
    Gostaria de saber
    Depois 7 dias da relação
    E possível sentir sintomas de HIV
    Sensação de queimação nas costas
    Aparecimento de caroço e coça pelo corpo
    Aparece em pé no braço na perna nas costas
    Dois dias direto queimação na nuca
    Você pode me ajudar
    Dando a sua opinião

  5. Sabemos que existem alguns casos de sorologia para HIV com resultado falso positivo. Eu tenho resistência a insulina e Tireoidite de Hashimoto, isso pode levar a um falso positivo?

  6. Bom dia! Parabéns pelo excelente trabalho. É sabido que beijo na boca não transmite o HIV. Mas tenho uma dúvida, beijei uma garota soropositivos tinha o dente siso apontado, não senti gosto de sangue, no caso se essa garota ter colocado secreção vaginal na boca e dps me beijado configura risco de transmissão? E caso ela esteja indetectável?

  7. Boa noite! Tive um acidente com objeto perfurocortante e decidi tomar a Pep, no entanto estou tomando doses de vacina antirrábica pois trabalho com animais silvestres. Tem algo comprovado na literatura que possa um interferir no efeito do outro?

  8. Olá Dra. Kelly!
    Poderia tirar uma dúvida por gentileza?
    Sei que a pergunta pode até ser recorrente mas mesmo assim tenho dúvidas.
    No caso de uma pessoa estar com hiv e eu abraçar, apertar a mão ou até mesmo ter contato com o suor dessa pessoa, existe algum risco de infecção pelo hiv?
    Desde já agradeço Dra.
    No aguardo.
    Obrigado!

  9. Olá Dra. Keilla! Nas doenças como a Gonorreia, Clamidia e Tricomoniase. No caso de suspeita existe o exame para detectar como a Cultura ou PCR. Mas no caso da pessoa ter tomado os antibióticos antes de fazer esses exames irá curar. Tem algum outro exame para saber se a pessoa teve alguma dessas doenças e foi curada? Como acontece com os exames de Hepatite ou Sifilis? Talvez um Igg ou Igm. Ou a pessoas não saberá se teve as doenças? Obrigada.

  10. Tive uma exposição de risco e infelizmente atrasei a busca pela PEP e somado a demora no atendimento comecei após as 72h. Sempre ouço que passado esse prazo não há garantias … isso é fato? Isso me oferece mais riscos quanto a ineficácia ou teria uma margem… ? Estou no 24º dia da PEP. e angustiado com essa questão do ínicio da PEP.

  11. A luva rasgou e meus dedos sujaram de sangue, tirei a cuticula da unha um dia antes desse ocorrido. Corro risco de ter me contaminado?

  12. Olá, eu tive uma relação com uma pessoa pessoa que não conheço a sua vida sexual. A relação foi toda com preservativo, até o sexo oral. As minhas dúvidas eram sobre qual a probabilidade de apanhar HIV por eu ter tocado no preservativo depois da relação e depois tocar na pele exterior do penis e depois de seguido lavar tudo com água e sabão e também se posso ter apanhado por ela ter passado saliva no meu ânus

  13. Doutora, sou soropositivo, estava conversando com uma amiga, em um momento de euforia da conversa, ela me segurou forte no braço e acabou me arranhando com a unha, ela pode ter pego hiv?

  14. Olá doutora,
    Meu parceiro ejaculou, apenas se limpou (não se lavou) e em seguida fiz sexo oral nele sem proteção, contudo depois percebi que estava com uma pequena afta. Tenho risco de ter me infectado com hiv, caso ele seja soropositivo?

Deixe uma resposta

Top