Você está aqui
Home > Vídeos > Campanhas > Profilaxia Pós-Exposição e Infecção Aguda pelo HIV

Profilaxia Pós-Exposição e Infecção Aguda pelo HIV

Profilaxia Pós-Exposição E Risco De Infeccao Aguda Pelo Hiv

A Profilaxia Pós-Exposição (PEP) é um esquema de utilização dos medicamentos antirretrovirais por pessoas que sofreram exposição com um risco significativo de contrair o vírus do HIV.

É bastante improvável que haja sintomas de infecção aguda durante a PEP, pois é justamente os altos níveis de vírus no sangue que está relacionado aos sintomas de infecção aguda pelo HIV (também chamado de síndrome retroviral aguda).

No entanto, quando a pessoa está usando a Profilaxia Pós-Exposição do HIV, mesmo que este esquema não tenha uma eficácia muito boa, ou seja, que a pessoa acabe se infectando, ele ainda vai ter efeitos positivos durante seu uso, em termos de abaixar os níveis de vírus no sangue.

https://youtu.be/T7Bj8-Mpk9k

Logo, é muito difícil que uma pessoa que está fazendo uso da Profilaxia Pós-Exposição do HIV, chegue a ter sintomas relacionados à Síndrome Retroviral Aguda, pois os níveis de vírus no sangue vão estar baixos, mesmo que a Profilaxia não interrompa o processo da infecção.

Mas lembre-se: a pessoa pode não apresentar absolutamente nenhum sintoma, e ainda assim estar infectada pelo vírus HIV.

Portanto, se houve uma exposição, independente de ter ou não ter sido feita a Profilaxia Pós-Exposição, o médico infectologista deve ser consultado, para que sejam realizados os exames não apenas de HIV, mas das outras infecções sexualmente transmissíveis pelo tempo correto, de acordo com a janela imunológica de cada tipo de exame, com o objetivo de que ao final desse processo a possibilidade de transmissão daquela exposição de risco seja totalmente excluída ou confirmada.

O esquema pode ser iniciado até 72 horas após a exposição. Após esse período, o esquema não apresenta benefícios. Porém, é importante ressaltar que este deve ser iniciado o quanto antes, pois está diretamente relacionado com uma maior eficácia do tratamento.

Não deixe de realizar acompanhamento com o médico Infectologista. Fique em dia com a sua saúde.

CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

Dúvidas em: “Profilaxia Pós-Exposição e Infecção Aguda pelo HIV

  1. Dr. os meus sintomas como dor de cabeca, dor nos olhos e tensao muscular pode ta relacionado ao estresse}? ja teve caso de pacientes que ficaram estressados e tiveram esses sintomas. mas n estavam infectados? to no 10 dia. Essas reacoes n deveriam aparecer a partir do 14?

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top