Você está aqui
Home > Medicina Tropical > Dúvidas sobre Zika, Dengue e Chikungunya

Dúvidas sobre Zika, Dengue e Chikungunya

Compartilhe
  • 15
    Shares

Zika, Dengue e Chikungunya. Qual a diferença entre eles?

Tratam-se de 3 vírus chamados de arbovírus, ou seja, vírus transmitidos por mosquitos.

Esses vírus possuem alguns sintomas mais típicos e que pode nos fazer pensar mais em um que em outro.

Contudo, os sintomas podem ser muito similares entre si.

O quadro apenas não exclui nem confirma nenhuma das 3 infecções.

Como são transmitidos?

Eles podem ser transmitidos pelo mesmo  mosquito como o Aedes aegypti e o Aedes albopictus.

o Aedes aegypti se encontra espalhado em grande quantidade e em grande parte do território nacional.

É ele que tem maior poder de transmissão atualmente. 

O Aedes aegypti também pode transmitir outras doenças virias  como a Febre Amarela

Quais as melhores formas de prevenção para crianças e adultos?

A forma mais eficaz de prevenção que temos até o momento é o uso de repelentes para o mosquito. 

O mais importante é avaliar em cada repelente o tempo de duração para fazer nova aplicação.

Isso varia para cada produto e vem especificado em cada um. 

Sabemos que a hora do dia de maior atividade do mosquito é no amanhecer e no entardecer.

O mosquito não gosta de sol quente.

Em caso de necessidade de sair neste horário,  é aconselhável:

  • Usar repelentes
  • Usar roupas claras e de manga e calças compridas
  • Colocar telas contra mosquitos na área de fora das janelas e tela de proteção nos ralos da casa.

Para evitar a forma de transmissão de pessoa a pessoa por gotícula recomenda-se:

  • Evitar locais muito fechados e/ou com grande concentração de pessoas.
  • Caso seja necessário esta exposição, pode-se usar uma máscara cirúrgica

Essas medidas são ainda mais importante para as gestantes no primeiro trimestre,

O que fazer em casas onde há gestantes e alguém da família adoece:

  • Tentar guardar uma distância de pelo menos 1 metro entre a grávida e o doente
  • Essa distância deve ser mantida por pelo menos 1 mês
  • Manter a casa ventilada na medida do possível.
  • Como ainda não conseguimos descartar nem confirmar a transmissão por via oral, devemos:
  • Evitar o compartilhamento de utensílios de cozinha (copos, talhares, etc) com a gestante.

Após lavados com água e sabão, eles podem ser usados normalmente, mas não antes disso.

Também existe a transmissão por via sexual.

Recomenda-se em caso de suspeita de doença no homem, relações sexuais com preservativo

Quais são os sintomas?  Os vírus têm os mesmos efeitos em crianças e adultos?

Os três causam doenças que podem ter sintomas similares como febre, vermelhidão e coceira na pele, dor atrás dos olhos, mal estar geral, dor nas articulações.

Apenas pelos sintomas, não temos como afirmar ou excluir qualquer dos vírus

Quais são os perigos e complicações dos sintomas?

Apesar de sua apresentação clinica ser semelhante, as possíveis complicações são diferentes. 

O que mais nos preocupa na dengue é sua evolução para Dengue hemorrágica.

Isso pode levar a uma hemorragia grave em várias partes do corpo inclusive dentro do cérebro e pulmões e choque.

Este risco aumenta em pessoas que já tiveram Dengue previamente.

A chikungunya, geralmente está associada a dores articulares importante que podem permanecer muito tempo depois da resolução da doença.

Complicações mais raras da Chikungunya:
  •  Meningoencefalite,
  • Encefalopatia,
  • Convulsões,
  • Síndrome de Guillain-Barré,
  • Lesões oculares,
  • Miocardite,
  • Pericardite,
  • Insuficiência cardíaca,
  • Arritmias,
  • Insuficiência renal,  
  • Insuficiência respiratória,
  • Hepatite,
  • Pancreatite,
  • Úlceras na pele

Infecções em idosos e bebês pequenos tem uma maior chance de evoluir para quadros graves. 

O vírus Zika, parece ter uma atração pelo sistema nervoso.

Estando associado principalmente a microcefalia em bebês que estão em formação, e síndrome de Guillain Barré em adultos (enfraquecimento dos nervos periféricos

Existe um teste para confirmar as doenças?

Existem dois tipos de teste, os moleculares e os sorológicos. 

Os testes moleculares são também chamados de PCR (Reação em Cadeia de Polimerase) ou RNA Viral.

Eles detectam o próprio vírus circulando no sangue ou em outro material analisado como urina, esperma, liquido amniótico etc.

Estes  testes devem ser coletados durante a fase de doença em que há uma grande quantidade de vírus no sangue.

Os testes de sorologia detectam os anticorpos que produzimos ao entrar em contato com um determinado vírus.

Eles precisam de algum tempo para serem criados.

Por isso não adianta realizar testes sorológicos muito cedo pois testes negativos nestes casos , não excluem a doença.

Para o vírus Zika estes testes funcionam da seguinte forma:

  • Teste de PCR para o vírus Zika

Em sangue: Deve ser realizado entre 3 e 7 dias do inicio dos sintomas, especialmente no 5º dia.

Na urina, o vírus pode ser encontrado por mais alguns dias;

  • Testes de sorologias

Os teste disponíveis hoje ficam positivos apenas a partir do 14º dia do inicio dos sintomas.

O grande problema dos testes disponíveis atualmente são as reações cruzadas com outros vírus.

Isso pode levar a um “falso positivo”, o seja, o resultado do teste sai reagente para o vírus Zika mas, mas na verdade, a pessoa teve contato com um outro vírus.

Causas de testes falso positivos para o Vírus Zika

  • Infecção previa pelo vírus da Dengue
  • Vacinação prévia com a vacina da Febre Amarela

Alguns testes como o realizado na Alemanha são mais específicos, mas com maior custo.

No Brasil,

Estamos em fase de desenvolvimento de testes sorológicos mais adequados, que possam ser realizados em grande escala para suprir a demanda e com um menor custo. 

Para o vírus Chikungunya, os testes sorológicos de contato recente, chamados IgM costumam ficar reagentes após 5 dias de sintomas , mas podem levar ate 12 dias para isso acontecer.

Os marcadores de contato mais antigo, os IgG, costumam ficar reagentes após 2 semanas do inicio dos sintomas.

Já os testes moleculares de detecção de RNA viral podem ser realizados no sangue já na primeira semana de doença mas geralmente apos 5 dias do inicio dos sintomas a quantidade de vírus circulando no sangue já cai drasticamente.

Os testes de diagnóstico para Chikungunya ainda possuem um alto custo e por isso, são raramente pedidos. 

Para o vírus da Dengue, geralmente não utilizamos testes moleculares, pois tem um alto custo e só são sensíveis até o 5º dia de doença, de preferencia até o 3º dia.

Além disso dispomos de vários tipos de sorologias, inclusive para fases mais precoce  com uma boa sensibilidade, especificidade e menor custo.

Contudo é necessário uma analise do tempo de e evolução da doença para a escolha adequada do exame.

Os testes rápidos permitem descartar ou confirmar o diagnóstico em um curto espaço de tempo, mas a sorologia especifica para contato agudo, IgM, fica reagente apenas após o 5º dia de doença.

Já o exame de contato mais antigo, o IgG, fica reagente a partir do 9° dia de doença nas primeiras infecções e no primeiro dia no caso de reinfecções.

Quais os tratamentos?

Atualmente não existe tratamento específico para nenhum desses vírus, o que existe é apenas controle dos sintomas e suporte clinico quando necessário até que o próprio organismo da pessoa combata o vírus e se recupere.

Já existe uma vacina para estas doenças?

A única das três doenças para a qual já temos vacina é a da Dengue, mas como começou a ser disponibilizada estes ano por apenas um laboratório, outras vacinas para a Dengue ainda estão em estudo e devem ser disponibilizadas em breve.

Já para o Zika, estima-se que uma vacina para ensaios clínicos possa ser desenvolvida ainda este ano, mas para estar pronta para o uso pela população, deve levar pelo menos mais uns 3 anos.

Uma pessoa, uma vez infectada por um dos vírus fica imune a ele?

Quando uma pessoa se infecta por um vírus, ela geralmente fica imune àquele exato vírus, mas pode se infectar novamente em caso de contato com cepas diferentes ( é como se o vírus fosse na verdade uma família, e não um individuo, e as cepas dos vírus, fosse cada irmão dessa família). 

Para algumas doenças como a dengue, já se sabe que a reinfecção por uma cepa diferente pode facilitar o risco para o desenvolvimento de quadros mais graves como a Dengue hemorrágica.

E a microcefalia, como se relaciona a estes vírus?

A microcefalia é caracterizada pelo baixo desenvolvimento do cérebro do bebê que está sendo formado, deixando sua circunferência encefálica (circunferência da cabeça) menor que o normal. 

Até agora o que sabemos é que o vírus Zika está associado a uma maior incidência de microcefalia.

Ou seja, a primeira coisa encontrada foi um aumento dos casos de microcefalia em filhos de mães que tiveram suspeita ou confirmação de infecção pelo vírus Zika durante a gestação.

A partir daí, começou-se as investigações e foi detectado o vírus Zika no liquido amniótico de bebês com microcefalia, o que mostrava que o vírus pode atravessar a placenta. 

Por último, foi estudado o cérebro de um bebê com microcefalia cuja mãe apresentou sintomas de Infecção pelo vírus Zika

no primeiro trimestre da gestação.

O vírus foi detectado no tecido cerebral do bebê e mais em nenhuma outra parte do corpo.

Mostrando que este vírus possui atração pelas células do sistema nervoso, especialmente pelo cérebro nos casos dos bebês.

Com tudo isso, apesar de ainda não sabermos exatamente como isso ocorre, fica muito provável a relação causal entre os bebês infectados pelo vírus Zika durante a gestação e o desenvolvimento de microcefalia.

Qual o período mais arriscado para a gestante entrar em contato com o vírus transmitido pelo mosquito?

Como nossa hipótese é de que o vírus ataque o tecido do cérebro fetal em formação, o risco maior para que isso ocorra é se houver uma alta viremia, ou seja, a presença de uma grande quantidade de vírus no sangue da gestante, durante o período em que o bebê está sendo formado.

Isso ocorre nos primeiros 3 meses da gestação. Além disso, o que observamos na pratica confirma essa lógica uma vez que nos casos confirmados de microcefalia fetal, as mães tiveram sintomas da doença durante o primeiro trimestre da gestação.

Se a mãe tiver um dos vírus, ela pode transmiti-lo para o bebê?

Se a taxa de viremia no sangue da mãe é alta, ela pode acabar passando o vírus para o bebê a traves da placenta. Até agora, entre os 3 vírus ( Dengue, Chikungunya e Zika) o vírus associado ao fenômeno da microcefalia em bebês foi apenas o vírus Zika.

Existem outras doenças infeciosas que, caso a mãe as tenha durante a gestação, podem sabidamente causar microcefalia em seu bebê como a Rubéola, Toxoplasmose, Citomegalovírus (CMV).

Como não há uma epidemia destas doenças e elas são também vigiadas durante o pré-natal, sua incidência é baixa. O fato é que, até o inicio da epidemia do Zika Vírus, a microcefalia era considerada um evento raro.

De onde vieram essas doenças, por que começou este surto/ epidemia agora?

O vírus Zika possui este nome devido ao local onde ele foi isolado pela primeira vez. Ele foi isolado em um macaco chamado Rhesus na Floresta Zika na Uganda em 1947.

Durante muitos anos houve apenas relato de casos esporádicos de infecção pelo Zika em humanos no Sudeste da Azia e Africa Sub-sahariana.

Em 2007 houve um surto na Micronesia e em 2013 e 14 uma epidemia na Polinesia francesa e outros países próximos.

Até então a infecção pelo Zika era considerada de evolução mais benigna que a própria Dengue, pois a maioria dos casos conhecidos apresentavam quandro clinico brando.

Apenas em 2015 com a chegada do vírus nas Américas onde encontrou um vetor (nome dado ao animal que transmite a doença), muito bem estabelecido e distribuído que é o mosquito Aedes aegypti, foi que houve um aumento dramático dos casos e começamos a conhecer melhor o vírus e suas prováveis consequências e comportamentos

Como a gestante pode se prevenir ?

  • Durante os 3 primeiros meses de gestação, o feto é mais susceptível a adquirir qualquer infecção viral que a mãe possa ter e é justamente neste período em que os órgãos estão sendo formados. Por isso que todo o cuidado é pouco, principalmente para as mulheres que pretendem engravidar e para aquelas que estão no início da gestação;
  • Faça uma busca minuciosa por água parada em toda a casa ou apartamento (o mosquito bota seus ovos em qualquer lugar com água e, mesmo que o local fique seco depois, os ovos ficam quietinhos aguardando nova coleção de água para eclodirem);
  • Evite viajar para áreas em que o número de casos seja maior;
  • Evite sair nos horários em que há mais mosquitos (antes das 9 da manhã e depois das 5 da tarde);
  • Use sempre repelentes (preste atenção no tempo para nova aplicação que varia de acordo com cada produto – já fizemos uma postagem a respeito aqui mesmo na Fanpage);
  • Se o esposo ou outro adulto que vive na mesma casa tiver confirmação do diagnóstico (como detecção do PCR viral na urina), deverá ficar afastado da gestante de 20 a 30 dias, independente de ainda ter sintomas ou não;
  • Se uma criança pequena tiver quadro suspeito (febre, vermelhidão na pele, etc ), deve ser afastada da mãe. Não precisa ficar em outra casa, mas deve ser evitado o contato próximo à gestante;
  • Realizar o pré-natal regularmente junto com o Ultrassom obstétrico para detectar qualquer alteração fetal suspeita de forma precoce. Caso haja suspeita de microcefalia fetal pelo ultrassom, um teste de detecção viral direta pelo líquido amniótico deverá ser realizado para confirmação diagnóstica etiológica.

Como denunciar focos do mosquito?

Como o combate ao mosquito Aedes é nossa principal arma de combate a doença, isso deve ser prioridade para todos nós. Dedicando apenas 10 minutos por semana para revisar toda a casa ou apartamento, podemos salvar vidas, inclusive a de nossas famílias.

Se ficarmos passivos esperando apenas que o governo faça sua parte no combate ao mosquito, só teremos o que perder. 

Caso você veja um foco de criação de mosquito no terreno vizinho, ou em qualquer outro lugar, denuncie.

Isso pode ser feito por telefone, e-mail ou até pessoalmente de acordo a cada localidade no Brasil. 

A prefeitura de São Paulo vai começar a usar dados de um aplicativo de celular google play apple store para combater o mosquito da dengue.

E qualquer pessoa já pode denunciar um possível criadouro. 

Considerações finais.

É importante considerarmos que a picada do mosquito contaminado parece não ser a única forma de transmissão do vírus Zika.  

O vírus já foi isolado  em esperma de homens que viajaram para países endêmicos e que infectaram suas esposas que não tiveram contato com áreas de risco.

Isso nos faz pensar na possibilidade real da via sexual como via de transmissão, parecido ao vírus HIV.

Ainda não sabemos contudo, por quanto tempo o vírus pode permanecer no esperma, se homens que não apresentam sintomas podem transmitir o vírus ou ainda se o vírus pode ser passado pela via sexual da mulher para o homem. 

Outra via provável parece ser por gotícula a través da fala de pessoas que tem o vírus circulando no organismo.

Se essa via procede, podemos ter o mesmo raciocínio de outros vírus transmitidos dessa mesma forma que começam a ser transmitidos inclusive alguns dias antes da pessoa portadora iniciar os sintomas. 

Além disso temos a possibilidade da transmissão oral pois o vírus foi encontrada em sua forma infectante na saliva.

Ainda assim, para o vírus ser transmitido por via oral ele precisa sobreviver aos ácidos do estomago e passar pelo intestino e isso não é uma característica esperada desse tipo de vírus.

Como ainda temos poucas certezas quanto a este vírus, toda a precaução é bem vinda.


Compartilhe
  • 15
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

3 thoughts on “Dúvidas sobre Zika, Dengue e Chikungunya

  1. Estou grávida de 12 semanas minha infectologista pediu o exame de zica IgM e o IgG mas o plano de saúde só autorizou fazer o IgM e ele deu não reagente vou precisar voltar na infectologista pra saber se vou precisar ou não fazer o outro exame , a senhora sabe dizer se precisarei? E no exame de chincungunha fiz os dois IgG e IgM e os dois deram reagentes qual procedimento posso tomar???

    1. Não posso emitir critérios em cima apenas de um resultado do exame sem estar te acompanhando pessoalmente.
      Você precisa levar os exames para a infectologista que está te acompanhando para que ela, que te conhece e sabe porque pediu estes exames, possa avaliar os resultados e tomar o próximo passo.

      O que posso dizer já de antemão é que exames de sorologia, especialmente para a Zika, são muito inespecíficos e não respondem com certeza absoluta a pergunta se a gestante teve ou não contato com o vírus, ainda mais se já estiver sem sintomas. Por isso também não exames indicados para rastreio de contato com vírus em paciente assintomáticas, pois acabam gerando mais angustia, ansiedade e dúvidas que ajudando.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top