Você está aqui
Home > Coronavírus > Surto, Pandemia, Epidemia e Endemia: Compreenda a Diferença

Surto, Pandemia, Epidemia e Endemia: Compreenda a Diferença

Infectologista - Surto, Pandemia, Epidemia e Endemia: Compreenda a Diferença
Compartilhe

Surto, Pandemia, Epidemia e Endemia: Compreenda a Diferença – Atualmente, a palavra “pandemia” está sendo veiculada à muitas manchetes do dia a dia. Com a crise do COVID-19 espalhada pelo mundo e seus números de casos alarmantes, autoridades foram obrigadas a definir status da doença em âmbitos local, nacional e internacional.

E a escala para a nova enfermidade pode ser dividida entre surto, epidemia, endemia e pandemia. Mas você sabe dizer qual a diferença e quando cada uma pode ser utilizada? Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre essas classificações

O Que é a Pandemia de COVID-19?

A COVID-19 é uma doença infecciosa capaz de causar problemas respiratórios de diferentes níveis, como tosse, febre e dificuldade para respirar, que, inclusive, são os seus principais sintomas. E por ter uma transmissão fácil, as pessoas podem se contaminar através de: gotículas de saliva, espirro, catarro e até mesmo, superfícies contaminadas, como celulares, maçanetas e a própria mão humana.

O novo coronavírus surgiu no final de 2019, na China e já deixa mais de 2.000.000 de pessoas infectadas pelo mundo. Por isso, os órgãos de saúde internacionais, como a OMS (Organização Mundial da Saúde), declararam a COVID-19 como sendo um quadro de pandemia.

Mas Afinal, O Que É Pandemia? – Surto, Pandemia, Epidemia e Endemia

Pandemia é o estágio mais grave de uma escala de incidência e pode ser decretada em casos onde uma patologia se espalha dentro de quadros epidêmicos por diversos países e continentes.

Mas para receber esta classificação, a doença deve ser infecciosa e atingir um grande número de pessoas simultaneamente, além de possuir uma transmissão inicial local fixada, como no caso da SARS-CoV-2, que começou na cidade de Wuhan, na China. Além disso, as outras situações pandêmicas são:

  • AIDS;
  • Gripe
    • Asiática;
    • Espanhola;
    • Suína.
  • Tuberculose;
  • Tifo.

Como Identificar Os Surtos? – Surto, Pandemia, Epidemia e Endemia

Os surtos são definidos por quadros de disseminação com números crescentes em pouco período de tempo, porém concentrados apenas em uma região. Sendo assim, o termo é um indicativo de crescimento na quantidade de casos de uma doença, geralmente, em bairros ou em cidades específicas.

Um exemplo recente, envolvendo o surto, é o da febre amarela em Minas Gerais, no ano de 2017. Em um boletim divulgado no ano posterior, o estado contabilizou 164 casos confirmados da doença, sendo que dentre eles haviam 61 óbitos.

O Que É Epidemia?

As Epidemias são marcadas pelo crescimento de uma doença acima do esperado, espalhando-se rapidamente por diversas regiões. E elas podem ser divididas em:

  • Municípios: quando atinge vários bairros;
  • Estaduais: ao afetar muitas cidades;
  • Nacional: quando acomete estados de diversas regiões do país.

Porém, esta classificação não serve para as enfermidades que se propagam por dois ou por mais países. Entretanto, como um exemplo de epidemia, podemos citar os diversos casos de dengue registrados pelo Brasil.

Mas Então O Que É A Endemia?

Diferentemente das outras classificações, a endemia não considera o número de ocorrências de uma doença, mas sim, a frequência com que ela aparece em determinada região sem ser disseminada por outras comunidades. Por isso, é comum que ela seja percebida de forma sazonal, como, por exemplo, os casos de febre amarela comuns na região amazônica.

Logo, ficar atento aos sinais de certas doenças e preveni-las, seguindo sempre as recomendações médicas, são as melhores formas de controlar, e até mesmo, de rebaixar os quatro graus de classificação de incidência.


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top