Você está aqui
Home > Coronavírus > Pode Ter uma Segunda Onda de Coronavírus?

Pode Ter uma Segunda Onda de Coronavírus?

Pode Ter uma Segunda Onda de Coronavírus?
Compartilhe

Segunda Onda de Coronavírus. Meses após os primeiros casos de Covid-19, algumas regiões do mundo seguem cumprindo algumas regras que evitam a proliferação do vírus. No entanto, algumas localidades já voltaram às atividades normais do dia-a-dia.

Esse relaxamento em relação à proteção da população tanto pelo governo quanto por elas mesmas, aumentam as chances de uma segunda onda da doença. Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre essa possível volta das altas taxas de pacientes acometidos pelo novo coronavírus.

Segunda Onda de Coronavírus

A Doença

A COVID-19 é uma doença que ataca o sistema respiratório do paciente e pode ser transmitida por meio de gotículas de saliva contaminada expelidas pela tosse ou espirros. Atualmente, a doença já fez mais de 45 milhões de vítimas ao redor do mundo. Destas, 1 milhão de vítimas não resistiram aos efeitos da infecção e vieram a óbito. Conhecido como Novo Coronavírus.

Algumas condições prévias aumentam o risco de complicações graves relacionadas ao novo coronavírus. Por isso, essas pessoas precisam redobrar os cuidados com a saúde em tempos de pandemia.

Sintomas

Por ser uma condição que ataca o sistema respiratório, os principais sintomas da Covid-19 são a tosse, dificuldade ou dor ao respirar e falta de ar. Além deles, também é possível sentir:

  • Febre;
  • Produção de secreção respiratória;
  • Cefaleia (Dor de Cabeça);
  • Dor de Garganta;
  • Astenia (Cansaço);
  • Perda de apetite;
  • Dificuldade para engolir;
  • Congestão Conjuntival;
  • Perda de olfato;
  • Perda de paladar;
  • Rinorreia;
  • Dor no corpo;
  • Mal estar;
  • Dor muscular;
  • Diarreia.

Em alguns casos, o paciente pode ser considerado como assintomático, caso seja comprovada a existência do vírus no organismo e ele não apresente qualquer um dos sintomas citados acima.

A Volta às Atividades

O anúncio da retomada de atividades como a reabertura de shoppings, comércios de rua, parques, restaurantes e escritórios, fez com que muitas pessoas diminuíssem a guarda quando o assunto é prevenção da covid-19.

Aglomerações, falta do uso de máscara, compartilhamento de objetos e outras práticas que poderiam evitar uma contaminação pelo novo coronavírus, começaram a ser vistas frequentemente em todas as regiões o mundo.

Segunda Onda da Covid-19

Em muitos países, a segunda onda de Covid-19 já está sendo cogitada pelas autoridades. O aumento da curva de casos e óbitos fez com que muitos países readotassem as medidas de prevenção sugeridas pela Organização Mundial da Saúde.

O distanciamento social promove a redução do número de casos de infecção. Com o afrouxamento dessa medida, é normal que os números voltem a subir. Além disso, a falta de cuidado com a higienização das mãos e superfícies passíveis de contaminação também afetam as curvas de contaminação.

No Brasil, a pandemia do novo coronavírus já atingiu mais de 5 milhões de pessoas. E mesmo assim, o baixo número de testagens tem preocupado especialistas, uma vez que, essa atitude pode ser crucial na prevenção de uma segunda onda da doença.

Para saber mais sobre o novo coronavírus, assim como obter um diagnóstico positivo – ou não – para a doença, procure um médico especialista de sua confiança. Proteja-se.

Referência: The Lancet


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top