Você está aqui
Home > HIV/AIDS > Doenças Psiquiátricas e HIV

Doenças Psiquiátricas e HIV

Doenças Psiquiátricas e HIV

Doenças Psiquiátricas e HIV

A alta prevalência de doenças psiquiátricas em pacientes com HIV ocorre por dois motivos fundamentais:

  • Lesão direta do vírus no cérebro de uma pessoa que já possui uma pré-disposição (como história familiar do transtorno)
  • Pessoas que já possuem este diagnóstico e não se tratam,  adotam atitudes e estilo de vida de risco, que acabam levando à infecção pelo vírus HIV.

Uma vez com os dois diagnósticos, cria-se um problema a mais que é a interação medicamentosa que pode ocorrer entre os dois tipos de tratamento.

Pessoas com transtornos psiquiátricos e HIV possuem maior risco de abandono de tratamento do HIV, o que leva a evolução para a AIDS e consequentemente condições de maior lesão neurológica. Entre outras coisas, isso também piora a doença psiquiátrica.

 

Fatores que aumentam o risco:

  • Efeito direto do vírus
  • Condições psiquiátricas pré-existentes
  • Personalidade vulnerável
  • Alterações afetivas
  • Uso de drogas recreacionais
  • Isolamento social
  • Alterações neurológicas específicas relacionadas a alterações causadas pelo vírus no Cérebro
  • Efeito direto de alguns ARV no cérebro
  • Outras doenças crônicas associadas

Alterações psiquiátricas mais comuns em pacientes vivendo com HIV:

  • Transtorno bipolar
  • Mania da AIDS
  • Transtornos cognitivos menores
  • Depressão Maior
  • Transtorno de personalidade
  • Esquizofrenia

 

Transtorno bipolar

O doente oscila entre depressão e quadros de mania.

O uso de substâncias recreacionais pode acelerar a ciclagem de depressão para mania.

O tratamento da depressão diagnosticada de forma errada pode levar ao quadro de mania.

Mania da AIDS

Um estudo clinico epidemiológico apontou 8% de incidência de mania na população vivendo com HIV em 17 meses de estudo (mais de 10 vezes da incidência na população sem HIV em 6 meses)

Sintomas:

  • Uso de drogas (mesmo a maconha)
  • Comportamento impulsivo (como realizar projetos descabidos, fazer dívidas financeiras irresponsáveis)
  • Comportamento sexual de risco
  • Dificuldade de concentração
  • Insônia
  • Irritabilidade
  • Fala acelerada
  • Envolvimento excessivo em atividades com alto risco de desfecho a acontecimentos que levam à dor ou à culpa

Este diagnóstico só aparece em estados avançados do HIV, ou seja, em fase AIDS sempre associada ao comprometimento cognitivo.

Complicações

  • Se não tratada, a doença pode evoluir com:
  • Piora dos sintomas iniciais,
  • Movimentos mais lentos do corpo,
  • Ideias ilusórias (crenças delirantes de que o paciente foi curado do HIV ou que descobriu a cura, coisa que leva diretamente ao abandono do tratamento)

Diferenças entre mania da AIDS e fase maníaca do transtorno bipolar:

  • A mania da AIDS é mais crônica
  • Mais difícil de tratar
  • Tem menos euforia e mais irritabilidade
  • É de fácil recidiva dos sintomas após parar o tratamento.

Transtornos cognitivos menores

São quadros parecidos a demência, porém mais leves, e não fecham critérios para o diagnóstico de demência

Transtorno de personalidade

A prevalência dessa doença é de 19-36 pessoas em cada 100 portadores do HIV.

Na população geral é de 10 em cada 100 pessoas.

A personalidade antissocial é um grande fator de risco presente na população om HIV, que leva ao aumento dessa prevalência.

Pessoas excessivamente extrovertidas também possuem maior risco de ter HIV

Esquizofrenia

O fato de ter HIV não aumenta o risco de ter esquizofrenia.

Mas quem tem os dois diagnósticos possui problemas com interações medicamentosas dos 2 tratamentos e possui maior risco de abandono de tratamento com desenvolvimento de doença.

Abuso ou dependência de substância

Pessoas dependentes químicas possuem atitudes que aumentam o risco de se infectar pelo HIV. Seja para conseguir mais drogas, ou pelas atitudes que tomam por estar em efeitos delas.

Pessoas com HIV que são dependentes químicos possuem maior risco de complicações relacionados às interações dos remédios do HIV e  drogas recreacionais

Transtorno de estres pós-traumático

Pessoas que sofrem por transtorno possuem maior risco de adotar comportamentos auto-destrutivos que levam a se infectar pelo vírus HIV.

Uma vez com os dois diagnósticos, se o Transtorno não for tratado, os riscos de abandono de tratamento e perpetuação do círculo é grande.

Fonte:

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

Deixe uma resposta

Top