Você está aqui
Home > Vídeos > ISTs- Infecções Sexualmente Transmissíveis > Lesões Genitais que se curam sozinhas: o que podem ser?

Lesões Genitais que se curam sozinhas: o que podem ser?

Lesões Genitais
Compartilhe
  • 13
    Shares

Lesões genitais podem ser alguma Infecção sexualmente transmissível

Lesões Genitais que se curam sozinhas podem ser uma armadilha pois a pessoa pode ficar tranquila pensando que está curada quando na verdade a infecção segue dentro dela e pode causar graves problemas no futuro se não tratada adequadamente, além de transmitir para outras pessoas.

Existem algumas ISTs como a Sífilis que podem apresentar lesões iniciais que se curam sozinhas.

Algumas características da lesão pode nos fazer pensar em Sífilis:

  • Lesão erosada (úlcera) medindo 1 a 2 cm, fundo liso, brilhante, limpo e bordas endurecidas (daí o seu nome);
  • Geralmente é única;
  • Não dói: a não ser que tenha uma outra infecção local associada;
  • Não coça;
  • Não arde;
  • Não tem pus.

Durante essa fase também podem aparecer linfadenopatia (múltiplos carocinhos) que pode estar localmente (por exemplo, inguinal) nos dois lados ou de forma generalizada e geralmente não doem.

A lesão primária desaparece espontaneamente (sem nenhum tratamento) após 3 a 6 semanas.

A única forma de se saber o diagnóstico é fazendo exame específico para a sífilis.

Saiba mais sobre essas e outras ISTs no site: DraKeillaFreitas


Compartilhe
  • 13
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top