Você está aqui
Home > Medicina do Viajante > Saiba Mais Sobre a Salmonella

Saiba Mais Sobre a Salmonella

Salmonella
Compartilhe

A Salmonella é uma doença bacteriana conhecida por afetar o trato intestinal de quem a contrai. Normalmente disseminada por meio de água ou alimentos contaminados, a infecção pode não apresentar sintomas em alguns indivíduos. Já em outros, a presença de diarreia, febre e cólicas abdominais pode ser observada em um período de oito a 72 horas.

Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre a Salmonella, suas causas, sintomas, tratamentos e meios de prevenção.

Diarreia por Salmonella

Salmonella é uma causa extremamente comum de intoxicação alimentar.

Estima-se que essa bactéria seja responsável por 1,2 milhão dos casos de intoxicação alimentar todos os anos nos Estados Unidos. Levando a 23.000 hospitalizações e 450 mortes todos os anos.

O número real de casos é ainda maior que o registrado, uma vez que grande parte das pessoas com diarreia não chegam a buscar atendimento médico. Estima-se que para cada infecção confirmada, existam mais 30 que não chegaram a ir ao médico.

Sintomas

A maioria das pessoas que consomem alimentos contaminados por esta bactéria ficam doentes. Os sintomas começam cerca de 6 a 72 horas após a ingestão:

  • Febre;
  • Cólicas abdominais;
  • Diarreia.

Com o tratamento adequado, as complicações são evitadas e o tempo dos sintomas é menor. Se não tratados, os sintomas podem durar de 4 a 7 dias.

Alimentos que Podem estar Contaminados por Salmonella:

Alimentos contaminados não precisam ter aspecto, cheiro ou gosto de estragados.

  • Carne vermelha;
  • Galinha;
  • Carne de porco;
  • Ovos;
  • Frutas;
  • Vegetais;
  • Alimentos processados (como manteiga, nuggets, tortas congeladas).
Salmonella Alimentos Contaminados
Modificado de: Making Food Safer to Eat – CDC

Em períodos mais quentes, o risco é maior. Em climas mais quentes, alimentos não refrigerados criam as condições ideais para o crescimento da salmonella.

Em locais mais quentes, os alimentos perecíveis devem ser refrigerados ou congelados preferencialmente 2 horas após o preparo.

Como Prevenir a Diarreia por Salmonella

  • Cozinhe bem todo tipo de carne que for consumir;
  • Não coma carne de nenhum tipo mal cozida, mesmo em restaurantes bem estabelecidos;
  • Não coma nem beba alimentos que contenham leite crus (não pasteurizado);
  • Não ingira ovo cru, nem alimentos ou bebidas que sejam feitos com claras ou gemas cruas;
  • Lave as mãos com água e sabão depois de manusear répteis, aves e pintinhos;
  • Lave as mãos com água e sabão após contato com fezes de animais;
  • Pessoas com imunidade baixa, incluindo idosos e bebês devem evitar contato, mesmo indireto, com répteis (tartarugas, iguanas, lagartos, cobras, etc).

Cuidados no Armazenamento de Alimentos

  • Mantenha carne crua, aves, frutos do mar e ovos separados dos alimentos que já estão prontos para consumo, verduras e frutas, desde as compras até na geladeira;
  • Mantenha os ovos na embalagem original e guarde-os na parte principal da geladeira, não na porta.

Cuidados no Preparo dos Alimentos:

  • Lave bem as mãos, a bancada da cozinha e os utensílios utilizados em seu preparo (como facas) com sabão e água imediatamente antes e após o manuseio de carnes ou comidas cruas;
  • Não lave carne de aves, carne bovina e ovos crus antes de cozinhar. Os germes podem se espalhar para outros alimentos, utensílios e superfícies;
  • Manter as comidas ainda cruas, separadas das já cozidas;
  • Pessoas com diarreia por salmonella não podem preparar alimentos nem manusear água para terceiros enquanto apresentarem sintomas;
  • Seja particularmente cuidadoso com alimentos preparados para bebês, idosos, ou pessoas com imunidade baixa.

Como é Feito o Tratamento

Após ser diagnosticada por meio do isolamento do agente causador nas fezes ou vômito, a condição será classificada com seu nível de gravidade. Quando leve e moderado, não é necessário utilizar medicamentos e internações, o tratamento é realizado por meio de repouso, e ingestão de muita água para hidratação e controle dos sintomas.

Em quadros mais graves, a reposição de eletrólitos deve ser realizada, assim como a reidratação. A administração de antibióticos não é recomendada para os casos leves, no entanto, grupos considerados de risco como bebês, idosos e pacientes imunocomprometidos podem receber prescrição do medicamento. Para saber mais sobre a condição, marque uma consulta com seu médico infectologista de confiança.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 18 de jul de 2018 e Atualizado em 24 de agosto de 2021


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top