Você está aqui
Home > HIV/AIDS > Uso de Dolutegravir em gestantes

Uso de Dolutegravir em gestantes

Dolutegravir Na Gestação
Compartilhe
  • 19
    Shares

Uso de Dolutegravir na gestação aumenta o risco de bebês mal formados

O Dolutegravir é um antirretroviral fantástico. Com altíssima eficácia e poucos efeitos colaterais.

Por isso mesmo, ele é hoje usado como parte do esquema de primeira escolha para o Tratamento do HIV em vários países do mundo, inclusive o Brasil.

No entanto, no caso específico de gestantes, o seu uso pode acarretar problemas na formação do bebê.

Um estudo realizado em Botswana com gestantes que vivem com HIV apontou que mulheres tomando Dolutegravir no momento da concepção, possuem maior risco de malformação do bebê quando comparado ao uso do Efavirenz (outro antirretroviral muito usado)

0,94% dos bebês nascidos de mulheres que usaram dolutegravir no momento da concepção apresentaram defeitos de fechamento de tubo neural.

Enquanto 0,12% dos bebês nascidos de mulheres que usavam efavirenz no momento da concepção tiveram este problema

Defeito no fechamento do tubo neural é um problema na formação do sistema neurológico como medula espinhal, cérebro e outras estruturas relacionadas

As estruturas do sistema neurológico se desenvolvem nos 2 primeiros meses de gestação.

A causa mais comum desse tipo de defeitos é a falta de uma vitamina chamada ácido fólico.

No entanto, o uso de algumas medicações também podem aumentar o risco desse problema.

Orientações de segurança quanto ao uso de dolutegravir em mulheres

É perfeitamente possível ter o vírus HIV e ter filhos livres do vírus. 

Mas para dar segurança ao bebê, toda mulher em idade fértil que vai começar o tratamento do HIV deve discutir junto ao seu médico o melhor esquema para ela.

Caso esteja incluído o Dolutegravir em seu esquema, ela não poderá engravidar.

Nesse caso as medidas de contracepção (hormônios, Dispositivo intrauterino – DIU, etc) devem ser avaliados junto ao ginecologista que a acompanha pois precisam ser bastante eficazes.

Se a gestante teve o diagnóstico do HIV durante a gestação, o Dolutegravir não é uma opção inicial para o tratamento

Depois da gestação o esquema pode ser trocado.

Se a mulher já faz uso do dolutegravir e quer engravidar, o esquema deve ser trocado antes de começar suas tentativas.

Porque manter o uso do dolutegravir como primeira escolha?

O Dolutegravir é mais eficaz no tratamento do HIV que o efavirenz.

Por isso, evitar o seu uso em mulheres em idade fértil acarreta riscos para mulheres, crianças e seus parceiros.

Estes riscos podem superar o risco de defeitos do tubo neural no caso de uma gestação.

Um estudo apresentado por Caitlin Dugdale, do Massachusetts General Hospital mostrou que o uso do dolutegravir no lugar do Efavirenz:

  • Pouparia mais 28.400 vidas
  • Preveniria mais 52,800 casos de transmissão sexual
  • Evitaria mais 5000 infecções infantis

Portanto o uso do Dolutegravir como parte do esquema de primeira escolha no tratamento do HIV é indiscutível.

Mas o uso dessa medicação em mulheres em idade fértil precisa ser discutida, orientada e decidida conforme cada situação.

 

Fonte:


Compartilhe
  • 19
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top