Você está aqui
Home > HIV/AIDS > 40 anos de HIV – Evoluções, Conquistas e Desafios

40 anos de HIV – Evoluções, Conquistas e Desafios

40 anos de HIV
Compartilhe

40 anos de HIV. No ano de 2021, os primeiros casos de HIV completam 40 anos. Apesar de todos os avanços científicos, a condição continua sendo vista como um tabu por muitas pessoas. A falta de informação e os estigmas são os principais motivos pelo qual o paciente soropositivo tem dificuldades de buscar tratamento.

Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre as evoluções, conquistas e desafios envolvendo o vírus da imunodeficiência humana nas últimas quatro décadas.

40 anos de HIV

O HIV

O vírus da imunodeficiência humana é conhecido por atacar o sistema imunológico do paciente e provocar diversas alterações em sua saúde, o tornando mais frágil e suscetível a outras infecções.

Umas das principais formas de transmissão do vírus é por meio da relação sexual desprotegida, independente se seu parceiro for do sexo masculino ou feminino. Além disso, o contato com sangue contaminado ou agulhas já utilizadas e a transmissão vertical são formas de adquirir a doença. Quando não tratada adequadamente, o HIV pode evoluir para o quadro AIDS.

História do HIV

Os primeiros casos reconhecidos de HIV ocorreram no ano de 1981. Tratada inicialmente como uma doença infecciosa desconhecida, a condição afetava principalmente homens que mantinham relações sexuais frequentes ou exporadicamente com outros homens (Independente de terem identidade homossexual). Por este motivo, acreditava-se que a doença só circulava entre a população homosexual e transexual, travestis e profissionais do sexo.

Com o rápido avanço da doença, os pacientes que aparentavam ser saudáveis eram subitamente diagnosticados com pneumonia, tuberculose e sarcoma de Kaposi, um tipo de câncer raro.

Em junho do mesmo ano, a doença foi elevada às categorias de epidemia e posteriormente à pandemia. Já no ano seguinte, foi denominada como Aids, sigla para “acquired immunodeficiency syndrome” ou em português, síndrome da imunodeficiência adquirida. Apenas em 1983 a causa da Aids, o vírus da imunodeficiência humana, foi identificada.

Confira aqui a linha do tempo completa do HIV.

A Evolução do Diagnóstico e os Métodos de Tratamento

Mesmo com mais informações a respeito da doença, estima-se que atualmente 50 a 60% dos portadores de HIV não sabem seu diagnóstico por medo ou preconceito em saber o resultado do teste.

O diagnóstico de HIV passou a ser realizado por meio de exames específicos. À medida com que esses tipos de testes foram evoluindo, os marcadores passaram a ficar mais inteligentes.

Apesar de ainda ser uma doença sem cura conhecida, os avanços da Ciência e Medicina possibilitaram ao paciente portador de HIV, uma melhor qualidade de vida. A administração de antirretrovirais impede a multiplicação do vírus no organismo, retardando os efeitos da doença e fortalecendo o sistema imunológico.

Com o acompanhamento correto, é possível que o paciente atinja a carga viral indetectável. Ou seja, sua carga viral se torna menor do que os limites detectáveis em exames. No Brasil, consideramos indetectável uma taxa menor que 40 cópias/ml, mas alguns exames mais sensíveis conseguem identificar níveis ainda menores. Para mais informações, converse com seu médico infectologista de confiança.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top