Você está aqui
Home > Infecção Viral > Herpangina

Herpangina

Woman With A Pain In Her Throat
Compartilhe
  • 17
    Shares

Herpangina infecção de garganta (faringite) viral que cursa com febre

Pode ser confundida com a Doença Mão-Pé-Boca ou Herpes Simples primária com apresentação de gengivoestomatite.

Causa

vírus do grupo enterovírus

  • Coxsackie vírus A1, A2, A3, A4, A5, A6, A7, A8, A9, A10
  • Coxsackie vírus A16
  • Coxsackie vírus A22
  • Coxsackie vírus B1, B2, B3, B4, B5
  • Echovirus 6
  • Echovirus 9
  • Echovirus 16
  • Echovirus 19
  • Enterovírus 71 (EV 71)

Modo de transmissão

  • Contato direto com lesões ativas
  • Contato direto com secreções orais
  • Contato direto com secreções respiratórias
  • Ingerindo materiais ou alimentos contaminados pelas fezes de pessoas infectadas (via fecal-oral)
  • Práticas sexuais orais: Boca-ânus (cunilíngua)

Tempo de transmissão

O vírus geralmente está presente nas fezes das pessoas infectadas por até 10 semanas, mas pode durar vários meses

Na secreção oral e respiratória, o vírus pode ser encontrado até 04 semanas.

Avaliações de transmissibilidade feitas em surtos ocorridas em creches, mostram que as crianças podem transmitir a infecção por até 7 dias apenas.

Pessoas não doentes mas infectadas também podem transmitir o vírus

Pessoas que ficaram doentes podem seguir transmitindo mesmo após a resolução dos sintomas

Período de incubação

O tempo entre o primeiro contato com vírus e o aparecimento de sintomas é geralmente de 3 a 7 dias. Podendo variar entre 1 e 10 dias.

Sintomas

Sintomas inespecíficos

  • Febre alta (38,9-40 ºC) ou até mais
  • Convulsões secundários a febre alta (especialmente em crianças)
  • Falta de apetite
  • Náusea, vômitos
  • Inquietação
  • Irritabilidade
  • Mal estar
  • Dor de cabeça
  • Dor abdominal
  • Dor de garganta
  • Dor para engolir
  • Rigidez de nuca (especialmente em adultos)
  • Dor nas costas  (especialmente em adultos)

Lesões

  • Garganta hiperemiada (avermelhada)
  • Lesões orais começam como pápulas e evoluem para vesículas em 24 hs
  • Lesões orais pápulo-vesiculares de cor Amarelas, brancas ou acinzentadas
  • As vesículas evoluem para úlceras com uma aureola de eritema em mais 24 hs
Herpangina
Herpangina

Tratamento:

Não existe antiviral específico

Antibióticos usados para amigdalites não resolvem o problema

  • Aumento da ingesta de líquidos para evitar desidratação (em caso de vômitos e outra condição que não permita uma adequada hidratação, por via oral, a mesma deverá ser feita por via endovenosa)
  • Evitar ingesta de alimentos ou líquidos picantes ou ácidos para evitar desconforto
  • Tratar a febre com antitérmicos
  • Tratar a dor com anti-inflamatórios não esteroides
  • Anestésicos em spray para as lesões orais

Complicações

A complicação mais comum é a desidratação ocasionada pela pouca hidratação oral devido a dor causada pelas lesões orais.

São raras e quando ocorrem, geralmente estão relacionados aos quados causados pelo Enterovírus 71

  • Rombo encefalite (Encefalite do tronco cerebral)
  • Paralisia flácida aguda
  • Meningite asséptica

Diagnóstico

Geralmente é feito pela clínica e exame físico

Quando a confirmação laboratorial é necessária, testes moleculares realizados a partir de amostras de fezes, swab de garganta, swab de secreção de vesículas, podem ser feitos.

Prevenção

Higiene

 

Fonte:


Compartilhe
  • 17
    Shares
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top