Você está aqui

Herpangina

Woman With A Pain In Her Throat
Compartilhe

Herpangina: infecção de garganta (faringite) viral que cursa com febre

Pode ser confundida com a Doença Mão-Pé-Boca ou Herpes Simples primária com apresentação de gengivoestomatite.

Causa

vírus do grupo enterovírus

  • Coxsackie vírus A1, A2, A3, A4, A5, A6, A7, A8, A9, A10
  • Coxsackie vírus A16
  • Coxsackie vírus A22
  • Coxsackie vírus B1, B2, B3, B4, B5
  • Echovirus 6
  • Echovirus 9
  • Echovirus 16
  • Echovirus 19
  • Enterovírus 71 (EV 71)

Modo de transmissão

  • Contato direto com lesões ativas
  • Contato direto com secreções orais
  • Contato direto com secreções respiratórias
  • Ingerindo materiais ou alimentos contaminados pelas fezes de pessoas infectadas (via fecal-oral)
  • Práticas sexuais orais: Boca-ânus (cunilíngua)

Tempo de transmissão

O vírus geralmente está presente nas fezes das pessoas infectadas por até 10 semanas, mas pode durar vários meses

Na secreção oral e respiratória, o vírus pode ser encontrado até 04 semanas.

Você Suspeita Estar com Alguma Infecção?

Agende Hoje mesmo uma Consulta com infectologista.

Avaliações de transmissibilidade feitas em surtos ocorridas em creches, mostram que as crianças podem transmitir a infecção por até 7 dias apenas.

Pessoas não doentes mas infectadas também podem transmitir o vírus

Pessoas que ficaram doentes podem seguir transmitindo mesmo após a resolução dos sintomas

Período de incubação

O tempo entre o primeiro contato com vírus e o aparecimento de sintomas é geralmente de 3 a 7 dias. Podendo variar entre 1 e 10 dias.

Sintomas

Sintomas inespecíficos

  • Febre alta (38,9-40 ºC) ou até mais
  • Convulsões secundários a febre alta (especialmente em crianças)
  • Falta de apetite
  • Náusea, vômitos
  • Inquietação
  • Irritabilidade
  • Mal estar
  • Dor de cabeça
  • Dor abdominal
  • Dor de garganta
  • Dor para engolir
  • Rigidez de nuca (especialmente em adultos)
  • Dor nas costas  (especialmente em adultos)

Lesões

  • Garganta hiperemiada (avermelhada)
  • Lesões orais começam como pápulas e evoluem para vesículas em 24 hs
  • Lesões orais pápulo-vesiculares de cor Amarelas, brancas ou acinzentadas
  • As vesículas evoluem para úlceras com uma aureola de eritema em mais 24 hs
Herpangina
Herpangina

Tratamento:

Não existe antiviral específico

Antibióticos usados para amigdalites não resolvem o problema

  • Aumento da ingesta de líquidos para evitar desidratação (em caso de vômitos e outra condição que não permita uma adequada hidratação, por via oral, a mesma deverá ser feita por via endovenosa)
  • Evitar ingesta de alimentos ou líquidos picantes ou ácidos para evitar desconforto
  • Tratar a febre com antitérmicos
  • Tratar a dor com anti-inflamatórios não esteroides
  • Anestésicos em spray para as lesões orais

Complicações

A complicação mais comum é a desidratação ocasionada pela pouca hidratação oral devido a dor causada pelas lesões orais.

São raras e quando ocorrem, geralmente estão relacionadas aos quados causados pelo Enterovírus 71

  • Rombo encefalite (Encefalite do tronco cerebral)
  • Paralisia flácida aguda
  • Meningite asséptica

Diagnóstico

Geralmente é feito pela clínica e exame físico

Quando a confirmação laboratorial é necessária, testes moleculares realizados a partir de amostras de fezes, swab de garganta, swab de secreção de vesículas, podem ser feitos.

Prevenção

Higiene

 

Fonte:


Compartilhe

Não tenha vergonha do HIV!

'Reserve a sua Consulta Hoje.

Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe um comentário

Top