Você está aqui
Home > HIV/AIDS > Apretude Aprovado pelo FDA – Novo Medicamento PrEP – HIV

Apretude Aprovado pelo FDA – Novo Medicamento PrEP – HIV

Apretude Aprovado pelo FDA
Compartilhe

Apretude Aprovado pelo FDA. Conhecido desde meados dos anos 80, o vírus da imunodeficiência humana tem feito milhares de vítimas ao redor do mundo. Chamada popularmente de HIV, a doença é uma das principais infecções sexualmente transmissíveis que conhecemos.

Apesar de já ter mais de 40 anos de estudos, até hoje cientistas ainda não encontraram uma solução para curar os pacientes acometidos pela doença. Apesar disso, os avanços tecnológicos permitiram que essas pessoas pudessem ter maior qualidade de vida, mesmo com o vírus no organismo. Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre o Apretude, novo medicamento de profilaxia pré-exposição ao HIV.

O HIV

O vírus da imunodeficiência Humana, ou apenas HIV, é responsável por atacar o sistema imunológico de um indivíduo, levando a graves alterações em seu organismo, como por exemplo a fragilidade e ainda a maior suscetibilidade à infecção por outras doenças.

Transmitida principalmente por meio da relação sexual desprotegida, a condição também pode ser adquirida pelo contato direto com sangue contaminado ou agulhas que teriam sido utilizadas por pessoas soropositivas.

Profilaxia Pré-Exposição

Apesar de ainda não ter cura, o diagnóstico e tratamento da doença pode garantir ao paciente infectado uma melhor qualidade e maior expectativa de vida. Quando não acompanhada por um médico e sem a prescrição de profilaxias, a doença pode evoluir para o estágio AIDS, mais danoso e difícil de controlar, podendo levar ao óbito.

Chamamos de profilaxia pré-exposição, ou PrEP, a estratégia utilizada por pessoas não infectadas pelo HIV que possuem maior risco de contraí-lo, ou seja, pessoas que tenham comportamentos de risco.

Tratamento Injetável

Atualmente, a profilaxia pré-exposição ao vírus HIV é realizada a partir de pílulas diárias de medicamentos antirretrovirais. A abordagem é vista muitas vezes como cansativa e nada prática.

No entanto, nos últimos dias de dezembro de 2021, a Food and Drug Administration dos EUA (FDA), órgão que equivale a Anvisa do Brasil, aprovou o primeiro tratamento injetável para a prevenção pré-exposição do vírus da imunodeficiência humana.

Liberado para o uso em adultos e adolescentes com no mínimo 35 kg, o medicamento de nome Apretude é inicialmente aplicado duas vezes, com diferença de um mês entre as aplicações. Após as primeiras doses, as injeções devem continuar a cada dois meses para garantir a profilaxia.

Apretude Aprovado pelo FDA – Ensaios Clínicos

Antes de passar pela aprovação da FDA, o medicamento foi avaliado em dois ensaios clínicos randomizados e duplo-cegos que compararam as injeções ao Truvada, medicamento oral até então utilizado como opção para profilaxia pré-exposição.

O primeiro ensaio incluiu homens não infectados pelo vírus do HIV e mulheres transsexuais que mantem relações com homens cis, tendo comportamentos de alto risco de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana. Já o segundo ensaio contou com mulheres cis não infectadas que apresentavam grande risco de adquirir a doença.

Apesar dos resultados satisfatórios, ambos os grupos apresentaram algum tipo de efeito colateral. Os mais citados foram reações no local da aplicação, dores de cabeça e nas costas, fadiga, febre e erupções cutâneas.

O uso do Apretude deve ser realizado apenas em pacientes confirmados como sendo HIV-negativo. Para mais informações, busque ajuda do seu médico infectologista de confiança.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top