Você está aqui
Home > Notícias > Benzodiazepínicos e Pneumonia

Benzodiazepínicos e Pneumonia

Infectologista - Benzodiazepínicos e Pneumonia
Compartilhe

Uso de Benzodiazepínicos como rivotril e demais pode aumentar risco de Pneumonia

Benzodiazepínico como clonazepam (rivotril), diazepam, bromazepam, etc, são muito usados para tratamento de insônia, depressão ou ansiedade.

O uso dessa medicação em idosos é particularmente alta, podendo chegar a 40%

O seu uso, especialmente em idosos, parece estar associado a um aumento das chances de desenvolver Pneumonia

Isso é especialmente importante pois trata-se de uma população já corriqueiramente com fatores de risco para esta infecção, que pode ser muito grave.

Um estudo de revisão foi feito na China e abarcou mais de 120.000 casos de Pneumonia.

Eles descobriram que pessoas que faziam uso tinham 1,25 vezes mais chances de apresentar a doença que quem não fazia uso.

O risco é válido tanto para quem está em:

  • Uso atual (última prescrição nos últimos 30 dias ou vigente) de benzodiazepínico
  • Histórico de uso recente (uso entre 30 e 90 dias)

Uma droga com vários riscos

A necessidade do uso dessa droga deve ser sempre avaliada pelo médico considerando além desse, vários outros riscos que pode acarretar:

  • Quedas
  • Fraturas
  • Disfunção cognitiva
  • Demência
  • Distúrbios comportamentais

 

Fonte:

Benzodiazepínicos e Pneumonia
5 (100%) 10 votos


Compartilhe
Dra. Keilla Freitas
CRM-SP 161.392 RQE 55.156-Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.


https://www.drakeillafreitas.com.br/quem-somos/

Deixe uma resposta

Top