Você está aqui
Home > Notícias > Vitamina D: Benefícios

Vitamina D: Benefícios

Vitamina D: Benefícios

Antigamente sabia-se apenas da importância da vitamina D para a saúde dos ossos.

Hoje sabemos que existem mais de 30 áreas diferentes no nosso organismo com receptores para essa molécula, o que nos mostra um pouco a importância que ela tem para todo o nosso organismo.

A Vitamina D é sintetizada na pele pela exposição à luz solar (radiação ultravioleta) e obtida na dieta.

A hipovitaminose D (níveis de vitamina D baixos no sangue) pode afetar 90% da população em determinadas regiões geográficas.

Ações da Vitamina D:

  • Fortalecimento do osso
  • Fortalecimento dos músculos
  • Prevenção da diabetes em quem não tem a doença
  • Melhor controle da diabetes em diabéticos
  • Melhor controle de doenças pulmonares crônicas
  • Fortalecimento dos dentes
  • Redução de quedas em idosos (melhora o equilíbrio)
  • Diminuição do risco de fraturas (pois reduz as quedas e fortalece os ossos)
  • Modulador do sistema imune
  • Previne Câncer (participa no controle de morte das células, ajudando a diminuir a formação de células deficientes, que provocam o aparecimento de câncer)

Níveis adequados de vitamina D estão ligados principalmente à prevenção do câncer de mama, próstata, colorretal e renal.

O que a Vitamina D baixa pode causar:

>> Consideramos Vitamina D baixa, níveis abaixo de 30

  • Enfraquecimento do osso com aumento do risco de fraturas
  • Dor e fraqueza dos músculos
  • Enfraquecimento da imunidade
  • Alterações musculares
  • Hipertensão arterial
  • Aumento do risco cardiovascular em geral
  • Aumenta o risco de neoplasias como câncer de mama, próstata e cólon
  • Diabetes
  • Esclerose Múltipla
  • Asma
  • Predisposição a infecções respiratórias
  • Aumento das crises em pacientes com doença pulmonar crônica

Importância de suplementação da vitamina D durante a gestação

Ter a vitamina D baixa durante a gestação pode causar diversos problemas à gestação e ao próprio bebê.

O que a vitamina D baixa durante a gestação  pode ocasionar:

 À gestante:
  • Hipertensão gestacional
Ao bebê:
  • Distúrbios psiquiátricos como esquizofrenia
  • Má formação dos ossos
  • Alergias
  • Doenças auto-imunes

Fatores que aumentam o risco de vitamina D baixa

  • Idosos (pessoas maiores de 70 anos, sintetizam apenas 25 % do sintetizado por alguém de 20 anos)
  • Obesos
  • Uso de medicações que aceleram o metabolismo da vitamina D como a Fenitoína
  • Pessoas institucionalizadas
  • Pouca exposição ao sol
  • Uso de protetor solar
  • Pele escura (melanina diminui a síntese da vitamina D)
  • Quem sofre de doenças intestinais de má absorção, como doença celíaca

As necessidades de suplementação da vitamina D aumentam com a idade, uma vez que a síntese na pele diminui.

Indicações de suplementações maiores de vitamina D

  • Prevenção e ajuda no tratamento da osteoporose, prevenindo fraturas
  • Imunidade baixa
  •  Ajuda (nunca sozinho) no tratamento de diversas doenças como:

– Controle da diabetes

– Psoríase

– Hipoparatireoidismo

– Osteodistrofia renal

– Possivelmente Leucemia, câncer de mama, de próstata ou de cólon

– Esclerose Múltipla

Alimentos ricos em vitamina D

  • Salmão selvagem (Contém aproximadamente de 600-1.000 UI de vitamina D3 em cada 100g)
  • Salmão de criação (Contém aproximadamente de 100-250 UI de vitamina D3 em cada 100g)
  • Sardinha em conserva (Contém aproximadamente 300 UI de vitamina D3 em cada 100g)
  • Cavala em conserva (Contém aproximadamente 250 UI de vitamina D3 em cada 100g)
  • Atum em conserva (Contém aproximadamente 230 UI de vitamina D3 em cada 100g)
  • Óleo de fígado de bacalhau (Contém aproximadamente de 400-1.000 UI de vitamina D3 em cada 5ml)
  • Gema de ovo 1 unidade (Contém aproximadamente 20 UI de vitamina D3 em cada unidade)
  • Cogumelos frescos (Contém aproximadamente de 100 UI de vitamina D2 em cada 100g)
  • Cogumelos secos ao sol (Contém aproximadamente de 1.600 UI de vitamina D2 em cada 100g)

Nenhum desses alimentos possuem quantidade necessária para manter níveis adequados de vitamina D.

Banho de sol

Teoricamente, para buscar manter níveis adequados de vitamina D,  seria necessário:

  • Exposição solar ao ar livre
  • Com maior parte do corpo descoberta
  • Sem protetor solar
  • Sem barreiras como vidros de carros
  • Por 15 minutos a 1 hora (dependendo da estação climática, latitude e pigmentação da pele)
  • Entre 10h e 15h
  • Pelo menos duas vezes por semana

Na prática,  os riscos pela exposição aos raios ultravioletas são muito grandes e os banhos de sol não são aconselhados para a manutenção de níveis ideais de vitamina no organismo.

Importância da suplementação da vitamina D

Para se ter quantidades adequadas de vitamina D no organismo, o mais seguro e eficaz é a sua suplementação. Hoje em dia existe no mercado uma infinidade de apresentações de vitamina D: Gotas, cápsulas, compridos.

Um coisa importante na hora de escolher a vitamina D é prestar bastante atenção na dose estipulada no rótulo do frasco. Grande parte das vitaminas D disponíveis nas farmácias possuem doses muito baixas da vitamina D.

Converse com o seu médico para escolher a melhor opção para você.

Manutenção do uso Vitamina D

As pessoas que precisam de suplementação da vitamina D, de forma geral, precisarão suplementar sempre.

Após alcançar os níveis alvo da vitamina, deve-se manter uma dose menor, de manutenção.

Ao interromper a suplementação, via de regra, ela volta a cair após algum tempo.

Efeitos adversos

Vários estudos mostram que doses diárias de 10.000 UI são totalmente seguras.

Contudo, doses muito altas de vitamina D associada a baixa ingesta de líquidos pode aumentar o risco de pedra nos rins.

Para evitar isso, basta ingerir líquidos na quantidade recomendada (2-3 litros por dia, pelo menos).

 

Fonte:

 

 

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  • 23
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    23
    Shares
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

Deixe uma resposta

Top