Você está aqui
Home > Notícias > Perda de peso associada ao HIV

Perda de peso associada ao HIV

perda-de-peso-associada-ao-hiv

Perda de peso associada ao HIV: Como identificar e o que fazer

A perda de peso já foi causa de grande estigma nas pessoas com diagnóstico de HIV no passado.

Ainda hoje é bastante prevalente mesmo na era pós “TARV” – terapia antirretroviral.

A prevalência atual de caquexia em pacientes vivendo com HIV varia de 14 a 38%.

Muitas vezes não é tão fácil perceber.

O que é Caquexia segundo o CDC (1987)

  • Perda de pelo menos 10% do peso.
  • Não pode haver mudança de hábitos ou dieta,
  • Precisa haver de diarreia, febre e/ou fraqueza  por mais 30 dias

 

Limitações no diagnóstico de perda de peso ou caquexia nos pacientes vivendo com HIV:

  • A definição de caquexia previsto pelo CDC foi feito antes da era dos antirretrovirais (ARV).
  • Paciente em uso de ARV podem sofrer perda de peso sem apresentar sintomas
  • Não há tempo definido para perda de peso não intencional em paciente vivendo com HIV.
  • Perda de peso ou diminuição do Índice de Massa Corporal (IMC) não significa mudança na composição corporal ou porcentagem de músculo ou gordura.

 

O que consideramos perda de peso no paciente vivendo com HIV?

  • Perda de peso maior que 10% do peso basal em 1 ano ou maior que 5% em 6 meses

Pacientes em fase AIDS podem apresentar apenas a caquexia como sinal, sem nenhuma infecção oportunista

 

Fatores que aumentam o risco de caquexia e perda de peso em pacientes com HIV:

  • Baixo nível de CD4 (menor que 200 células)
  • Altos níveis de vírus no sangue
  • Uso de drogas injetáveis
  • Baixo nível socioeconômico
  • Presença de náuseas (enjoos)
  • Uso de alguns antirretrovirais
  • Diarreia
  • Presença de infecções fúngicas na boca (“sapinho”)
  • Infecções oportunistas
  • Presença de lipodistrofia
  • Atividade inflamatória
  • Alteração hormonal (hipertireoidismo ou hipogonadismo)
  • Alterações metabólicas
  • Má absorção gastrointestinal
  • Doenças crônicas várias que aumentam a catabolismo (quebra) de proteínas
  • Vários tipos de câncer

 

A importância de monitorar o peso nos pacientes vivendo com HIV:

  • Identificação a perda de peso não intencional o mais precocemente possível e investigação de suas possíveis causas.
  • Cada perda de 1% de peso corporal não intencional em pacientes com HIV, aumenta do risco de morte em 11%
  • Uma perda de mais de 10% do peso corporal não intencional aumenta o risco de morte em 6 vezes .

 

Como diagnosticar perda de peso/caquexia em pessoas vivendo com HIV:

  • Vigilância de peso
  • Analise de bioimpedância biométrica
  • Tomografia computadorizada (diferencia lipodistrofia de caquexia de acordo a avaliação da área corporal com tecido adiposo reduzido)
  • Medida de composição corporal com exames de imagem de corpo inteiro – DEXA
  • Medidas de acúmulo de panículo adiposo

Como prevenir:

  • A medida mais importante para prevenir a perda de peso associada ao HIV é iniciar o tratamento antirretroviral o mais cedo possível.
  • Para isso é preciso fazer o diagnóstico precoce, antes que apareça qualquer sintoma.
  • Praticar atividade física regular. Com treinos aeróbicos e musculares.
  • Alimentação adequada, risca em proteínas e muitos líquidos
  • Suplementação de Omega 3 em altas doses diarias.
  • Acabar com o Tabagismo
  • Evitar o uso de drogas.

O que fazer diante da perda de peso/caquexia em pessoas vivendo com HIV:

  • Avaliar a adesão ao Tratamento do HIV,
  • Medir imunidade e níveis de vírus no sangue
  • Reavaliar medicações antirretrovirais usadas por estes pacientes
  • Avaliar possíveis interações medicamentosas entre os ARV e outros remédios de uso diário
  • Medição hormonal (tireoide, hormônios sexuais,
  • Avaliação do fígado, rim, dosagem de proteínas,
  • Afastamento de câncer como causa
  • Avaliação nutricional
  • Avaliação psicológica e social

 

Como tratar:

  • Estimulante de apetite como o Megestrol ou Dronabinol
  • Hormônio Recombinante de Crescimento Humano (rhGH)

Aumento da massa muscular:

  • Homens: Reposição hormonal em pacientes com hipogonadismo (testosterona diminuída)
  • Mulheres: Oxandrolona (parecido com a testosterona sem efeito masculinizante)

 

Fonte:

 

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  • 24
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    24
    Shares
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

12 thoughts on “Perda de peso associada ao HIV

  1. bom dia , faço musculação e descobri que tenho hiv , já tomava oxandrolona , gostaria de saber se agora com a doença posso continuar tomando , claro com você receitando as quantidades !

    1. Isso tem que ser avaliado pelo Infectologista que te acompanha e em comum acordo contigo, tem que ser avaliado o seu organismo como um todo, os antivirais usados , o status imunológico e a carga viral.

  2. Bom dia, li um artigo sobre perca de peso nos infectados pelo HIV. Sou portador a um ano e meio e desde então, sempre mantive o mesmo peso. Recentemente comecei perder peso, mesmo me alimentando corretamente. Até melhor eu diria. Em conversas com meu infecto, ele mencionou o uso de “bombas” (termo usado por ele) Para que eu ganhasse peso aliado a um trabalho de musculação. Existe essa possibilidade e quais os riscos que isso pode me trazer ? E qual remédios são usados nesses casos ?

    1. Existem algumas estratégias que podem ser utilizadas dependendo do objetivo principal.
      – Suplementos proteicos e atividade física muscular direcionada para hipertrofia e ganho de massa são os principais e não possuem contar indicações desde que somados a uma boa ingesta de líquidos.
      Outras estratégias como: uso de Hormônio Recombinante de Crescimento Humano (rhGH) ou reposição hormonal se houver alguma hormônio estiver diminuído deve ser avaliado caso a caso por um endocrinologista ou médico nutrólogo especialista em exercícios. Não deixe de dizer falar sobre as medicações que você faz uso.

    1. Bom dia. Você precisa procurar um médico infectologista de sua confiança, juntamente com o histórico de exames, para que possa te avaliar pessoalmente e solicitar mais exames a fim de investigar o que está causando esses problemas.

  3. bom dia. desde que descubri que tenho HIVja tenho muita fraqueza no corpo e dor cabeca constante e nem consigo andar muita perda de peso 50%. e gostaria de saber por parte da Doctora se todos esses sintomas algum dia pode passar ??

    1. Boa tarde. Caso você ainda não tenha iniciado seu tratamento, sugiro que procure um médico infectologista de sua confiança, para que te analisar pessoalmente, possa solicitar os exames necessários para seu caso e já dar início ao tratamento (saiba mais aqui: http://www.drakeillafreitas.com.br/tratamento-do-hiv-o-que-voce-precisa-saber/).
      Caso já tenha dado início ao tratamento, precisa avaliar junto ao seu médico a adesão do tratamento por seu organismo e possíveis mudanças em sua dieta.

  4. bom dia !
    Pesava 63kg, em 9 meses emagreci 12kg, depois de problemas pessoais, hj peso 58 e tenho 1,73, temo em estar passando por mudanças físicas devido à uso do 3 in 1, que uso há três anos quase. Perante esses números oque poderia me aconselhar ?
    Posso estar com algum tipo de reação?
    Carga indetectável 01/01/2018. Como diagnosticar essas mudanças em exames ? Sabemos que sistema público pouco informa disso. Muito obrigado !

    1. Bom dia. Isso tem que ser avaliado pelo Infectologista que te acompanha e em comum acordo contigo, tem que ser avaliado o seu organismo como um todo, os antivirais usados , o status imunológico e a carga viral.
      Existem algumas estratégias que podem ser utilizadas dependendo do objetivo principal.
      – Suplementos proteicos e atividade física muscular direcionada para hipertrofia e ganho de massa são os principais e não possuem contar indicações desde que somados a uma boa ingesta de líquidos.
      Outras estratégias como: uso de Hormônio Recombinante de Crescimento Humano (rhGH) ou reposição hormonal se houver alguma hormônio estiver diminuído deve ser avaliado caso a caso por um endocrinologista ou médico nutrólogo especialista em exercícios. Não deixe de falar sobre as medicações que você faz uso.

  5. Boa tarde… Sempre usei camisinha nas minhas relações sexuais e nunca houve ejaculação dos meus parceiros durante o ato. Gostaria de saber se existe risco efetivo de Hiv diante destas práticas…

Faça Aqui sua Pergunta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top