Você está aqui
Home > Vídeos > HIV > Opções para o tratamento do HIV no Brasil

Opções para o tratamento do HIV no Brasil

Opções para o tratamento do HIV no Brasil

Opções para o tratamento do HIV no Brasil

O Tratamento do HIV no Brasil, acompanha os países mais avançados no mundo.

De todas as classes de antirretrovirais disponíveis no mundo, o Brasil possui pelo menos 1 exemplar

Opções para o tratamento do HIV no Brasil – Classes de antirretrovirais:

  • Inibidores da Transcriptase Reversa Nucleosídeo – ITRN
  • Inibidores da Transcriptase Reversa Não Nucleosídeo – ITRNN
  • Inibidores da Protease – IP
  • Inibidores da Integrase – II
  • Inibidores da Fusão – IF
  • Inibidores do CCR5 – ICCR5

Opções para o tratamento do HIV no Brasil:

Inibidores da Transcriptase Reversa Nucleosídeo

  • Abacavir
  • Estavudina
  • Didadosina
  • Lamivudina
  • Tenofovir
  • Zoduviduna

Inibidores da Transcriptase Reversa Não Nucleosídeo

  • Efavirenz
  • Nevirapina
  • Etravirina

Inibidores da Protease

  • Atazanavir
  • Darunavir
  • Fosamprenavir
  • Lopinavir
  • Ritonavir
  • Tipranavir

Inibidores da Integrase

  • Dolutegravir
  • Raltegravir

Inibidores da Fusão

  • Enfuvirtida

Inibidores do CCR5

  • Maraviroc

Opções para o tratamento do HIV no Brasil – Objetivos do tratamento do HIV:

  • Supressão viral ou Carga Viral Indetectável ou não detectável (CV ND) por mais tempo
  • Restaurar e preservar a função imunológica
  • Melhor qualidade de vida
  • Maior expectativa de vida
  • Prevenção de transmissão do HIV em situações de contato com o sangue infectado
  • Prevenção da transmissão sexual do vírus (Carga viral menor no sangue causa carga viral menor nos fluidos sexuais)
  • Prevenção de transmissão vertical (especialmente se carga viral abaixo de 50 cópias/ml)

Opções para o tratamento do HIV no Brasil – O que é carga viral indetectável?

CV ND não significa a ausência de vírus circulando no sangue. Significa que a quantidade de vírus circulando no sangue é tão baixa que não pode ser detectada pelo exame usado.

A Organização Mundial da Saúde considera indetectável a carga viral abaixo de 1.000 cópias/ml.

Obviamente, quanto menor a carga viral melhor.

Os testes moleculares de detecção de carga viral são cada vez mais sensíveis, possibilitando-nos avaliar níveis cada vez menores de carga viral.

Saiba mais em: http://www.drakeillafreitas.com.br/tratamento-do-hiv-o-que-voce-precisa-saber/

 

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

9 thoughts on “Opções para o tratamento do HIV no Brasil

  1. Gostaria de saber se cair urina de uma pessoa com hiv, em cima da pele nao integra, com machucadinhos se tem risco de uma contahucadin?

  2. Boa tarde,
    Na opinião particular da sra. algum dia haverá cura? Se sim, quando acha que isso acontecerá? Acha que ela pode ser encontrada até 2020 como advoga a AMFAR?
    Obrigado pela atenção

      1. Dra eu tive relaçao sexual com uma mlr portadora do virus hiv. Eu ja fiz tres exames o teste rapido onde tirarao sangue da minha veia. O ultimo exame eu fiz com 91 dias ainda eu corro o risco de ter o virus?

      2. Dra eu tive relaçao sexual com uma mlr portadora do virus hiv. Eu ja fiz tres exames o teste rapido onde tirarao sangue da minha veia. O ultimo exame eu fiz com 91 e deu negativo dias ainda eu corro o risco de ter o virus?

  3. Obg pela resposta dr eu fiz o exame cujo o nome e imunocromatografia. Em um hospital publico Sao jose. muito conhecido aqui de fortaleza na primeira vez q eu fui la a medica infectologista me disse q se em tres meses os resultados for negativo eu ja estava fora de risco mas quando fiz o exames com 91 dias as enfermeiras me pediram pra voltar la com 180 dias ai eu fiquei confuso queria uma orientaçao da senhora que ja e mestre nessi assunto

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top