Você está aqui
Home > Vídeos > Campanhas > HIV > O que muda na vida de quem tem HIV

O que muda na vida de quem tem HIV

O que muda na vida de quem tem HIV

O que muda na vida de quem tem HIV?

O HIV, mais que uma doença infecciosa, é uma doença crônica.

Ainda existem pessoas que ao receber o diagnóstico de HIV acham que suas vidas acabaram.

Isso não é verdade e o fato é que, depois que passa o impacto inicial, a rotina muda muito pouco ou em alguns casos, muda para melhor.

Pode parecer contraditório mas muitas vezes ao saber do diagnóstico a pessoa repensa sua vida e suas escolhas e passa a ter uma vida mais saudável, e porque não dizer, mais feliz.

O que muda na vida de quem tem HIV é a qualidade e o equilíbrio.

Sabemos que tanto o HIV quanto alguns antirretrovirais aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

Isso ocorre porque o vírus causa uma inflamação crônica em todo o corpo.

Além disso alguns antirretrovirais aumentam o risco de desenvolvimento de diabetes ou alterações do colesterol, principalmente em pessoas que já possuem pré-disposição para isso.

Com toda a evolução pela qual passou o tratamento do HIV, hoje a vida da pessoa que vive com o HIV se assemelha bastante à vida de pessoas com doenças como hipertensão e diabetes.

Tratamento da pessoa vivendo com o HIV

  • A pessoa precisa tomar medicação todos os dias
  • Boa qualidade de sono,
  • Atividade física regular,
  • Dieta saudável rica em proteína
  • Beber bastante líquidos
  • Evitar coisas tóxicas como drogas psicoativas, álcool e cigarro.
  • Ir ao médico infectologista e fazer exames de rotina periodicamente
  • Cuidar de outros problemas de saúde que apareçam como pressão alta, alteração do colesterol, diabetes, depressão, estresse, etc.

É um tratamento para toda a vida sim. Mas assim são os tratamento para várias doenças como hipertensão, diabetes, alteração do colesterol, lúpus, entre outras.

 

 

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

4 thoughts on “O que muda na vida de quem tem HIV

  1. Tenho uma duvida. Tou saindo do ciclo do climaterio e entrando na menopausa . Meu fluxo menstrual aumentou consideravelmente .hemorragia. o TARV pode influenciar pois cheguei a fazer varios ultrasons. Tudo normal. E a hemorragia continua. Me explique doutora.

Deixe uma resposta

Top