Você está aqui
Home > HIV/AIDS > História do HIV

História do HIV

História do HIV

Last updated on janeiro 16th, 2018 at 05:32 pm

História do HIV

História do HIV: 1.900 – Dos Macacos aos Seres Humanos

  • Entre 1.884 e 1.994, em algum lugar na Africa Central, um caçador mata um chimpanzé.
  • Algum sangue do animal entra no corpo do caçador, possivelmente por uma ferida aberta.
  • Este sangue carrega um vírus que é inofensivo para o chimpanzé, porém letal para o ser humano, um vírus que mais tarde receberia o nome de HIV.
  • O vírus se espalha entre os seres humanos, mas as mortes causadas por ele são atribuídas a outros fatores.

História do HIV: 1.981 – Primeiros casos reconhecidos

  • Em junho, é publicado em revista médica, o primeiro caso de morte em um homem gay jovem por pneumonia
  • Tratava-se de uma pneumonia grave causada por um fungo, capaz de causar doença apenas em pessoas com imunidade muito baixa.
  • Em 14 de Julho, primeiro relato de caso do Sarcoma de Kaposi – câncer de pele até então raro.

História do HIV: 1.982 – o nome “AIDS”

  • A Síndrome recebe o nome de Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – AIDS.
  • Cientistas suspeitam que a transmissão ocorra por sangue contaminado.
  • Ainda não se sabe o que causa a síndrome
  • Confirmados os primeiros casos de AIDS no Brasil
  • Chamada de Doença dos 5 Hs: Homossexuais, Hemofílicos, Haitianos, Heroinômanos (usuários de heroína injetável), Hookers (profissionais do sexo em inglês)

História do HIV: 1.983 – A causa é um vírus

  • Isolado vírus em glândula de paciente com AIDS
  • Primeiramente recebe o nome de Vírus Associado a linfadenopatia – LAV
  • Primeira notificação do vírus em crianças
  • Brasil identifica o seu primeiro caso de transmissão do vírus em mulher

História do HIV: 1.984-85

  • O vírus recebe o nome de HLTV-III por pensarem ser um novo sorotipo de mesmo vírus já descoberto, HTLV
  • Morre o ator Rock Hudson, vítima da AIDS
  • Histeria mundial
  • Perseguição às pessoas com AIDS
  • Primeiro teste diagnóstico licenciado, bancos começam a usá-lo para avaliar sangue de doadores.

História do HIV: 1.986 – Nome oficial

  • O vírus recebe oficialmente o nome de Vírus da Imunodeficiência Humana – HIV
  • Presidente Reagan usa publicamente a palavra AIDS pela primeira vez.

História do HIV: 1.987

  • Proibida entrada de imigrantes com HIV nos Estados Unidos
  • Pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz isolam o HIV-1 pela primeira vez na América Latina.
  • Início da administração do AZT (Zidovudina), medicamento utilizado em pacientes com câncer, para o tratamento da Aids.

História do HIV: 1.988 – 1.990

  • FDA libera o uso de drogas ainda em estudos clínicos para tratamento de pessoa com AIDS
  • 01 de Dezembro de 1.988 – primeiro dia mundial contra a AIDS
  • Mudança do alvo terapêutico
  • Cientistas descobrem que o vírus circula no sangue e vai reduzindo a imunidade, muito antes do aparecimento dos sintomas da AIDS
  • O objetivo do tratamento passa a ser manter os níveis de vírus no sangue baixos.
  • Morre aos 32 anos, o cantor Cazuza, vítima da AIDS

História do HIV: 1.991-92

  • O laço vermelho torna-se o símbolo da consciência  sobre a AIDS
  • O atleta Magic Johnson anuncia que é portador do vírus do HIV
  • Cantor Freddie Mercury morre, vítima da AIDS
  • A AIDS se torna a primeira causa de morte entre homens de 25-44 anos nos Estados Unidos
  • FDA licencia o primeiro teste rápido
  • O AZT (Zidovudina) começa a ser distribuído pelo SUS

História do HIV: 1.993-94

  • Anúncio para o uso de preservativos como forma de prevenção da transmissão do HIV na televisão.
  • AZT começa a ser produzido no Brasil
  • Estudos mostram que o AZT pode cortar a transmissão do vírus de mãe para filho.

História do HIV: 1.996-97 – Inicio da Era TARV (Tratamento Antirretroviral)

  • Inicio do uso do coquetel (zidovudina + Didanosina) para tratamento do HIV.
  • O tratamento é capaz de reduzir a taxa viral a níveis quase indetectáveis no sangue e reduz as mortes por HIV em 40%.
  • Morre o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, vítima da AIDS

História do HIV: 1.998-2000 – Efeitos adversos dos ARV

  • Aumentam os casos de efeitos colaterais graves aos antirretrovirais
  • Aumenta o número de falhas ao tratamento
  • FDA aprova novas classes de ARV (inibidores de protease)
  • AIDS se torna a principal causa de morte no mundo entre pessoas de 15 a 59 anos

História do HIV: 2.006-07

  • UNAIDS recomenda a circuncisão como forma de redução do risco de transmissão da mulher para o homem em locais de alto risco.

História do HIV: 2.008

  • Novo aumento de casos novos entre homens que fazem sexo com homens.

História do HIV: 2.010

  • Revogação da lei de proibição de imigrantes portadores de HIV

História do HIV: 2.012  – PrEP

  • FDA aprova o uso de Tenofovir/Entricitabina como Profilaxia Pré-Exposiçao – PrEP com o objetivo de prevenir novas infecções entre pessoas de alto risco.

História do HIV: 2016-17 – PrEP no Brasil / U=U

  • Anvisa libera o uso do Truvada (medicação usada para a Profiláxia Pré-exposição)  no Brasil que passa a ser disponibilizada pelo SUS
  • CDC – Centro de Controle de doenças dos Estados Unidos, define que pessoas com Carga Viral indetectável não transmitem o vírus, mesmo em relações sexuais sem preservativo. É a campanha U=U (undetectable is untransmittable) ou seja, I=I (Indetectável é igual a Intransmissível)

 

Referências:

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  • 5
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    5
    Shares
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top