Você está aqui
Home > Infecção Viral > Gripe ameaça saúde das gestantes

Gripe ameaça saúde das gestantes

Last updated on janeiro 22nd, 2017 at 06:05 pm

Gripes como H1N1 colocam as gestantes em risco:

Elas ficam com maior risco de desenvolver:

  • Insuficiência respiratória aguda grave
  • Pneumonia.

Além disso, o adoecimento durante a gestação tem sido associado a um maior risco de morte ao nascer ou a partos prematuros.

Pesquisadores na Austrália Ocidental avaliaram 58.000 nascimentos ocorridos entre Abril de 2012 e Dezembro de 2013.

Foram desconsiderados outras causas de morte ao nascer, como o tabagismo materno, que poderiam alterar os resultados. 

Entre as gestantes vacinadas houve uma incidência de 3 mortes ao nascer para cada 100.000 gestantes/dia.

Já entre as não vacinadas, houve uma incidência de 5 mortes ao nascer para cada 100.000 gestantes /dia.

Esses dados são significativos e embasam a orientação de vacinar todas as gestantes contra a gripe.

O Ministério da Saúde, publicou uma nota técnica de Nº 05/2010,

Nela descreve-se a estratégia de vacinação contra o vírus Influenza A (H1N1) em gestantes.

Orientam que elas devem ser vacinadas contra a Gripe, independente da sua idade gestacional.

Quem não pode tomar a vacina da gripe:

  • Pessoas com doença febril aguda,
  • Pessoas com doença neurológica em atividade,
  • Pessoas com antecedentes de alergia grave a componentes do ovo, ao timerosal (Merthiolate®) e à neomicina.

Nos casos de doença febril aguda, passada esta fase, a vacina poderá ser administrada normalmente.

O Comitê Consultivo em Práticas de Imunizações (ACIP), do Centro de Controle de Doenças (CDC), assim como o Comitê Técnico Assessor em Imunizações (CTAI) do Ministério da Saúde e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) recomendam a vacinação de rotina contra a influenza para todas as mulheres gestantes durante o inverno.

Durante a epidemia da influenza sazonal, pandemias anteriores e a pandemia pela influenza A (H1N1)pdm09, a gravidez colocou as mulheres saudáveis em risco aumentado, sendo as gestantes consideradas de alto risco para a morbidade e a mortalidade, reforçando a necessidade da vacinação.

As puérperas apresentam risco semelhante ou maior que as gestantes de ter complicações em decorrência da influenza durante a gestação ou no período do puerpério.

Mertz et al (2013)30 publicaram uma revisão sistemática e metanálise de 63.537 artigos sobre o risco de complicações graves associadas à influenza.

Eles verificaram que a presença de qualquer fator de risco/comorbidade aumentou o risco de morte por influenza sazonal em:

  • 2,77 vezes quando a infecção foi causada pela cepa A(H1N1) pdm09 (pandêmica)
  • Duas vezes, quando a doença foi causada por outros vírus A ou B.

As puérperas tiveram um risco de morte por influenza A (H1N1)pdm09 4,4 vezes maior. No Brasil, desde 2013, as puérperas, no período de até 45 dias após o parto, foram incluídas no grupo alvo de vacinação.

Fonte:

  1. Clinical Infetious Diseasehttp://cid.oxfordjournals.org/content/62/10/1221
  2. https://www.sciencedaily.com/releases/2016/03/160331082507.htm

Compartilhe nas redes sociais:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Dra. Keilla Freitas
Dra. Keilla Freitas
Residência médica em Infectologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) com complementação especializada em Controle de Infecção Hospitalar pela USP (Universidade de São Paulo); Pós-Graduação em Medicina Intensiva pela Universidade Gama Filho; Graduação em Medicina pela ELAM, com diploma revalidado por prova de processo público pela UFMT (Universidade Federal do Mato Grosso); Experiência no controle e prevenção de infecção hospitalar com equipe multidisciplinar no ajustamento antimicrobiano, taxa de infecção do hospital e infectologia em geral, atendendo pacientes internados e com exposição ao risco de infecção hospitalar; Vivência em serviço de controle de infecção hospitalar, interconsulta de pacientes cardiológicos e imunossuprimidos pós-transplante cardíaco no InCor (Instituto do Coração) ; Gerenciamento do atendimento prestado aos pacientes internados em quartos e enfermarias, portadoras de doenças crônicas e agudas com necessidades de cuidados e controles específicos.
http://www.drakeillafreitas.com.br/

Deixe uma resposta


*Os comentários são limitados a 500 letras. Obrigada.

Top